Planejamento representa seriedade e profissionalismo

voltar

MAI/13 – pág. 58

FGV_EAESP_planejamento_empresa_quintaPodemos entender como empreendedor o indivíduo que inicia algo novo, que vê oportunidades que outros não veem, aquele que realiza antes, que sai da área do sonho, do desejo e parte para a ação.

O plano de negócio é uma valiosa ferramenta de planejamento, o mapa do percurso,  que deve ser consultado constantemente. Mas, o que é um plano de negócio?

O plano de negócio é um documento que descreve, por escrito, quais os objetivos de um negócio e quais passos devem ser dados para que esses objetivos sejam alcançados, diminuindo os riscos e as incertezas. Permite identificar e restringir os erros no papel, ao invés de se cometer no mercado, onde poderiam custar muito caro ou até inviabilizar o empreendimento.

Após decidir abrir uma empresa, o primeiro passo é planejar e organizar as ações, colocando no papel tudo que envolve o novo negócio.

Além de ter uma boa ideia, é preciso estudar o mercado, conhecer a concorrência, os clientes em potencial e os fornecedores. Também é importante avaliar o local aonde vai se estabelecer, com quem vai contar e quanto investir em marketing.

É recomendável ter experiência anterior no ramo, conhecer ou contar com a assessoria de quem tem conhecimentos sobre a legislação referente ao negócio, principalmente nas áreas trabalhista, fiscal, tributária e sanitária.

Mesmo a aquisição de uma franquia poderá acabar em fracasso se não for realizado um planejamento, um estudo da concorrência e do mercado. Buscar saber se o negócio atende as necessidades e desejos dos clientes é fundamental, para não correr o risco de fechar as portas nos primeiros meses de vida por insuficiência de clientes.

Aberto o negócio, é preciso estar atento para as mudanças e tendências do mercado. Bem como à legislação, à tecnologia e aos fornecedores. Além das estratégias dos concorrentes, de marketing e merchandising.

No setor de serviços, a área que mais oferece oportunidades para novos negócios, o grande desafio é a qualificação da mão-de-obra. O empreendedor que deseja abrir algo nessa área deve se preocupar com a qualidade dos serviços.

É importante as empresas entenderem muito bem as suas necessidades para atrair as pessoas com o perfil adequado. A chance de o empreendedor reter o profissional é maior se fizer a contratação certa.  Para atrair talentos, as micro e pequenas empresas têm necessidade de competir com as grandes – que podem oferecer um conjunto de compensações e benefícios muito maior.

 

As principais armas para atração de talentos que as pequenas empresas e os empreendedores iniciantes contam são:

  • Vender a causa da empresa;
  • A oportunidade de ascensão na carreira profissional mais rapidamente;
  • Relações mais personalizadas. Os funcionários têm acesso aos proprietários ou tomadores das decisões.

 

Algumas dicas para se manter uma boa relação com os colaboradores são:

  • Permitir que os funcionários sintam que o seu trabalho é importante no dia a dia da empresa;
  • Criar vínculos de confiança;
  • Estar aberto para ouvir e dialogar;
  • Reconhecer o bom desempenho;
  • Promover atividades de integração; ­­
  • Criar um ambiente de crescimento conjunto;
  • Possibilitar carreira interna;
  • Implementar a comunicação.

 

Na busca por racionalização, não importa as desculpas que se dê para o fracasso, quase todas elas têm como mãe a falta de conhecimento. O mundo dos negócios está cada vez mais complexo e as margens de lucro estão cada vez mais estreitas. É por isso que a preparação e a busca de informações são tão importantes para que as iniciativas dos empreendedores não se tornem um pesadelo.

O ato de planejar representa seriedade e profissionalismo. O plano de negócio pode ser o grande diferencial para um negócio dar certo.

Marcos Luthero
Consultor, coaching e palestrante
do Instituto Tecnológico de Negócios,
nas áreas financeiras, mercadológica, 
planos de negócios e planejamento estratégico.
itn@sinos.net