Evidências e princípios de Renata Vasconcellos

Evidências e princípios de Renata Vasconcellos

Âncora do “Jornal Nacional”, Renata Vasconcellos abre o jogo e fala da vida em família, do amor pelos filhos e do prazer em cuidar da horta em sua casa de campo. Uma trajetória de sucesso no mundo da informação

Edição de julho/2019 – p. 46

Evidências e princípios de Renata Vasconcellos

Não é tarefa comum estar à frente do “Jornal Nacional” da Globo Internacional, evidenciando os fatos que pontuam os acontecimentos no Brasil e no mundo. Líder de audiência em seu horário, os olhos dos brasileiros que residem nos EUA acompanham as notícias ancoradas por William Bonner e pela notável Renata Vasconcellos – que mostra credibilidade na bancada do telejornal. Mas quem é a jornalista que esteve no “Bom Dia Brasil”, ao lado de Renato Machado, e que galgou passos importantes, desbancando, inclusive, Patrícia Poeta? Ela é carioca, ex-modelo que se deu bem no mundo da informação. Formou-se em Publicidade e Jornalismo na PUC-Rio e foi aprovada no concurso que selecionou a equipe pioneira da Globo News.

Um dos momentos acalorados como entrevistadora de candidatos à presidência da república em 2018, no “Jornal Nacional”, ocorreu no encontro com o então candidato Jair Bolsonaro (PSL), repetindo com ênfase a frase dele em campanha: “Eu não empregaria – mulheres e homens – com o mesmo salário. Mas tem muita mulher que é competente”. Foi o estopim. Bolsonaro negou o que havia dito e retrucou dizendo que ela, Renata, provavelmente ganhava menos do que Bonner. “Meu salário não diz respeito a ninguém, o que posso dizer é que, como mulher, não aceitaria receber um salário menor de um homem que exercesse as mesmas funções e atribuições que eu”, retrucou a jornalista, denotando irritação.

A sua primeira aparição na Globo aconteceu na reportagem sobre a exposição do estilista Yves Saint Laurent, que agradou a cúpula do Rio de Janeiro. Foi convidada para apresentar o “Jornal Hoje” nos plantões de sábado e deslanchou no Jornalismo da emissora. Em 2000, produziu um quadro de serviços ao consumidor para o “Fantástico”. Uma trajetória bem-sucedida, que parecia já determinada, mostrando os dotes da carioca que atingiu o patamar almejado por todo o jornalista de televisão, ancorar o “Jornal Nacional”.

Mas tenha cuidado para não se enganar quando se deparar com a Renata Vasconcellos em um shopping, por exemplo, ou restaurante. O motivo? Pode não ser ela. Isso mesmo. A jornalista tem uma irmã, a estilista Lanza Mazza, que tem a sua cara – elas são gêmeas idênticas. E muitas pessoas as confundem. Tem pessoas que pedem uma selfie com a Lanza, pensando que se trata da Renata, portanto, pergunte quem é quem antes para não ter aquela surpresa. “Desde a época do colégio é assim. Somos muito parecidas e estamos acostumadas com essa confusão”, explica.

Intimidade da jornalista

Renata Vasconcellos foi casada durante 13 anos com o empresário do mercado financeiro Haroldo Mac Dowell, filho da estilista Mara Mac Dowell. Com ele teve dois filhos, Antônio e Miguel. Quanto ao visual, a preocupação é com o corte de cabelo diante das câmeras, ou seja, manter um look mais sóbrio com os fios cortados acima dos ombros. “Gosto do corte em camadas uniformes, o que confere mais movimento e jovialidade, segundo as orientações do meu cabeleireiro. Um franjão compõe o look, emoldurando o rosto e permitindo a possibilidade de usar o cabelo para qualquer lado”, revela.

Longe das câmeras, quando não está trabalhando, disse Renata que gosta de mato, a natureza lhe faz bem. “Adoro mato. Sempre que posso, vou para minha casa no campo mexer com as plantas. Tenho uma horta. Não há nada mais gostoso do que colher um pé de alface fresquinho. À noite, ouço os grilos, vejo o céu estrelado. No Rio, gosto de fazer programas com meus filhos”, conta.

E indagada de como é ser mãe de adolescentes, a jornalista foi enfática: “Adoro ser mãe de meninos. Sinto-me protegida e acarinhada por eles, que são muito companheiros. Claro, de vez em quando sou chamada ao colégio, mas nada grave”, diz. “Como toda mãe, o que me assusta é a violência. O mundo está repleto de perigos e delícias, e é preciso prepará-los para fazer as escolhas certas. Acredito que lá na frente eles saberão distinguir o certo do errado. Tento passar os princípios que me são mais caros e a importância da ética”, considera.

Lembrando que a âncora estreou ao lado de Eduardo Grillo em 1996, na Globo News, e esteve presente em grandes coberturas e narrações em tempo real. Em 1997, transmitiu a vinda do Papa João Paulo II ao Brasil, a morte da princesa Diana e a libertação da residência do embaixador japonês no Peru.

Em 2002, Renata Vasconcelos substituiu Leilane Neubarth na bancada do “Bom Dia Brasil” ao lado de Renato Machado. A partir de setembro de 2011, com a mudança de Renato Machado para Londres, passou a dividir a apresentação do telejornal com Chico Pinheiro. A jornalista ainda produziu para o “Bom Dia Brasil” a coluna “Coisas do Gênero”, com matérias elaboradas para o público feminino, que abordaram assuntos como moda, mulheres de 50 anos e a relação de avós com os netos.