Síria pede intervenção da ONU para uma solução pacífica a conflitos na região

Síria pede intervenção da ONU para uma solução pacífica a conflitos na região

Bashar Jaafari (Reuters)
Bashar Jaafari (Reuters)

O governo sírio pediu hoje (2) a intervenção da Organização das Nações Unidas (ONU) para evitar mais ataques na Síria. O delegado permanente da Síria nas Nações Unidas, Bashar Al Jaafari, enviou uma carta ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, oficializando o apelo para que a organização se esforce e alcance uma solução pacífica para a crise. No texto, Al Jaafari reforçou que o governo sírio não usou armas químicas, como acusaram autoridades de oposição e alguns países ocidentais e lembrou que o Conselho de Segurança das Nações Unidas deve impedir “todo o uso da força”.

O regime do presidente Bashar Al Assad é acusado pela oposição e por alguns países ocidentais, liderados pelos Estados Unidos, de usar gás tóxico em um ataque ocorrido há dez dias, nos arredores de Damasco, provocando a morte de centenas de pessoas. O regime sírio nega as acusações, mas os Estados Unidos defendem intervenção militar na Síria

Inspetores da ONU estavam até sábado (31) na Síria para recolher vestígios de um eventual uso de armas químicas. A comitiva visitou os arredores de Damasco, capital do país. Ontem (1º), o porta-voz da organização, Martin Nesirky, disse que ainda não é possível definir um calendário para as análises do material recolhido e afirmou que os peritos não vão tirar conclusões sobre o uso de armas químicas na Síria antes da conclusão dessas análises laboratoriais.

Representantes do governo sírio disseram que qualquer ação militar americana contra o país seria equivalente a um apoio dos Estados Unidos à “Al Qaeda e seus grupos afiliados”. O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, assegurou que os Estados Unidos receberam e analisaram amostras que provam o uso de gás sarin no ataque de 21 de agosto, próximo de Damasco, que foi também atribuído ao regime Al Assad.

O secretário-geral da Liga Árabe, Nabil Al Arabi, disse nesta segunda-feira que é favorável a uma intervenção na Síria, com o apoio da ONU. Al Arabi afastou qualquer divisão entre os países árabes sobre a solução para o conflito. Os chefes da diplomacia árabes não fizeram qualquer alusão à intervenção militar, defendida pelos Estados Unidos, mas pediram à ONU e à comunidade internacional que assumam a responsabilidade e tomem medidas contra os autores do ataque do dia 21 de agosto nos arredores de Damasco.

Fonte: Agência Brasil