Sérgio Marone surpreende em novela bíblica

Sérgio Marone surpreende em novela bíblica

O faraó Ramsés da novela “Os Dez Mandamentos”, na Record, conquista a simpatia do público e alavanca a audiência da emissora

Abe2

Sérgio Marone, o faraó Ramsés da novela “Os Dez Mandamentos”, na Record, é mesmo a bola da vez. O ator é um dos pontos altos da trama e diz que o público noveleiro está em busca de novidades, longe do chavão onde o mal leva vantagens. “Esse sucesso se deve a estarmos contando uma das histórias mais conhecidas da humanidade”, diz o ator. “E a novela está muito bem escrita, a captação de imagem e a fotografia são dignas de cinema e os atores estão muito entregues. As pessoas estavam sedentas por um pouco mais de fantasia, mais leveza, uma maldade mais fundamentada, como a de Ramsés”.

Em 2001, Marone ganhou seu primeiro papel na novela “O Clone”, na Globo. Seu personagem, Ceceu, envolvia-se amorosamente com uma garota viciada em drogas, interpretada por Debora Falabella. Cecéu acaba se viciando também e começa uma luta pra dar a volta por cima e acabar com a dependência. A novela foi um sucesso e essa trama envolveu o público de tal maneira que colocou o ator no topo do ranking como quem mais recebia carta no departamento de elenco da emissora.

O ator foi casado com a atriz Alinne Moraes – com quem ficou casado por quase dois anos -, já namorou Maitê Proença e teve um affair com a modelo Naomi Campbell. Discreto, diante do assédio de olhares femininos, Marone diz que “me preservo o máximo possível. Galinhagem é uma coisa, cafajestagem é outra”. Na opinião feminina, ele nem precisa fazer muito esforço para conquistar. Com 1,93m e um corpo perfeito, ele naturalmente atrai a atenção por onde passa. Mas para complicar ainda mais a vida das mulheres, o ator faz parte daquele raro time masculino que gosta de se dedicar a pequenos gestos de cavalheirismo esquecidos no tempo. “Eu sei tratar bem uma mulher. Sei receber em casa, colocar um bom vinho, uma boa vodca, uma boa música, sendo sempre agradável e gentil”, conta ele. Só não é capaz de fisgar uma mulher pelo estômago. “A única vez que tentei cozinhar não fui bem-sucedido. Ela engasgou com um osso no quindim”, brinca.

abe4

A forma física de Marone tem sido motivo de comentários nas redes sociais, principalmente quando aparece sem camisa como Ramsés. Mas o ator é tranquilo com relação à exploração do físico: “A exposição não me incomoda. Quando a cena pede, não tenho problema nenhum em me expor.” Só não curte muito quando insistem em classificá-lo meramente como galã. “Eu gosto de transitar em diversas prateleiras. Acho que posso ser galã, vilão, apresentador, etc. Qualquer coisa que me limita, eu rejeito”, finaliza. E para manter a boa forma física afirma que, “cinco, seis vezes por semana faço treinamento funcional, aeróbico, com o acompanhamento de um personal trainer e de um endocrinologista. Também me alimento muito bem desde sempre, com comidas integrais, orgânicas, quase não como açúcar”.

Trajetória na TV e teatro

Estreou na TV em 2001 na novela “Estrela-Guia” da Globo, no papel do misterioso paranormal Santhiago, que protegia a personagem Cristal (Sandy) das armações do vilão Carlos Charles (Rodrigo Santoro). Em 2002 fez sua estreia no teatro na comédia “Segredos que só os homens têm” adaptada do circuito off-Broadway por Bruno Mazzeo e Evandro Mesquita, que também dirigiu e atuou no espetáculo que rodou o país nos teatros das principais capitais.Em 2003 viveu o protagonista Victor em Malhação, seriado juvenil da Globo. Quando encerrou sua participação no seriado juvenil voltou para o teatro pra fazer a polêmica comédia de Lauro Cezar Muniz, “O Santo Parto” dirigida por Luis Artur Nunes, ao lado de Roberto Bomtempo e José de Abreu, tiveram cinco Indicações para o “Prêmio Shell” do RJ, o prêmio mais importante do teatro brasileiro e passaram por diversos festivais de teatro como os de Angra e Curitiba. A estreia, no RJ, foi polêmica, saiu na capa dos principais cadernos de cultura dos jornais do país, uma foto do ex- galã de Malhação beijando um outro ator (Roberto Bomtempo), numa das cenas da peça.

Em 2005 fez o Rafa, um mergulhador que fica paraplégico na novela “Como uma Onda” da Globo. Em 2006/2007 encena “Escravas do amor” adaptação e direção de João Fonseca das crônicas de Suzana Flag (Nelson Rodrigues) com a Cia Fodidos e Privilegiados. Tiveram 2 indicações ao Prêmio Shell, figurino e direção. Marone co-produziu uma temporada especial de dois meses do espetáculo no teatro Leblon em janeiro e fevereiro de 2007, tendo assim sua primeira experiência como ator/produtor.

Em 2007 ganha o seu primeiro papel de vilão na telenovela ¨Paraíso Tropical¨ das 20hs, na, trama de Gilberto Braga e Ricardo Linhares, direção de Dennis Carvalho. Em 2008 fez o programa “Casos e Acasos” uma série de humor semanal da Globo. Direção Marcos Shetman, Jayme Monjardim e Carlos Milani. Participou de cinco episódios fazendo cinco personagens diferentes ao lado de nomes como Fúlvio Stefanini, Isabela Garcia. Em 2009, fez o seu segundo vilão, com um tom mais cômico, e a personagem que mais repercutiu na sua carreira televisiva: o Nicholas, da novela “Caras & Bocas”.

Em janeiro e fevereiro de 2010, exatamente uma semana após terminar ‘Caras & Bocas” estreia em São Paulo, “ Play – sobre Sexo, Mentiras e Videotape” de Rodrigo Nogueira, direção Ivan Sugahara. Tiveram indicação ao Shell e APTR como melhor texto. Livremente inspirada no filme “Sexo, mentiras e vídeo tape”, a peça rodou o país, passando pelas principais praças de teatro até o começo de 2011.