14 de novembro: Dia Mundial da Diabetes

14 de novembro: Dia Mundial da Diabetes

voltar

NOV/15 – pág. 45

Finger prick with glucose meter

Origem do Dia Internacional da Diabetes

Criado em 1991 pela International Diabetes Federation (IDF) e pela Organização Mundial da Saúde (OMS), este dia tem como objetivo dar resposta ao aumento alarmante de casos de diabetes no mundo. A data tornou-se, no ano de 2007, dia oficial de saúde da ONU, após aprovação das Nações Unidas em dezembro de 2006. O Dia Mundial da Diabetes (World Diabetes Day) é comemorado em 14 de novembro, em memória ao dia de aniversário de Frederick Banting que, juntamente com Charles Best, criou a primeira ideia que levou à descoberta da insulina em 1922. Todos os anos, celebra-se o dia com a organização da Federação Internacional de Diabetes para alertar sobre as problemáticas e necessidades que enfrentam os doentes diabéticos. “Vida saudável e diabetes” é o tema para 2014, 2015 e 2016.

Objetivos deste dia

As campanhas do Dia Mundial da Diabetes visam conscientizar as pessoas sobre a doença e divulgar as ferramentas para a prevenção da diabetes. Para as pessoas que sofrem dessa doença, as ações visam difundir métodos para melhorar o conhecimento da diabetes de forma a compreender a doença e prevenir as complicações. Cerca de 285 milhões de pessoas no mundo sofrem de diabetes e, em 2030, esse número deve chegar a 438 milhões.

Diabetes

A Diabetes Mellitus é uma doença cuja principal característica é o aumento de açúcar no sangue. Ela altera o metabolismo do açúcar, da gordura e da proteínas. A diabete manifesta-se quando o corpo não produz a quantidade essencial de insulina para que o açúcar do corpo mantenha-se normal. Existem dois tipos de Diabetes Mellitus.

Tipo I: apenas 10% dos diabéticos têm a diabete tipo I, esse tipo se manifesta principalmente em crianças e adolescentes. Nela, o pâncreas do indivíduo produz pouca insulina ou nenhuma, pois as células betas, que são as que produzem a insulina, são destruídas de forma irreversível e é necessário receber injeções diárias de insulina. Deve-se controlar a insulina, a alimentação e fazer exercícios.

Tipo II: também aparece em crianças e jovens, mas é mais comum depois dos 30 anos, em pessoas obesas e pessoas idosas. Nesse tipo, o pâncreas continua a produzir a insulina, mas é o organismo que se torna resistente aos seus efeitos. O tipo II é comum também para quem tem casos na família.

Os sintomas da diabete são: concentração de açúcar no sangue; aumento de volume urinário; perda de peso (tipo I antes do tratamento, já no tipo II não); fome exagerada; visão esfumaçada; sonolência, náuseas; facilidade para ter infecções.

Nas pessoas que tem a diabete tipo I, os sintomas manifestam-se rapidamente. A doença malcuidada pode trazer muitas complicações como, por exemplo, a diminuição da circulação sanguínea que pode causar alterações no coração (ataque cardíaco), nos olhos (perda da visão), pernas (fraquezas), rins (requer hemodiálise), pele (feridas, úlceras, amputações) e nervos (paralisia) etc.

O tratamento desta doença requer muito cuidado, deve-se controlar o açúcar no sangue principalmente. É necessário muitos exercícios e também dietas de acordo com o tipo e também com o paciente. Em geral, os diabéticos não devem comer alimentos doces. As pessoas com diabetes, muitas vezes, têm o colesterol alto; porém, para baixá-lo, deve-se controlar o consumo de carboidratos, bem como o açúcar. Alguns medicamentos também são usados, como a insulina e também hipoglicemiantes orais. A prevenção ainda não existe, pois pouco se sabe sobre o aparecimento da diabete tipo I. Já na diabete tipo II, a prevenção é alimentação e exercícios físicos.

Alimentação e exercícios: peças-chaves.

As peças-chaves para a prevenção do diabetes tipo 2 são simples. Por mais que os médicos repitam isto: a mudança no estilo de vida é fundamental para a prevenção e sucesso no tratamento, no entanto, ainda é tarefa complicada. Prevenir a doença passa por uma alimentação equilibrada, evitando o abuso de doces e gorduras, e a prática de exercícios físicos regularmente. Dieta rica em fibras e com menor quantidade de gorduras (óleos, creme de leite, manteiga) é a recomendação principal da Sociedade Brasileira de Diabetes. No item “exercícios físicos”, a prática quatro vezes por semana até 40 minutos de caminhada é indicada. E lembre-se: ao fazer isso, você estará prevenindo outras doenças importantes, como as cardiovasculares, osteoporose etc.

Se todos esses motivos já são suficientes para ficar atento, vale lembrar que outros riscos – como massa corpórea e predisposição genética – também contribuem para a doença. “Pessoas com índice de massa corpórea superior a 30 são fortes candidatas ao diabetes. E, se você tem alguém na família com a doença, é preciso estar sempre atento aos riscos e fazer exames rotineiros”, lembra Fraige Filho.

O diabetes, como doença que mais mata no Brasil, é uma das principais responsáveis por complicações cardiovasculares que normalmente terminam em infarto e derrame (veja quadro: epidemia mundial). Quando não controlada adequadamente, pode levar à cegueira e amputações. “Estamos falando de um mal que já atinge 177 milhões de pessoas no mundo”, lembra Fraige Filho. E, segundo estimativa da Federação Internacional de Diabetes para 2025, é que esse total chegue a 330 milhões de portadores no mundo. Com todas essas projeções, não é de se admirar que o foco principal dos programas de prevenção esteja justamente no binômio atividade física x controle do peso.


Elaine Peleje Vac
elaine@nossagente.net
(Médica no Brasil)
Não tome nenhum medicamento sem prescrição médica.
Consulte sempre o seu médico.