‘GP de Miami’ em 2022, desperta o interesse de patrocinadores e turistas brasileiros

 

GP de Miami na primeira quinzena de maio de 2022 atrai a atenção de turistas brasileiros

 

O ‘GP de Miami’, que entra no calendário do Mundial de Fórmula 1 a partir de 2022 – provavelmente na primeira quinzena de maio –, desperta  o interesse de empresas brasileiras, que pleiteiam patrocinar o evento da Flórida. Também turistas brasileiros já vislumbram incluir no pacote de viagem Miami, para acompanhar o GP. A nova rota aos EUA inclui o GP e visita aos parques e compras em Orlando

 

Da Redação

Com a oficialização do ‘GP de Fórmula 1 de Miami’, a partir de 2022 – incrementando o calendário Mundial,  provavelmente na primeira quinzena de maio –, já se inicia uma sondagem de patrocinadores brasileiros, na tentativa de incorporar o seleto time de empresas que apoiam as corridas. Em contrapartida, com a liberação de estrangeiros para entrar nos EUA, a partir de novembro, o público do Brasil que acompanha a ‘Fórmula 1’, já inclui no pacote de viagem visita a Miami, parar assistir de perto o GP. Com isso, agentes de viagens já preparam um roteiro especial para o próximo ano – incluindo Orlando – , aguardando apenas a data oficial da corrida.

‘Miami Gardens’ e a ‘Fórmula 1’, ao assinarem um acordo de dez anos – com validade a partir do ano que vem –, despertou um interesse maior do seleto público brasileiro que acompanha as corridas – até então se locomovendo ao Texas para o GP em Austin, desde 2012. Mas diferente do Circuito das Américas, as instalações no novo traçado da Flórida serão urbanas, com a pista sendo construída em torno do Hard.

E mesmo sem data definida para o GP de Miami, turistas brasileiro vislumbram a possibilidade de unir o útil ao agradável, ou seja, assistir a corrida, e, posteriormente, seguir para Orlando para visitar os parques, restaurantes e ir às compras.  Um “pacote perfeito”, segundo agentes de viagens, que atende a família.

O circuito de Miami terá 5,41 km e 19 curvas, compreendendo um misto de curvas fechadas e trechos de alta velocidade. Ainda não há, no momento, uma data definida para a realização da corrida em 2022. O layout definitivo concluiu um longo processo que resultou, desde quando começaram as tratativas entre ‘F1’ e ‘Miami Gardens’, na simulação de 36 traçados diferentes.

Nas projeções feitas pela categoria, a velocidade máxima alcançada pelos carros vai ser de 320 km/h, enquanto a média horária de uma volta será em torno de 223 km/h.

Miami será a 11ª localidade dos EUA a receber uma etapa do Mundial de F1 depois de Riverside, Sebring, Watkins Glen, Long Beach, Las Vegas, Detroit, Dallas, Phoenix, Indianápolis — que teve as 500 Milhas de Indianápolis válidas pelo Mundial entre 1950 e 1960, e no circuito misto, entre 2000 e 2007 —, além de Austin, no Texas, que recebe a F1 desde 2012.

Stefano Domenicali, novo presidente e CEO da Fórmula 1, comemorou a chance de finalmente celebrar o acordo para levar o Mundial a Miami. “Os Estados Unidos são um mercado-chave em crescimento para nós e estamos muito encorajados por nosso alcance crescente nos Estados Unidos, que vai ser ainda mais impulsionado por essa segunda corrida. Estaremos trabalhando em estreita colaboração com a equipe do ‘Hard Rock Stadium’ e com a ‘FIA’ para garantir que o circuito ofereça corridas sensacionais, mas também deixe uma contribuição positiva e duradoura para as pessoas da comunidade local”, disse o italiano.

“Somos gratos aos nossos fãs, às autoridades eleitas de ‘Miami Gardens’ e à indústria do turismo local por sua paciência e apoio ao longo deste processo. Estamos ansiosos para trazer o maior espetáculo do automobilismo no planeta para Miami pela primeira vez na história do nosso esporte”, destacou Domenicali.