Entrevista com o Dr. Frank Yanez

Entrevista com o Dr. Frank Yanez

voltar

MAI/16 – pág. 36 e 40

 DrFrankYanes

Dr. Frank Yanez é sempre um grade prazer tê-lo aqui no Nossa Gente. Hoje gostaríamos de falar sobre um tema que tem deixado muitas pessoas confusas.

A questão é como diferenciar resfriado, gripe, virose e ainda Dengue, Zika e Chikungunya?
Obrigado pelo convite tenho muito prazer em estar aqui. A comunidade brasileira ocupa um lugar de muita importância no meu trabalho e este veículo de comunicação faz um grande trabalho ao divulgar temas de interesse público. Vamos tentar através de algumas definições simples diferenciar cada uma dessas patologias:

Resfriado

É uma infecção respiratória leve causada por diferentes tipos de vírus, como o rinovírus (o mais comum), vírus sincicial respiratório, parainfluenza e adenovírus. A doença é caracterizada por aquela coriza chata, o nariz entupido e algum incômodo na garganta. Provoca exaustão moderada, mas não nos derruba. Pode haver febre baixa, de no máximo 38°C. A recuperação é rápida e não leva a grandes complicações.

Gripe

A gripe é uma infecção respiratória mais intensa, com sintomas em todo o organismo. Causada pelo vírus influenza, possui início abrupto, com tosse, mal-estar generalizado, dor de garganta, dor de cabeça, dor no corpo, desconforto respiratório, calafrios e febre alta, acima de 38,5°C. A recuperação leva alguns dias e, sem cuidados, pode se agravar, ocasionando pneumonia – infecção do pulmão provocado por vírus ou bactérias – e até mesmo a morte.

Virose

Diagnóstico comum dado por médicos, a virose é o nome genérico dado a qualquer infecção por vírus. Há diversas viroses gastrointestinais e viroses respiratórias com sintomas como mal-estar, febre, dor de cabeça, náusea e diarreia. A doença ganha um nome específico quando sabemos qual é o vírus, é o caso da gripe, da dengue, da zika e da chikungunya.

Dengue, zika e chikungunya

Essas doenças são causadas por diferentes vírus transmitidos pelo mosquito Aedes aegypti. Elas provocam febre alta (com exceção da zika, cujos sintomas são brandos), dores no corpo, mas não são marcadas por infecção respiratória. Assim, se você tiver manchas pelo corpo, dores musculares, dor de cabeça e atrás dos olhos, mas sem o tradicional quadro de gripe – tosse, espirro, nariz escorrendo -, é importante procurar atendimento para saber se não está com uma dessas doenças.

Dr. Frank, por que nem sempre sabemos qual o vírus responsável?
As formas de se diagnosticar uma doença são: a análise dos sintomas apresentados pelo paciente e testes feitos em laboratório. Há diversos vírus que provocam sintomas semelhantes – como dor de cabeça, mal-estar e náusea–, nesse caso só o teste clínico pode solucionar o enigma. No entanto, testes específicos confiáveis para determinar qual o vírus podem levar horas e até dias. Quando os sintomas apresentados pelo paciente são leves ou ele não possui características que poderiam levar ao agravamento do quadro, os médicos podem deixar em aberto a identificação precisa do vírus.

Como é a transmissão do resfriado? E da gripe?
Tanto gripe quanto resfriados são transmitidos pelo ar, de pessoa para pessoa, através de gotículas da tosse ou dos espirros, ou pelo contato com superfícies contaminadas. Ao inalarmos essas gotículas, pelo nariz ou pela garganta, fazemos com que o vírus entre em nosso organismo.

Quem está mais vulnerável ao vírus da gripe?
Há alguns grupos mais vulneráveis à gripe, como crianças de menos de cinco anos, idosos, gestantes, portadores de doenças respiratórias crônicas —como asma e enfisema pulmonar. Para essas pessoas, o atendimento médico é sempre recomendado pois o vírus pode evoluir para um quadro mais grave, com a pneumonia.

Quando o paciente deve procurar um médico?
Pessoas saudáveis podem se recuperar de resfriados e mesmo gripes fortes em casa. Mas é importante ficar atento para sinais de alerta. Em caso de dor no peito, falta de ar e febre alta por mais de 48 horas, é preciso ir ao médico. Isso porque a gripe pode levar à síndrome respiratória aguda grave, que pode causar a morte. Além disso, se houver sintomas de zika (manchas vermelhas pelo corpo), dengue (dor atrás dos olhos) e chikungunya (dor forte nas articulações), é importante procurar atendimento médico.

Como podemos evitar a gripe?
A principal forma de evitar a gripe é através da vacinação. A vacina de gripe é atualizada todos os anos para adequá-la aos vírus circulantes em cada estação. Sua composição é definida pela OMS (Organização Mundial da Saúde). Para se prevenir tanto da gripe quanto do resfriado, procure manter as mãos higienizadas e não fique por muito tempo em recintos fechados, principalmente quando há no local outras pessoas com gripe.

Tem época para pegar gripe?
Os vírus causadores do resfriado ocorrem durante todo o ano. Já o influenza é sazonal, e é transmitido com maior frequência no final do outono e começo do inverno. Neste ano, houve uma antecipação da epidemia de gripe. Estão em circulação o vírus influenza A H1N1, influenza A sazonal e influenza B.

Como é o tratamento da gripe e do resfriado?
O tratamento do resfriado é feito basicamente com medicamentos que combatem os sintomas que mais incomodam –como uso de soro para o congestão nasal, por exemplo. Pessoas saudáveis podem combater os sintomas de uma gripe apenas com repouso em casa, hidratação e medicamentos analgésicos e antitérmicos, que aliviam a dor e a febre. Pacientes mais vulneráveis, como grávidas e idosos, infectados pelo H1N1 costumam tomar o antiviral fosfato de oseltamivir (Tamiflu).

 

Como é o tratamento de uma virose comum?
O tratamento da virose é chamado pelos médicos de “sintomático” – isto é, não possui tratamento específico para combater o vírus causador da doença, sendo utilizados medicamentos que apenas aliviam os sintomas. É diferente do que ocorre em tratamentos de infecções bacterianas -quando são prescritos antibióticos que combatem as bactérias. Para se recuperar de uma virose comum, o paciente deve ficar em repouso e se hidratar. Isso auxilia o próprio organismo a eliminar o vírus invasor. Analgésicos para dores no corpo e de cabeça, antitérmicos para febre e soro caseiro para manter a hidratação em quadros de vômito e diarreia são medicamentos que reduzem o desconforto durante a recuperação.

Há sinais que o senhor considera que são um “alerta” e que podem decidir que é hora de procurar o médico?
Sim, a febre é a grande diferença. A febre alta (acima de 38,5°C) e persistente, é o grande sinal de que é hora de visitar um médico.

Dr. Frank quais seriam as principais orientações para se evitar as viroses em geral e o vírus H1N1?
Eu costumo dizer que existem 4 passos importantes para se evitar as viroses e nesses passos eu incluo também o H1N1.

  1. passo: Não deixe de se vacinar todos os anos contra a gripe;
  2. passo: Evite o contato com as pessoas com a gripe em geral, como abraço, beijo e aperto de mão. Em ambientes fechados, procure deixar as janelas abertas para que haja circulação do ar;
  3. passo: Lave muito bem as mãos com água e sabão (inclusive entre os dedos, nos pulsos e por dentro das unhas) e utilize álcool gel para uma higienização completa. Se não for possível, faça pelo menos um dos dois procedimentos;
  4. passo: Se segurar em lugares públicos como maçanetas, corrimãos, apoios do metrô e dos ônibus, evite levar as mãos até os olhos, nariz e boca enquanto não puder fazer nova higienização;
  5. passo: Evite estresse, ansiedade, má alimentação, dormir pouco, beber e usar drogas. Isso enfraquece o sistema imunológico e deixa o organismo ainda mais exposto ao vírus.

Dr. Frank muito se tem falado sobre a epidemia de Dengue, Zika e Chikungunya como o senhor orientaria um turistas ou um viajante que pretende viajar para áreas de risco?
A dengue não é transmitida diretamente de pessoa para pessoa. As pessoas pegam o vírus quando são picadas pelo mosquito Aedes aegypti, desde que o inseto já tenha picado uma outra pessoa infectada antes.

O mosquito costuma picar durante o dia, e próximo à área onde se reproduz (sua autonomia de voo dificilmente ultrapassa os 100 metros). Uma vez que pique uma pessoa contaminada, o mosquito pode carregar o vírus por toda a vida – e a vida dele dura cerca de 40 dias.

Oriento ao viajante que ele adote algumas medidas de prevenção como:

  • Usar roupas claras;
  • Usar calça comprida e blusa de manga comprida para reduzir a exposição da pele;
  • Tentar se manter em áreas mais frescas ou com ar condicionado, já que o mosquito não sobrevive em temperaturas baixas;
  • Usar repelentes e mosquiteiros para evitar ser picada.

O senhor teria alguma outra recomendação importante para as gestantes?
Se você está grávida, evite viajar para áreas de risco, com os dados que dispomos atualmente sobre essas patologias seria essa a minha recomendação. Caso a paciente já esteja em zonas de risco eu diria que ela deve se proteger das picadas de mosquitos, principalmente devido ao risco de doenças virais transmitidas por eles, como dengue, zika (principalmente) ou chikungunya.

Que tipo de repelente grávida pode usar?
O uso de repelentes na gravidez não é muito estudado, mas os médicos têm recomendado que grávidas usem sim repelente e inseticidas para evitar doenças como a dengue. De acordo com os obstetras, a grávida pode usar as seguintes alternativas:

  • Repelente comum em creme ou spray, reaplicado de 6 em 6 horas;
  • Repelente especial para bebê;
  • Repelente caseiro feitos à base de álcool e cravo-da-índia;
  • Inseticida elétrico;
  • Inseticida em spray, deixando a substância se dispersar por alguns minutos antes de ficar no mesmo ambiente.

É importante, contudo, ter cautela com produtos para combater insetos e ter certeza de que são seguros tanto para a grávida quanto para o bebê.

Dr. Frank Yanez é médico e sua clínica está localizada em Kissimmee ele atende a comunidade local e também tem larga experiência no atendimento de turistas e viajantes. Ele é muito querido respeitado pois está sempre envolvido com a comunidade local através do seu conhecimento e experiência. Agradecemos mais uma vez sua participação e suas orientações!


Elaine Peleje Vac
elaine@nossagente.net
(Médica no Brasil)
Não tome nenhum medicamento sem prescrição médica.
Consulte sempre o seu médico.