Orégano o parceiro ideal

voltar

MAI/12 – pág. 56

… da pizza, das saladas, queijos, pão, omelete, e todo prato que peça o sabor e o seu perfume inconfundível.

O aroma adocicado e condimentado ajuda a entender os nomes dados de manjerona doce e manjerona silvestre, empregados em alguns recantos do Brasil.

Relacionado pelos gregos à deusa Afrodite – e por isso tido como símbolo da alegria e da felicidade – o orégano se espalhou pela Europa durante a Idade Média. Naquela época, ele foi utilizado (acondicionado em saquinhos) pelas mulheres para perfumar os guarda-roupas.

Logo, descobriram-se as suas propriedades gastronômicas para realçar o sabor de diversos pratos.

De todas as ervas, sua característica é completamente diferente. Depois de desidratado, deve ser usado com o maior cuidado, já que nessa condição o seu perfume se torna mais concentrado.

O orégano é excelente para aromatizar omeletes, saladas e queijos suaves para aperitivo, além de funcionar maravilhosamente para aromatizar vinagres e azeites.

As folhas verdes, picadas, ficam ótimas quando misturadas com ricota fresca, mascarpone ou queijo fresco de cabra.

Fatias de tomate caqui, não muito maduro, transformam-se em acompanhamento perfeito para peixes delicados quando polvilhados com orégano, sal e azeite.

Fique sabendo que quem nunca experimentou uma fatia de pão italiano, em forno brando, com orégano, sal e azeite, não sabe o que está perdendo.

Para quem gosta de ter seu próprio canteiro de ervas em casa, o orégano tem os melhores resultados, mesmo que seja plantado em vasos. Para isso, plante em local ensolarado e em terra rica em nutrientes (fácil de ser encontrada nos supermercados); semeie na primavera, sabendo que a germinação pode ser lenta. Você terá folhas novas a qualquer tempo. Quando colher essas folhas, guarde-as na geladeira para que elas possam se conservar por mais tempo.

Finalmente, uma sugestão: já que até agora só falamos desse tempero delicioso, que tal colocá-lo à prova numa bela pizza?

As informações técnicas desta matéria foram extraídas de um texto de autoria de Istvan Wessel.

Vamos às receitas.

Receitas:

Cleide Rotondo
cleide@nossagente.net