“Brainspotting”: aonde olhamos afeta o que sentimos

“Brainspotting”: aonde olhamos afeta o que sentimos

voltar

MAIO/2015 -pág. 55

sua_saude_rosario2“Localizado através da posição ocular (…), o Brainspot é, na verdade, um subsistema fisiológico que segura a experiência emocional em forma de memória.”

Passei a última semana com um grupo pequeno de colegas para refinar a nossa capacidade de utilizar o “Brainspotting” no nosso trabalho clínico. David Grand, seu inventor, esteve conosco.

“Brainspotting” é uma fascinante e eficaz maneira de tratar traumas. Talvez seja, atualmente, cientificamente falando, a nível psicológico e neurológico, a maneira mais avançada, profunda e respeitosa de fazer psicoterapia.

“Brainspotting” identifica, processa e libera “as fontes neuropsicológicas de dor física/emocional, trauma, dissociação e uma variedade de outros sintomas desafiadores (…). Um “brainspot” – i.e. um ponto específico no cérebro – é a posição ocular que está relacionada à ativação energética/emocional de um tema dentro do cérebro que possui uma carga traumática ou emocional que mais provavelmente se encontra na amídala, o hipocampo ou o córtex orbito-frontal”.

Ao contrário das terapias de fala, “Brainspotting” tira proveito de uma ativação total do cérebro. Devido à posição ocular fixa, o terapeuta e o cliente elevam a terapia a um nível de processamento profundo em relação àquilo que o cliente expressa sobre a sua vida, facilitando a resolução espontânea de problemas que só o próprio cérebro e o a intuição de cada pessoa possui. ‘Brainspotting” surgiu a partir do EMDR (www.emdria.org), mas é um método, a meu ver, mais fácil tanto para o terapeuta como para o cliente.

“Brainspotting” pode ser instrumento efetivo e eficiente no tratamento de:

  • trauma físico e emocional;
  • recuperação de traumas decorrentes de acidentes;
  • traumas resultantes de intervenções e tratamentos médicos;
  • doenças físicas relacionadas com estresse e trauma;
  • problemas de desempenho, inclusive disfunção sexual;
  • fibromialgia e outras condições de dor crônica;
  • dependência química e adições;
  • problemas de percepção;
  • TDA e TDAH;
  • gagueira;
  • doenças ambientais e síndrome da fadiga crônica;
  • fobias;
  • asma;
  • preparação e recuperação de intervenções cirúrgicas;
  • trauma de guerra e catástrofe natural;
  • problemas de raiva e fúria;
  • pânico e ansiedade;
  • manejo de doenças graves.

David Grand, Ph.D. é psicoterapeuta, especialista e palestrante reconhecido internacionalmente no campo do trauma emocional. Diretor e escritor de filmes e peças de teatro, bem como autor de vários livros. Ele é comprometido com o uso da cura emocional do trauma a nível internacional e o antigo presidente do Programa de Assistência Humanitária (HAP) do Instituto EMDR. Ele já coordenou uso da cura do trauma como uma ferramenta para aliviar o sofrimento humano em vários países, inclusive na Irlanda do Norte e no centro urbano de Brooklyn. N.Y.Grand já foi convidado a apresentar-se no NBC Nightly News, Dateline, CNN, the New York Times, The Washington Post, Newsdayand O Magazine.

http://www.brainspotting.com.br/brasil/v%C3%ADdeosportugu%C3%AAseingl%C3%AAs.html

Para mais informações, visite também:
https://www.facebook.com/pages/Brainspotting-do-Brasil/384798544921560

Para qualquer outra informação, comentário ou consulta, telefone-me ou envie-me um e-mail.

Rosario Ortigao, LMHC, MAC
Conselheira de Saúde Mental
407 628-1009
rosario@ortigao.com