Camila Pitanga é a mocinha de “Babilônia”

Camila Pitanga é a mocinha de “Babilônia”

A personagem Regina mostra que ambição e honestidade podem andar lado a lado, mas que ninguém precisa abaixar a cabeça. Ela divide a trama com Glória Pires e Adriana Esteves

BabilôniaEla está de volta na pele da personagem Regina, dona de uma barraca de praia e que sofre com o assassinato do pai. Uma jovem impulsiva, do bem, enfrentando inúmeros desafios na novela “Babilônia”, da Globo, escrita por Gilberto Braga, Ricardo Linhares e João Ximenes Braga, sob direção geral e de núcleo de Dennis Carvalho e direção geral de Maria de Médicis. Camila Pitanga encara com orgulho o seu trabalho, mostrando vai impressionar os admiradores que a acompanham ao longo da carreira. A personagem promete mostrar que ambição e honestidade podem andar lado a lado, mas que ninguém precisa abaixar a cabeça. “Eu estou emprestando o meu corpo e a minha alma para uma mulher guerreira, vibrante, que tem uma família muito amorosa, briga pelo que acredita, é destemperada, uma mulher indomada, mas também muito amorosa e doce. Ela vai duelar com Beatriz (Gloria Pires) e Inês (Adriana Esteves): duas mulheres inescrupulosas que vão atrapalhar muito a vida dela”, resume a atriz.

O assassinato do pai, que ocorreu no primeiro capítulo, desencadeou uma espécie de enlace entre Regina, Beatriz e Inês, pois, de alguma forma, todas elas estão comprometidas com a catástrofe. O núcleo que representa a família de Regina, personagem de Camila, traz a estreante Vírginia Rosa, no papel de Dora, a pequena Sabrina Nonata, intérprete de Júlia, e Thiago Martins, que dá vida ao atleta Diogo. O olhar de bondade da protagonista – Regina – vem atraindo a atenção dos espectadores, mediante as cenas fortes, colocando em xeque o bom senso da jovem. A mocinha da novela, pode-se assim dizer, terá árdua tarefa nos próximos capítulos.

Filha do também notável e veterano ator, Antônio Pitanga, Camila tem 38 anos, 1,70 metro e 58 quilos, muito bem distribuídos. E quando indagada sobre o segredo para manter a boa forma a atriz revelou que segue a chamada dieta das cores, rica em frutas, legumes e verduras, orientada pela nutricionista Regina Sarmento, do Rio. Com o objetivo de manter o peso e não passar fome, a artista se baseia em uma lista de alimentos coloridos e come a cada duas horas. Quando precisa “secar” mais rapidamente, recheia o prato com folhas, sempre verdes e orgânicas, livres da ação de agrotóxicos. No período em que não pretende ou precisa ficar tão magrinha, abusa dos alimentos na cor amarela, vermelha e laranja, como cenoura, goiaba, morango, tomate e outros. “Eu me alimento corretamente o ano todo. Acho mais fácil restringir o que não é saudável do que sair comendo tudo, engordar e depois correr atrás do prejuízo”, disse.

Carreira de sucesso

Em 1984, aos seis anos de idade, atuou como figurante no filme “Quilombo”, de Cacá Diegues. Posteriormente, com 11 anos tornou-se “Clubete”, uma das assistentes de palco da apresentadora Angélica no “Clube da Criança”, da extinta TV Manchete. A sua estreia na TV como atriz aconteceu na minissérie “Sex Appeal”, e depois participou da novela “Fera Ferida”. No cinema, seu primeiro trabalho foi no longa “Super Colosso”. Mas o papel de destaque foi o da índia Catarina Paraguaçu, na microssérie “A Invenção do Brasil”.

Em “Paraíso Tropical”, teve o seu grande momento como atriz ao ser escalada para interpretar a prostituta Bebel, antagonista da trama e um dos principais fatores do sucesso. O autor Gilberto Braga, inclusive, chegou a duvidar que Camila conseguiria desempenhar bem o papel, que lhe rendeu bastante elogios, várias indicações e prêmios de Melhor Atriz. Bebel representa um divisor de águas em sua carreira, que lhe consagrou e a colocou no time dos principais atores do casting da Globo. Durante a trama, a atriz recebeu convite para posar nua na revista Playboy graças ao enorme apelo sensual da personagem. Porém, afirmou não ver possibilidade de tirar a roupa para nenhuma revista masculina.

Foi casada com o diretor de arte Cláudio Amaral Peixoto, nascendo desta relação Antônia, a primeira filha do casal. O nome da menina foi uma homenagem ao seu pai. Em 2011, após 11 anos de relacionamento, ocorreu a separação do casal. Adepta ao esporte, Camila Pitanga corre na Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio, acompanhada de seu personal trainer. E, quando consegue tempo, integra o grupo de corrida da academia Stella Torreão, na mesma cidade.

Combate ao trabalho escravo

As atrizes Camila Pitanga, Letícia Sabatella e Dira Paes militam no Movimento Humanos Direitos, que reúne artistas em torno de diversas causas. Uma delas é a luta pelo fim do trabalho escravo, que alcançou uma grande vitória: a aprovação, no Senado Federal, do projeto de lei que determina a expropriação de imóveis onde esta prática for comprovada. A PEC de Combate ao Trabalho Escravo tramitava há 15 anos no Poder Legislativo. “Ainda existem pessoas, em nosso país, que vivem em situações indignas de trabalho. Como aceitar, em pleno Século XXI, haver trabalho escravo? Vivemos um momento em que devemos nos perguntar qual o verdadeiro sentido de desenvolvimento. Não podemos repetir o modelo fracassado onde o acúmulo de capital se sobrepõe à dignidade humana. Por isso, considero a aprovação da PEC de Combate ao Trabalho Escravo uma conquista da democracia brasileira, da dignidade de milhões de trabalhadores e da luta pela igualdade dos Direitos Humanos. Embora tenha sido um grande avanço, depois de 15 anos de tramitação ainda há um chão pela frente”, finaliza a atriz.