Sinos e tiros de canhão expressam homenagens ao Príncipe Philip, que morre aos 99 anos

Príncipe Philip, importante apoio da Rainha Elizabeth II, completaria 100 anos em junho

 

Na manhã deste sábado, ouviu-se em Londres, tiros de canhão e os sinos tocaram 99 vezes, em homenagem ao Duque de Edimburgo, Príncipe Philip, marido da Rainha Elizabeth II, que morreu nesta sexta-feira, aos 99 anos. Ele completaria 100 anos no dia 10 de junho

 

Da Redação

Ao anunciar a morte do Duque de Edimburgo, Príncipe Philip, marido da Rainha Elizabeth II – oficial da Marinha britânica –, nesta sexta-feira pela manhã, aos 99 anos, as bandeiras do Castelo de Windsor ficaram a meio mastro. Na manhã deste sábado, ouviu-se em Londres, tiros de canhão e os sinos tocaram 99 vezes, em homenagem ao príncipe, que completaria 100 anos no próximo dia 10 de junho. O duque, que tem sido o apoio constante da rainha por mais de sete décadas – 73 anos de casados –, deixa a monarca ressentida e reclusa em seus aposentos, segundo informações de serviçais do palácio.

 

Principal apoiador da Monarca – Chefes de estados de todo o mundo manifestaram condolências à Rainha Elizabeth e a família real britânica. A causa exata da morte ainda não foi informada pelo Palácio de Buckingham, mas sabe-se que o duque esteve internado, e em fevereiro ele passou por uma cirurgia do coração.

O velório será realizado na capela de São Jorge, no Castelo de Windsor. O príncipe também vai ser enterrado nesse castelo, a pedido dele mesmo. Não será feita cerimônia de Estado. Foi pedido ao público para não comparecer, pois há preocupação com a possibilidade de infecções pelo coronavírus. A família real pede que em vez de flores, as pessoas façam doações a associações acarinhadas pelo duque de Edimburgo.

O Duque de Edimburgo se casou com Elizabeth em 1947 e teve um papel fundamental na modernização da monarquia no período pós-Segunda Guerra Mundial. Por trás das paredes do Palácio de Buckingham, era a única figura chave a quem a rainha podia recorrer e em quem confiar.

Em um discurso que marcou seu 50º aniversário de casamento em 1997, Elizabeth fez uma rara homenagem pessoal a Philip: “Ele tem, simplesmente, sido minha força e permanência todos esses anos”.

Apesar do protocolo, que o obrigou a estar sempre atrás da rainha e só cumprimentar as pessoas depois dela, em privado ele era considerado o chefe da família. Philip não acompanhava sempre Elizabeth II — ele fez mais de 22 mil eventos só. Em agosto de 2017, ele se retirou da vida pública, apesar de, eventualmente, ainda aparecer em compromissos oficiais.