Agora ou nunca! Confronto decisivo entre Biden e Trump acontece nesta quinta-feira

Joe Biden tem vantagem de 10,3 pontos em relação a Donald Trump, segundo pesquisa

 

O último debate entre os candidatos à eleição presidencial dos EUA, Joe Biden e Donald Trump, acontece nesta quinta-feira em Nashville, na Universidade de Belmont, no Tennessee, com mediação da jornalista Kristen Welker, apresentadora na NBC News. Um encontro decisivo sobre famílias americanas, a questão racial nos EUA, mudanças climáticas, segurança nacional e liderança

 

Da Redação

Será um confronto decisivo – o último debate –, entre os candidatos à eleição presidencial dos EUA, Joe Biden e Donald Trump, que acontece nesta quinta-feira em Nashville, na Universidade de Belmont, no Tennessee, com mediação da jornalista Kristen Welker, apresentadora na NBC News. E para evitar as interrupções do primeiro embate, a comissão que organiza os eventos decidiu cortar o microfone dos candidatos quando o outro estiver respondendo à pergunta. Portanto, somente na discussão aberta, os dois poderão falar livremente, e quem interromper dará direito ao adversário falar por um período extra, equivalente ao tempo em que foi interrompido. São condições contundentes, sob o olhar dos eleitores americanos – e de cidadãos com direito ao voto –, que irão acompanhar atentos, norteando os indecisos para o pleito do dia 3 de novembro.

Além da pandemia, Trump e Biden vão debater sobre famílias americanas, a questão racial nos EUA, mudanças climáticas, segurança nacional e liderança. Os temas foram pré-definidos pelos organizadores. Encontro terá duração de 90 minutos, divididos em seis blocos com 15 minutos para cada tema. Para evitar interrupções, cada candidato terá o microfone cortado quando adversário estiver respondendo.

Biden chega ao palco com uma vantagem nas sondagens de pesquisas, que cresceu desde o primeiro debate, a 29 de setembro. Trump apresenta-se no campo de batalha com teste negativo – após contrair Covid-19 –, e pouco satisfeito com as novas condições impostas pela Comissão de Debates Presidenciais, que organiza o encontro.

De acordo com a média das sondagens nacionais, Joe Biden tem uma vantagem de 10,3 pontos em relação a Donald Trump: as intenções de voto dividem-se em 52,2% para o democrata e 41,9% para o republicano. O modelo estatístico da plataforma “FiveThirtyEight” dá agora a Biden 87% de hipóteses de vencer as eleições, contra 13% de Trump.

“Vou participar, mas penso que é muito injusto”, disse Donald Trump aos jornalistas, sobre a decisão da comissão de cortar o microfone dos candidatos quando for à vez de o outro falar. A medida pretende evitar o caos que aconteceu no primeiro debate, quando o presidente repetidamente interrompeu Joe Biden durante os seus minutos de intervenção.

Nada impedirá, no entanto, os candidatos de continuarem a tentar provocar-se um ao outro, mesmo com o respectivo microfone fechado. A audiência presente, que será ainda mais pequena do que no debate anterior, poderá ouvir o que é dito no palco sem a ajuda dos microfones.

A comissão assegurou que qualquer pessoa sem máscara será retirada do auditório. Não haverá, todavia, acrílico dividindo os oponentes, como houve quando Kamala Harris e Mike Pence se encontraram para o único debate vice-presidencial.

Lembrando que haveria um segundo debate na semana passada, mas o encontro acabou cancelado depois que o presidente Donald Trump, candidato à reeleição, contraiu Covid-19. E no mesmo dia em que estava previsto o encontro, Trump e Biden participaram de entrevistas, ao mesmo tempo, em duas emissoras de televisão dos EUA.