O cerco se aperta. A prudência é um bem para todos!

O cerco se aperta. A prudência é um bem para todos!

Edição de fevereiro/2018 – p. 03

O governo Trump não mede esforços para prejudicar a vida dos imigrantes indocumentados e até dos documentados. São mudanças dentro do USCI, que geram dificuldades descomunais e pegam todos desprevenidos, acabando com o sonho de muitos, separando famílias, perda de trabalho, etc.

A atual administração analisa novas regras para a Imigração, o que tornaria mais difícil para os imigrantes serem admitidos nos EUA ou obter Green Card se eles ou seus filhos receberem certos benefícios públicos, incluindo Medicaid ou Head Start. Isso poderia levar a um número substancialmente maior de imigrantes sem alternativas para permanecer no país.

Uma incongruência enorme, pois Donald Trump é casado com uma imigrante, que segundo dados levantados chegou a trabalhar ilegalmente no país, e agora surge a informação de que os sogros do presidente estão vivendo nos EUA.

A lei para o presidente, ao que denota, tem dois pesos e duas medidas. Para os que vivem no seu círculo de vantagens, vale tudo, e para os que estão de fora se aplica a lei no maior rigor possível.

Ao revogar o programa DACA, ameaçando oitocentos mil jovens, os “Dreamers”, até então protegidos pela lei assinada por Barack Obama, Trump avultou o descontentamento entre os imigrantes. Entretanto, dois juízes federal barraram a ação da administração do republicano, e o assunto continua sendo debatido no Congresso.

A lei atualmente autoriza o DHS a rejeitar os imigrantes se eles são ou provavelmente se tornarão “cobrança pública” – dependentes do governo. A orientação atual inclui algumas formas de “benefícios em dinheiro”, mas dispensa uma série de programas, especialmente aqueles que apoiam as crianças de imigrantes que são cidadãs dos EUA e elegíveis para benefícios que os imigrantes de outra forma não são.

O porta-voz do DHS, Tyler Houlton, disse que a administração está empenhada em aplicar a lei de imigração existente, que é claramente destinada a proteger o contribuinte norte-americano. Alega que qualquer mudança potencial na regra seria de acordo com o espírito da lei – bem como as expectativas razoáveis do povo americano para que o governo seja bom administrador dos fundos dos contribuintes.

O cerco se aperta para o imigrante. O momento é de incerteza, mediante as mudanças nas leis de imigração, colocando todos, literalmente, no olho do furacão. É preciso entendimento do que está por vir – do que ocorre. A virtude da prudência nos leva a ter o verdadeiro discernimento, o que é melhor para todos nós.