As promessas não cumpridas de Trump em quatro anos de governo!

A análise da gestão de Donald Trump aponta resultados que frustra o eleitorado

 

O protecionismo de Donald Trump levou a uma fase de crescimento, mas não tornou possível atingir os ambiciosos – talvez impossíveis–, objetivos anunciados. Análise e resultados sobre Imigração, Obamacare, Meio Ambiente, Pandemia, Economia e impostos  

 

Da Redação

“Eu nunca vou sair de férias”, “Vou ser politicamente incorreto” e “Vou tornar a América ótima novamente.” Eram slogans de campanha de Donald Trump,  em 2016 – promessas surpreendentes, postadas no “The Washington Post”, no final da campanha que o elegeu o 45º presidente dos EUA. Os “inimigos” declarados: imigrantes indocumentados, China, a esquerda do odiado antecessor Barack Obama estavam na lista do republicano. E quatro anos depois, o chefe de estado mais polêmico da história do país, o presidente-magnata ficou de joelhos diante da pandemia – 8,9 milhões de americanos infectados, incluindo o próprio Trump, e mais de 228.000 mortos. Um panorama sombrio, que deixa resquícios de insatisfação entre os eleitores que apostaram nas propostas não cumpridas.

O protecionismo de Trump levou a uma fase de crescimento, mas não tornou possível atingir os ambiciosos – talvez impossíveis–, objetivos anunciados. A postura dura em relação às questões ambientais dificulta o combate às mudanças climáticas, onde a cooperação global é essencial para a sobrevivência do planeta. Na política externa o presidente foi “de palavra”, mas a estratégia de punho duro contra os principais adversários (Irã e China) exacerbou as relações, isolou Washington e desestabilizou o cenário mundial. Divisões internas e confrontos com minorias enfraqueceram os EUA. Então veio a pandemia: a má gestão aumentou as tensões e as desigualdades.

 

Quanto a Imigração ilegal, Trump prometeu expulsar 11 milhões de “imigrantes indocumentados” que vivem anos nos EUA; construir um muro de concreto armado de 1.600 km de comprimento, na fronteira sul e receber 100% do México . Depois de um confronto difícil no Congresso, em julho de 2020 a Suprema Corte deu luz verde para a retirada de US $ 6 bilhões do orçamento do Pentágono e até agora 371 milhas (quase 600 km) de muro foram construídos. Uma barreira de aço entre 6 e 9 metros de altura em média, e o México não desembolsou um centavo.

À luta contra a imigração irregular, em setembro de 2017 a administração Trump revogou o programa Daca (Ação Diferida para Chegadas à Infância ), criado por Obama para proteger os imigrantes que entraram ilegalmente quando ainda não tinham 16 anos. Em 18 de junho, a Suprema Corte decidiu que não é possível cancelar uma disposição graças à qual cerca de 800.000 jovens – os chamados Dreamers –, já frequentam escolas americanas ou se integraram ao mundo do trabalho.

Em contrapartida, Trump nunca colocou mesquitas sob vigilância como havia declarado na campanha eleitoral, mas em 2017 ele emitiu duas ordens executivas conhecidas como “Proibição Muçulmana”, mais tarde transformado em “Proibição de Viagem”, para negar a entrada de cidadãos de sete países majoritários Muçulmanos: Somália, Sudão, Irã, Iraque, Síria, Iêmen e Líbia (Sudão e Iraque foram posteriormente excluídos da lista). Com o tempo, a “Proibição de Viagem” foi estendida ao Chade, Iêmen, Coréia do Norte e Venezuela e, em 31 de janeiro, aos cidadãos da Eritreia, Quirguistão, Mianmar, Nigéria, Sudão e Tanzânia.

 

Aquecimento global

Incêndios na Califórnia – No Meio Ambiente, o republicano sempre chamou o aquecimento global de “uma fantasia” . Durante a campanha eleitoral, ele disse que queria dissolver a “Agência de Proteção Ambiental” (EPA), a agência de proteção ambiental. Ele não se atreveu a fazer isso depois de se tornar presidente, mas nomeou dois “negadores” bem conhecidos como administradores da EPA: o primeiro, Scott Pruitt, foi forçado a renunciar em 2018 sob o peso de 15 investigações federais. O segundo, Andrew R. Wheeler, é o atual chefe da agência.

De acordo com dados do “Rastreador de Desregulamentação Climática” da Universidade de Columbia, a administração Trump lançou 162 atos e medidas para reduzir as medidas contra o aquecimento global, consideradas muito onerosas para a indústria de combustíveis fósseis. Entre as medidas mais significativas, estão a revogação do “Plano Energia Limpa” (Plano de Barack Obama para a redução das emissões de CO2 por usinas movidas a carvão), o cancelamento dos controles de derramamento de arsênio e mercúrio na água e o congelamento da obrigação da indústria automotiva de produzir carros que consuma menos combustível até 2025. Em novembro de 2019, ele notificou a ONU sobre a retirada dos Estados Unidos do acordo climático de Paris assinado em 2015.

 

Tentativa de revogar Obamacare

Uma das derrotas mais ruidosas veio do Obamacare. Trump havia prometido revogar a reforma de Obama que aumenta o número de pessoas protegidas pelo sistema de saúde – mais 32 milhões.  Na prática, trata-se de incentivos fiscais para incentivar as pessoas a fazerem seguros e a proibição de as seguradoras negarem assistência a pacientes com doenças graves. Entre maio e julho de 2017, a proposta de cancelar a lei, primeiro total e depois parcialmente, foi rejeitada pelo Senado de maioria republicana.

 

Economia e impostos

Para reviver a economia, Trump prometeu cortar os impostos corporativos (imposto fixo de 15%), e nenhum imposto para aqueles que ganham menos de US $ 25.000 por ano. Uma política que teria permitido “atingir um crescimento anual de 6%, eliminando a dívida pública de 18 trilhões de dólares em 8 anos”. Em dezembro de 2017, o Congresso aprovou sua reforma tributária: nenhum imposto fixo de 15%, mas a alíquota para empresas de todas as categorias e tamanhos cai permanentemente de 35% para 21%. Para aqueles que ganham menos de $ 25.000, há duas porcentagens de imposto: 10% abaixo de $ 9.525 e 12% abaixo de $ 38.700. Os beneficiários da reforma são principalmente os ricos : os impostos caem de 39,6 para 37% para quem ganha mais de US $ 300 mil.

Trump manteve sua promessa de doar seu salário anual ($400.000) para agências governamentais, mas – ao contrário do que foi declarado – nunca tornou públicas as suas declarações fiscais. O “New York Times”, que publicou os documentos do magnata de 2000 a 2017 no final de setembro, cuidou disso: Trump pagou apenas US $ 750 em impostos federais nos primeiros dois anos da presidência e zero nos 10 anos anteriores.

 

Retorno das empresas americanas

Um severo crítico da globalização, Trump também prometeu trazer de volta para os EUA empresas manufatureiras que haviam se mudado para o exterior . Durante o primeiro debate na TV com Biden, no último dia 30 de setembro, o presidente declarou ter criado “700 mil novos empregos na indústria”. Na verdade, apesar das normas pró-negócios, os resultados são menores. Antes que a pandemia afetasse a economia dos EUA, o aumento real dos empregos na indústria era de cerca de 450.000. Após a recessão de 2020, o emprego industrial entrou em colapso e hoje é 237.000 a menos do que em 2016.

 

PIB e dívida pública

O crescimento econômico foi sustentado de 2016 a 2019, mas não atingiu os patamares esperados por Trump, parando em uma média de 2,5% (2,3% em 2017; 3% em 2018; 2,2% em 2019). O colapso veio em 2020 (desemprego em 7,9% no início de outubro). As estimativas mais otimistas preveem uma queda no Produto Interno Bruto de 3,7% em 2020.

A dívida pública continuou a crescer atingindo um recorde histórico de quase 23 trilhões de dólares no final de 2019, equivalente a 107% do PIB americano ( no início de 2017 era de 103,1%). Após o colapso econômico devido à pandemia, a dívida dos EUA chegou a 27 trilhões de dólares. Mas isso diz respeito a todos os países do mundo – com exceção da China.

 

Embate com a China

Trump prometeu “desafiar abertamente o poder econômico da China no mundo”. Em 6 de julho de 2018, entraram em vigor taxas de 25% sobre 1.300 produtos chineses, no valor de 50 bilhões de dólares. Pequim respondeu com contra-direitos equivalentes. Em janeiro de 2020, os EUA e a China assinaram uma minitrégua que prevê um reequilíbrio da balança comercial – até então claramente a favor de Pequim. O governo comunista prometeu comprar mais US $ 197 bilhões em produtos e serviços americanos. Em troca, os EUA afrouxaram o controle sobre as importações chinesas. O déficit comercial com a China caiu de US$ 419,2 bilhões em 2018 para US $ 345 bilhões em 2019, mas muitas empresas que se mudaram para a China nos últimos 20 anos preferiram contornar as tarifas se mudando para outros países, como Vietnã e México.