Sexto sentido o que é?

Sexto sentido o que é?

Edição de novembro/2019 – p. 32

Sexto sentido o que é?

Há quem diga que o sexto sentido é somente inerente aos seres humanos, bem como a característica de uma sensibilidade inteligente que permite uma percepção extrassensorial.

Recentemente ouvi um colega referir-se a ele não como intuição, mas como parte de nossa imaginação. Nunca havia pensado assim, no entanto acredito que eu tenha entendido o que ele quis dizer: utilizamos o sexto sentido como uma imaginação benéfica ou não, que nos auxilia positivamente ou contribui para nossa autodestruição.

Parece-me uma forma simples e eficaz de entender que todos têm dois sistemas nervosos:

  • o parassimpático, que faz parte do sistema autônomo e que controla as funções do corpo quando descansamos;
  • o simpático, que é responsável por responder a situações de luta ou fuga.

Ambos criam hormonas específicas e proporcionam respostas adequadas para que o corpo e o cérebro funcionem da melhor maneira consoante às necessidades e às circunstâncias. Assim, quando descansamos, o sistema simpático está desligado, porque estamos focados no momento de paz e tranquilidade.

Se nos preocupamos com o futuro ou o passado (a tal imaginação não benéfica), nosso sistema simpático é ativado e é como se nos preparássemos  para uma verdadeira batalha, isto é, nossa defesa. Se os nossos pensamentos frequentemente gerarem preocupação, o sistema parassimpático permanece desligado e é como se estivéssemos em constante tensão.

Viver “pré-ocupado” (com a mente cheia de pensamentos que não tenham nada a ver com o momento presente) é estar em constante luta, fuga e estresse, o que traz consequências negativas físicas e sociais em longo prazo, tais como doenças cardíacas ou alienações sociais.

Muitos desconhecem esta realidade neurofísica, assim como muitos esquecem ou desconhecem como melhorar esta situação. Portanto, equilibre seus pensamentos e atividades (a proporção ideal requer mais pensamentos e atividades positivas do que negativas); “agarre-se” a filosofias sábias, como “um momento de cada vez”; mantenha a simplicidade, “devagar se vai ao longe”; faça a oração da serenidade; leia textos bíblicos ligados à sabedoria etc.

Viva mais focado no “aqui e agora”. O presente é um presente.

Para qualquer pergunta ou comentário, contate-me: http://www.ortigao.com