“Estados Unidos na Prática”: desafios e alerta ao emigrante

“Estados Unidos na Prática”: desafios e alerta ao emigrante

“Estados Unidos na Prática” traz retrato minucioso do país: do sistema médico, da comida à educação dos filhos. O livro de Virgílio Galvão orienta de como funciona a política, o trabalho, as relações sociais, a saúde na potência mundial, com os seus problemas, contradições e valores

Edição de outubro/2019 – p. 14

“Estados Unidos na Prática”: desafios e alerta ao emigrante

Lançado pela “Editora Contexto”, o livro “Estados Unidos na Prática”, de Virgílio Galvão, traz evidências importantes de quem reside no país, abordando os desafios e conquistas do emigrante na América – através de relato minucioso sobre Educação, Saúde, Política, Esportes e diversidade. O desapego da família, a esperança em galgar novos passos com emprego de qualidade, são alguns dos tópicos que Virgílio enfatiza em sua obra. Ele desmitifica alguns conceitos e faz um alerta: “Sim, os Estados Unidos são um grande país que oferece excelente qualidade de vida, mas o brasileiro quando chega aqui, sem dinheiro, enfrenta as mesmas dificuldades do Brasil. Às vezes não consegue pagar o seguro saúde, e enfrenta questões afetivas na adaptação ao mundo novo. É uma troca de desafios, desafios que ele não tinha no Brasil”, observa.

“Viver na América está cada vez mais difícil. O país hoje não é o mesmo de antes, as coisas mudaram. E se está difícil para o americano, imagine para o imigrante. A chance de chegar aos Estados Unidos e ficar rico é muito pequena. É um país em evolução, que oferece condições melhores que no Brasil, evidente, mas, na média, as beneficies não estão acessíveis a todos”, enfatiza.

Residindo no Condado de Westchester, em Nova York, Virgílio Galvão, natural de São Paulo, trabalha na “Barnes & Nobel”, a maior rede de livrarias dos EUA, e diz que escrever um livro sobre os brasileiros na América era ideia antiga. E quando se mudou para a Big Appel com a esposa – Patrícia –, vislumbrou a possibilidade de colocar em prática seu trabalho como escritor. “Sempre gostei de estudar a história de países, e residindo nos Estados Unidos pude fazer isto. Coloquei no livro assuntos discutíveis, divididos em sete capítulos, sendo que no capítulo final falo se vale a pena morar nos Estados Unidos”, indaga. “Escrever o livro foi um desabafo sobre várias questões, uma terapia. A verdade é que deixamos os inconvenientes do Brasil para enfrentar problemas nos Estados Unidos”.

“Já no primeiro capítulo do livro, apresento tópicos essenciais, os desafios para quem vive nos Estados Unidos, então derrubo mitos, mostrando a realidade dos fatos. Por exemplo, a comunidade brasileira cresce consideravelmente no país. Li sobre perfis dos emigrantes, dos locais onde se têm grande concentração de brasileiros, como na cidade de Port Chester, em Nova York. É um crescimento expressivo. E têm dois pontos que envolvem os brasileiros: em uma extremidade estão aqueles que vêm para trabalhar, conseguir melhorar seu status de vida, enquanto na outra ponta encontram-se os brasileiros com dinheiro, que chegam aos Estados Unidos para empreender e se estabelecer no país buscando qualidade de vida”, aponta o escritor.

“De maneira geral, o brasileiro quando vem aos Estados Unidos mora em guetos, como faz a maioria dos imigrantes, por exemplo, os indianos, os hispânicos, os mexicanos, e gente de outras nacionalidades. Acho importante interagir com pessoas de outros países e não ficar preso a um reduto. Isso é essencial”, diz. “Na minha cidade residem muitos franceses. Eles têm escola para as suas crianças estudarem, com um outro estilo de vida”, ressalta.

“No capítulo Saúde, falo do sistema de atendimento nos Estados Unidos, e se o imigrante não tem o seguro saúde as coisas ficam bem mais complicadas. O sujeito pode cair de uma bicicleta, fraturar um braço e ter que arcar com um custo de até vinte mil dólares”, salienta. “Na educação, as crianças na escola é outro ponto discutível. E se você mora em uma cidade com bom poder aquisitivo, com certeza haverá boas escolas, com ensino de qualidade, o que não acontece nas regiões mais pobres, onde o ensino é fraco porque a região não tem uma boa arrecadação de impostos e isso reflete na educação”, avalia.

“Em contrapartida, tenho amigos muito bem de situação financeira, vivendo nos Estados Unidos, mas que têm a saudade como um grande desafio por estarem longe de casa, distantes de familiares. E eles dizem que, ‘somos felizes, mas não tão felizes porque nossas famílias estão longe, no Brasil’. Sofrem com o desapego”, comenta. “E não adianta estar com um relógio valioso no braço, caminhar pela avenida com segurança, mas não poder ir no domingo almoçar na casa da mãe, degustar aquela comida especial”, lembra.

Sobre o autor

Virgilio Galvão graduou-se em Rádio e TV pela Faap. Durante 20 anos trabalhou como editor em produtoras independentes e emissoras de televisão como SBT e Rede TV! Além de programas de televisão, editou diversos comerciais, documentários e vídeos institucionais. Em 2015, mudou-se para Nova York para dar um novo rumo à sua vida pessoal e profissional.

Serviços

Livro: Estados Unidos na prática – como funciona a maior potência mundial

Autor: Virgílio Galvão  – Páginas: 256 – Preço: R$ 49,90

Site – Amazon.com