Novo desafio no caminho da fé, após 25 anos à frente da Igreja Presbiteriana Nova Esperança

Pastor Wesley Galvão deixa o comando da Presbiteriana Nova Esperança dia 22 de novembro

 

Durante 25 anos o Pastor Wesley Galvão esteve à frente da “Igreja Presbiteriana Nova Esperança” de Orlando, prestando serviços de assistências à comunidade brasileira e às famílias de baixa renda. Ele está deixando o comando à igreja para um novo desafio, no Instituto Brusa  

 

Da Redação

E após 25 anos à frente da “Igreja Presbiteriana Nova Esperança” de Orlando – com sede própria –, realizando cultos e prestando serviços de assistências à comunidade brasileira e às famílias de baixa renda – também disponibilizando atendimento na área de imigração –, o Pastor Wesley Galvão se despede de suas atividades, no próximo dia 22 de novembro – oportunidade em que celebrará o último culto. Agora, como ele relata, segue para um novo desafio, no Instituto Brusa – estudos e Seminário Teológico –, a convite do Dr. Mário Antônio Silva, vice-reitor da UNIFIL – Universidade Filadélfia de Londrina (PR), onde irá ministrar uma série de cursos de educação Cristã. “É uma nova etapa de minha jornada, prestando serviços à comunidade cristã, e estou entusiasmado. A sede do ‘Instituto Brusa’ fica em Orlando, onde vamos ter muito trabalho pela frente com cursos de ordem cristã, também iremos prestar serviços de assistência tecnológica a todas as igrejas de Orlando e adjacências”, ressalta.

O Pastor Wesley informa que no próximo dia 18 de novembro, às 9h30 am, será oferecido um café da manhã de apresentação do “Instituto Brusa” para imprensa e convidados, no “Tony’s Brazilian Grill” – 5159 International Dr., ocasião em que as diretrizes das atividades vão ser compartilhadas. “Será um encontro extremamente importante com os jornalistas e demais convidados, onde vamos abordar tópicos de nossas atividades junto aos jovens cristãos. É um trabalho na área seminarista, com a participação do vice-reitor da ‘UNISUL’, o Dr. Mário Antônio Silva, que me convidou para este projeto, e que oportunamente irá explanar sobre as metas do instituto”, complementa o pastor.

 

Regras de segurança no culto presencial – Indagado sobre os percalços da pandemia e os trabalhos realizados à frente da “Igreja Presbiteriana Nova Esperança” neste período de doença, o Pastor Wesley Galvão disse que foram oito meses de intensas atividades, com a criação de grupos de pastores pelo whatsapp e reuniões pelo aplicativo Zoom.

“Quando a pandemia se intensificou nos Estados Unidos, por volta do mês de março, em Orlando, evidente, sofremos as consequências e posso dizer que passamos por fases de pânico. Na Flórida, como somos acostumados com os furacões, à população corre aos supermercados e compra alimentos, água e produtos de necessidades para estocar em casa, e, na pandemia, a situação não foi diferente. Era como se estivéssemos vivendo um pré-furacão porque em poucas horas os alimentos, água e papel higiênico desapareceram das prateleiras dos supermercados. Foi à fase do pânico, pela incerteza dos fatos, pois as informações sobre o coronavírus ainda eram desconhecidas. Tudo muito incerto porque a doença é complexa”, lembra o pastor.

“Na igreja, nós suspendemos todas as nossas atividades, interrompemos o curso de inglês e ninguém saía de casa. Eu denomino esse período como a fase do caramujo. Todo mundo se escondendo em casa, evitando falar com outras pessoas. Todos tinham medo, compreende? Depois veio a segunda fase, que era a fase da avaliação. E todo mundo se perguntava: o que fazer? Como fazer? Muitas pessoas perderam o trabalho, outras continuaram trabalhando, mas era tudo muito complexo. A partir daí, entramos para a fase da digitalização, com as pessoas trabalhando em casa, o homework, reuniões on-line – as reuniões da nossa diretoria eram on-line. Foi então que criamos a tele visita, e através das câmeras, visitávamos a casa das pessoas, fazendo orações. Era um café virtual, que deu muito certo, e ajudou várias famílias em Orlando e nas cidades próximas. Não paramos o nosso trabalho, apenas interrompemos as nossas atividades do escritório de ajuda à Imigração porque o setor foi paralisado. A Imigração suspendeu o atendimento na ocasião”, complementa Wesley.

 

Retomada dos trabalhos da Imigração 

“Posteriormente, a Imigração retomou os trabalhos, recebendo processos específicos, por exemplo, do jovem que completou 21 anos e poderia dar documentos aos pais. Também foram retomadas as entrevistas presenciais e os trabalhos foram normalizando, gradativamente. Tem também o fato dos brasileiros presos, que precisavam de um intérprete na Corte, e eu fazia a tradução de casa, pelo telefone, colocado na viva voz. O pessoal da Imigração entrava em contato comigo e, prontamente eu ajudava na tradução”.

“Depois entramos para a terceira fase, quando as coisas foram se normalizando e passamos a viver um novo normal. Os cultos presenciais foram sendo retomados, com o devido cuidado, uso de máscara, distanciamento e a desinfecção do ambiente, após o culto, para a segurança de todos. E tudo aconteceu de forma prudente porque os abraços e os cumprimentos entre os irmãos foram abortados. Hoje temos na igreja dez grupos, como até dez pessoas cada, que fazem a visita presencial na casa dos irmãos que sentem a necessidade da oração presencial, principalmente às pessoas da terceira idade. Tudo é feito com muito critério e cuidado”, explica Wesley.    

“A igreja ajudou muitas famílias na pandemia, como tem ajudado ao longo de suas atividades, com cestas básicas, através da ‘Campanha da Cesta Cheia’, que não descuidou um só dia daqueles que mais necessitavam. Ajudamos com o pagamento de aluguel, com remédios, porque eram pessoas que perderam o emprego, que estavam sozinhas nos Estados Unidos; outras tinham pego a Covid-19 e estavam em casa, sem condições de trabalhar. Analisávamos os pedidos de ajuda e nos desdobrávamos para socorrer os que mais necessitavam. Foi um trabalho árduo, de muito empenho nos três primeiros meses da pandemia, socorrendo pessoas. Depois, com a graça de Deus, a situação foi se normalizando, e as pessoas voltando para o trabalho”, finaliza do Pastor Wesley.