Religioso pede reforma imigratória e governo tenta revogar ordem de juiz

Religioso pede reforma imigratória e governo tenta revogar ordem de juiz

Escolhido por Bento XVI para ser o novo bispo católico romano, Monsenhor Robert McElroy pressiona o Congresso e pede justiça na causa dos imigrantes. O governo federal entrou com apelação contra a decisão de juiz texano que suspendeu a Ordem Executiva assinada pelo Presidente Barack Obama

Monsenhor Robert McElroy
Monsenhor Robert McElroy

“A fronteira nos lembra o que devemos fazer em nossa grandeza enquanto americanos e que algumas vezes deixamos a desejar no contato com os imigrantes e como nós devemos realmente enfrentar o tema envolvendo a imigração, mas de forma justa e ter uma reforma imigratória ampla que fará isso”, esta a declaração do Monsenhor Robert McElroy, bispo de San Diego (CA). Um religioso respeitado e que considera o tema Imigração, “a vitalidade de nossa nação”. O seu apoio a causa tão nobre, que tem mobilizado líderes em várias partes dos USA, é de extrema importância. As suas palavras repercutiram entre os republicanos e os democratas, aguçando o bom senso do Congresso, e incentivando os imigrantes que amargam na fila de espera pela legalização a não perderem a esperança.

O Monsenhor Robert McElroy , estudioso em História, foi, inclusive, escolhido por Bento XVI para ser o novo bispo católico romano. O seu pronunciamento ocorreu durante uma coletiva de imprensa em San Diego, depois que o Vaticano anunciou a sua indicação. Falando rapidamente em espanhol, ele prometeu ser “amigo” da comunidade latina e considerou os hispânicos as fundações da Igreja. Ele também pediu apoio aos índios americanos. Graduado pelas universidades de Harvard e Stanford, o líder religioso estudou na Escola Jesuíta de Teologia, em Berkeley, obtendo o doutorados em Teologia Moral na Gregorian University, em Roma, e Ciência Política, em Stanford.

Apelação contra juiz texano

Andrew Hanen
Andrew Hanen

Em continuidade aos seus esforços para derrubar a decisão do juiz texano, Andrew Hanen, que suspendeu a aplicação das Ações Imigratórias Executivas anunciadas pelo Presidente Barack Obama em 20 de novembro de 2014, o governo entrou com uma apelação contra a decisão pedindo para a corte revogar a ordem do juiz. Imbuídos na árdua missão, os advogados do Departamento de Justiça entraram com uma moção de emergência junto ao 5th Circuit U.S Court of Appeals. “A decisão da corte texana é improcedente e errada”, diz a moção do DJ. “A Constituição não dá aos estados o direito de intrometer-se em gestões imigratórias de alçada federal.”

Obedecendo os procedimentos em cortes federais, o Departamento de Justiça, antes, pediu ao próprio Andrew Hanen que suspendesse a Ordem. Mas ele já deu indícios no início da semana de que não tem planos de decidir contra ou a favor do pedido antes que as autoridades federais esclareçam as ações que realizaram a partir das últimas decisões de Obama sobre a questão imigratória. Ou seja, entre o momento que foram anunciadas em 20 de novembro e o momento em que Hanen assinou o impedimento. O governo pede ainda ao 5th Circuit que suspenda completamente a Ordem do juiz enquanto corre o processo de apelação. Além disso, os advogados do Departamento de Justiça sugeriram a Hanen e à corte de apelações que a Ordem seja válida apenas no estado do Texas. A decisão deve sair na primeira semana de abril e virá de Corte em New Orleans.

As Ordens Executivas assinadas em 20 de novembro pelo presidente abarcam várias medidas. Uma delas expande um programa já existente que emite permissões de trabalho e protege da deportação certos tipos de imigrantes que qualifiquem-se para determinadas condições, como ter chegado aos Estados Unidos ainda criança ou ser pai ou mãe de cidadãos americanos ou portadores de green card.

Pedidos de visto H-1B

A partir de 1º de abril o USCIS (Serviço de Imigração dos Estados Unidos), vai aceitar pedidos para o visto de trabalho temporário H-1B para o ano fiscal de 2016. O visto é usado pelas empresas americanas que buscam profissionais estrangeiros com alta especialização. O número limite para emissão, determinado pelo Congresso, é de 65 mil vistos, com os primeiros 20 mil reservados para indivíduos com mestrado ou graduação maior em universidades americanas.

O USCIS espera que o número de pedidos ultrapasse o de vistos disponíveis já nos primeiros cinco dias de abril. O departamento vai monitorar os pedidos e informar ao público quando o limite for alcançado. Portanto, as empresas interessadas em peticionar por indivíduos qualificados para o H-1B devem seguir todos os requerimentos estatutários para entrar com o pedido, e responder a eventuais pedidos de evidências. Para mais informações sobre o visto de não imigrante H-1B, visite a página do Serviço de Imigração Americano, uscis.gov, ou ligue para o Serviço de Atendimento do departamento, 1-800-375-5283.

Autorização de trabalho

O USCIS (Serviço de Imigração dos Estados Unidos) anunciou recentemente que irá permitir que cônjuges dos portadores do visto de trabalho H-1B, que estão em processo de obtenção do green card, possam requerer autorizações de trabalho. A agência federal informou que vai aceitar os pedidos a partir do dia 26 de maio. A elegibilidade para o benefício é parte importante das ordens executivas do Presidente Obama anunciadas em novembro do ano passado. A concessão de autorizações de trabalho será dada apenas para determinado grupo de cônjuges de portadores do visto de não imigrante H-1B. Somente os portadores de H1-B que estão processo de residência permanente poderão requerer a autorização para os cônjuges. Os demais permanecem impedidos de trabalhar em solo americano.

Os portadores de H-4 podem obter o benefício caso seu cônjuge portador de H-1B seja o principal beneficiário de uma petição I-140 aprovada, ou que tenha obtido o visto H-1B através das seções 106(a) e (b) do American Competitiveness in the Twenty-first Century Act of 2000, emendado pelo the 21st Century Department of Justice Appropriations Authorization Act. Essas ações permitem que não imigrantes portadores de H-1B buscando a residência permanente trabalhem e permaneçam nos Estados Unidos além do limite de seis anos para o seu status de portador de H-1B.

Oportunidades no Canadá

Jason Kenney, ministro do Departamento de Serviços de Cidadania & Imigração do Canadá
Jason Kenney, ministro do Departamento de Serviços de Cidadania & Imigração do Canadá

O Canadá concederá a residência permanente aos investidores que falem inglês ou francês, que tenham concluído pelo menos um ano da universidade e que tenham pelo menos C$ 200 mil (US$ 189 mil) para investir. Um outdoor foi instalado em um trecho da Rodovia 101, que liga San Francisco (CA) com o Vale do Silício. O slogan: “Problemas com o H-1B? Rume para o Canadá”. O programa norte-americano de vistos H-1B, que visa conceder a residência temporária a profissionais altamente qualificados, é arcaico e ineficiente, segundo as companhias tecnológicas que dependem do talento e especialização estrangeiros. O programa está sobrecarregado, em parte devido às empresas que necessitam de funcionários e o constante avanço tecnológico.

O programa “Startup Visa Canada” e o outdoor têm gerado um “imenso comentário”, disse Jason Kenney, ministro do Departamento de Serviços de Cidadania & Imigração do Canadá. Numa viagem à Califórnia no início de 2015, para promover a iniciativa, ele se encontrou com jovens investidores, alguns deles naturais da Índia, que alegaram estarem interessados em participarem do programa. O Canadá busca desenvolver o seu potencial tecnológico. Inclusive, deu origem ao Nortel Networks, um dos maiores fabricantes de equipamentos telefônicos da América do Norte, BlackBerry e pioneiro do smartphone. Entretanto, a Nortel entrou em falência há 4 anos e desde então tem sido vendida em pedaços, enquanto as ações do BlackBerry no mercado caíram para menos de 3% do valor.