Simone Balis volta a competir nesta terça, a prova final da trave em Tóquio

Simone Balis irá competir a prova final da trave, nesta terça, confirma a equipe da ginasta

 

Após desistir das provas das finais do individual geral, do salto, das barras assimétricas e do solo, Simone Balis finalmente irá competir na prova da trave nas Olimpíadas de Tóquio, nesta terça. A informação foi passada à imprensa pela “USA Gymnastics”

 

Da Redação

Havia um clima de apreensão quanto à volta da ginasta Simone Biles na prova final da trave nas Olimpíadas de Tóquio 2020. O anúncio da participação de Biles amanhã na disputa por medalha no aparelho foi comemorado com entusiasmo pelas colegas de equipe, técnicos e torcedores. A “USA Gymnastics” confirmou, nesta segunda-feira, a participação da americana na disputa desta terça-feira, reacendendo a esperança do ouro para os EUA.

 

Disputa pela medalha – Simone, após desistir das provas das finais do individual geral, do salto, das barras assimétricas e do solo, passa por um processo de acompanhamento médico para cuidar da saúde mental.

“Estamos muito animados de confirmar que vocês vão ter duas atletas dos Estados Unidos na final da trave amanhã: Suni Lee e Simone Biles. Mal podemos esperar para ver vocês duas competindo”, postou a equipe americana.

Na prova fina da trave, Simone Balis vai competir contra a brasileira Flávia Saraiva, a canadense Elsabeth Black, a romena Larisa Andreea Iordache, a russa Vladislava Urazova e as chinesas Xijing Yang e Chenchen Guan.

Estão sendo dias difíceis para Simone Balis em Tóquio, ao revelar que seu corpo e sua mente não estão em sintonia, o que chamou de “twisties”, e demonstrou com imagens de treinos postados. Logo depois, no entanto, ela apagou os vídeos. Nas imagens, a ginasta tenta acrobacias e cai. Em outro momento, ela deve dar um giro duplo, mas dá meio giro antes de cair de costas repentinamente. No segundo, ela dá uma volta e meia.

Se prosseguisse nas competições, Simone correria o risco de uma queda numa superfície dura. “Não acho que as pessoas percebam o quanto é perigoso cair numa superfície dura de competição. Às vezes eu nem consigo entender como girar. Realmente não consigo compreender como girar, escreveu a ginasta americana.