Estudantes Brasileiros são destaque no Valencia College

Estudantes Brasileiros são destaque no Valencia College

Eles foram convidados para falar sobre experiências pessoais e conquistas nos Estados Unidos

Edição de julho/2018 – p. 22 e 24

Não é novidade que a demanda de estudantes vindos do Brasil cresce ano após ano nos Estados Unidos. Educação é, inclusive, uma das formas de arrecadação mais importantes dos EUA, junto com turismo e exportação. Anualmente, milhares de estudantes chegam ao país em busca de desenvolvimento profissional. Orlando, na Flórida, recebe grande parte desses desbravadores, quem vem, não somente de terras brasileiras, mas também de várias regiões do mundo e o Valencia College é uma destas instituições em que se pode cruzar com nacionalidades diferentes o tempo todo: são alunos de 119 países diferentes.

A multinacionalidade da faculdade foi tema de um painel que ocorreu no Campus West do Valencia e trouxe alunos de destaque para compartilhar suas experiências enquanto estudantes em outro país. Para o nosso orgulho, 3 dos 5 alunos convidados são brasileiros. Amanda Casquel, Geovany Dias e Mayara Martines, com suas carreiras exemplares, contaram sobre suas histórias em frente a uma audiência de empresários, estudantes, professores e funcionários do Valencia.

Amanda tem 27 anos, nasceu em Brasília e mudou para os Estados Unidos há cerca de dois anos. Ela, que veio inicialmente visitar a mãe, acabou vendo a oportunidade de aperfeiçoar o inglês e ter uma experiência completamente nova. “Desde adolescente eu sempre tive muita vontade de viver nos EUA e estudar aqui, então o simples fato de estar aqui já é maravilhoso e a realização de um sonho”, conta a estudante do segundo semestre de Paralegal, uma espécie de subárea do curso de Direito. Com formação em Ciências Biológica pela UNESP, a jovem acredita que perseverança é fundamental. “Dentre as milhões de coisas maravilhosas que já me aconteceram, a melhor de todas é a valorização do aluno, em outras palavras, a meritocracia. Acredito ser de extrema importância dividir minhas experiências pessoais. Existe uma utopia acerca da vida no exterior onde tudo parece ser alcançado sem sacrifício, no entanto, as pessoas precisam estar cientes de que uma hora o sapato aperta, o coração dói e o choro é inevitável e é nesse momento onde dividir as experiências pessoais ser torna uma ferramenta essencial”, explica. Durante a apresentação, Amanda ainda reforçou a satisfação em também trabalhar no Valencia College como Student Leader, em um departamento específico para desenvolvimento de atividades de desenvolvimento acadêmico dos alunos, chamado Student Development. “É muito bom estar aqui hoje e compartilhar um pouco da minha história com vocês”, ressaltou.

Quem também compartilhou um pouco da própria história foi a Mayara Martines, chamada comumente de May pelos colegas de faculdade e amigos. Ela, que é de São Paulo e tem 25 anos, mudou para Orlando em dezembro de 2016 – quase dois anos, portanto. A estudante de Hospitalidade é formada em Publicidade e Propaganda pela Mackenzie, e que tem uma vasta experiência com voluntariado, explica que se surpreende com momento em que vive atualmente. “Eu nunca me imaginei estar aonde estou hoje. Depois de muitos trabalhos voluntários, trabalhar como Fada-Madrinha na Make-a-Wish Brasil e em uma produtora de filmes de animação, vim para Orlando pela primeira vez em 2014 logo após me formar em Publicidade, para participar no International College Program da Disney. Trabalhei com merchandising na Fantasyland do Magic Kingdom durante o Holiday Season e essa experiência mudou minha perspectiva de mundo. Assim que voltei para o Brasil, comecei a pesquisar outros programas de trabalho na Disney e acabei retornando em 2016 para representar o Brasil em outro programa de trabalho na Disney, o International Park Greeter Program. Foi então que conheci sobre hospitality, um curso que não tem no Brasil, e aí descobri o Valencia College”, conta May com entusiasmo.

A garota-prodígio também é presidente do Valencia Intercultural Students Association – Visa Club – iniciativa que incentiva a interação de alunos de diferentes culturas durante e após a passagem pelo college e trabalha como International Student Recruitment Specialist no Internacional Students Services do Valencia. Quando perguntada sobre qual a melhor experiência que já teve enquanto estudante internacional, May fica na dúvida. “Não consigo pensar somente em uma. Estudar nos Estados Unidos é uma montanha-russa de emoções, desde da aplicação do visto de estudante no Brasil. Tudo é muito incerto, ainda mais quando se toma a decisão de vir sozinha e morar com pessoas de outros países e culturas. Então os medos existem e são constantes”, declara a estudante que mora com duas colegas de quarto, uma da Alemanha e outra da República Tcheca. Dentre as muitas (e suadas) conquistas, May se orgulha de ter ganhado também uma bolsa de estudos. “O que me dá o impulso são os momentos que fazem valer a pena. Com muita dedicação eu tive muitos momentos incríveis. Ganhei uma bolsa de estudos do Hospitality and Lodging Association, viajei para Chicago por conta dos inúmeros trabalhos voluntários dentro da área de Hospitalidade, estou na President’s list* pelo meu desempenho acadêmico e participei de inúmeros painéis dando voz a alunos internacionais e empoderamento feminino. No fim, receber carinho dos colegas de trabalho, de alunos, ou mesmo ouvir da sua família o quanto eles estão orgulhosos de você é mágico. Acho que nada supera isso”, revela.

De Belém do Pará, Geovany tem 24 anos e mudou para os Estados Unidos em agosto de 2017. O estudante, que começou a trabalhar com 16 anos, orgulha-se de ter vindo para Orlando custeando os próprios estudos. “Eu sempre quis ter uma experiência internacional. Formei em Jornalismo, pela Universidade Federal do Pará e fiz especialização em Marketing e Publicidade. Quando terminei a pós, achei que era o momento de dar este passo”, conta o Geovany. O empreendedor, que estuda Mobile Jornalism (uma espécie de especialização em jornalismo para plataformas digitais), abriu uma agência de propaganda startup no Brasil aos 21 anos, e hoje trabalha remotamente criando peças publicitárias e com gerenciamento de redes sociais. “Muitas vezes a gente olha para as nossas dificuldades e acha que é incapaz de alcançar nossos objetivos. Mas a gente precisa enxergar pelo ângulo mais otimista e pensar ‘ah, é difícil, mas eu consigo’. A gente tem que acreditar na gente”, declara o jovem que chegou a trabalhar em três empregos para juntar o dinheiro que mais tarde pagaria os custos da especialização nos Estados Unidos. Geovany, assim como May e Amanda, também trabalha no Valencia College. Ele trabalha diretamente com o Marketing da faculdade e atua na organização de eventos e gerenciamento de mídias sociais, além de também ser membro do Valencia Intercultural Student Association, por onde recebeu um certificado de reconhecimento no ano passado. “Entre as coisas mais incríveis que vivi aqui, acho que a minha provação enquanto aluno e profissional. Recebi um certificado de reconhecimento do Visa por conta do trabalho que ajudo a desenvolver na comunidade acadêmica, ganhei um prêmio de liderança do Valencia College, fui aceito como Aluno de Honra pela instituição e estou na President’s List. São tantas coisas que aconteceram em um espaço de tempo tão pequeno e acho que foi maravilhoso poder compartilhar isso com as pessoas durante o painel”, reflete.

Se depender destes nossos estudantes, o Brasil e a comunidade brasileira estão bem representados diante da audiência norte-americana. E não pense que a vida deles é fácil. Muito pelo contrário: para chegar às terras internacionais precisou de muito esforço e para manter os bons resultados precisa de muito mais esforço ainda. Mas para eles, tudo tem um propósito. “Com tantas mudanças incríveis que aconteceram comigo, fica difícil até de planejar. Mas eu atualmente quero conquistar cada vez mais coisas. A cada oportunidade que surgir, abraçá-la e ir ao infinito e além. Eu acredito que, independente do que me acontecer, eu sou mais do que grata por tudo”, celebra May, que pretende seguir na carreira acadêmica, tal como Geovany, que tem interesse em, brevemente, dar aulas no Valencia College. “Após concluir a especialização, quero seguir para o mestrado em Comunicação na Universidade da Flórida Central (University of Central Florida) e espero continuar investindo no meu negócio no Brasil e estudando muito aqui. Mais tarde, se tudo der certo, quero voltar ao Valencia como professor e dizer aos alunos internacionais que eles podem conquistar tudo o que desejarem se acreditarem em si próprios”, destaca. Amanda, que pensa em mudar para outra região dos EUA, também está determinada em focar na vida acadêmica. “Eu vou planejando meu futuro conforme os caminhos vão se abrindo, inicialmente, quero terminar o Valencia e penso sobre a possibilidade de transferir para uma Universidade. Agora, a médio e longo prazo, penso em morar em diferentes estados e conhecer um pouco mais sobre este país”, explica.

Para quem tem o desejo de vir estudar nos Estados Unidos, nossos estudantes deram dicas

Amanda Casquel, falando sobre suas experiências pessoais
Amanda Casquel, falando sobre suas experiências pessoais (Foto: Valencia College)

“Ao planejar vir estudar aqui pesquise e se informe o máximo possível. Faça um planejamento financeiro. Procure saber a localização da escola que pretende estudar, as opções de pagamento da escola, quais os documentos necessários para fazer a matrícula. E certifique-se de que entendeu todos os seus direitos e deveres relacionados à escola e ao país” – Amanda Casquel.

Geovany Dias, que falou sobre empreendedorismo pessoal
Geovany Dias, que falou sobre empreendedorismo pessoal. (Foto: Valencia College)

“Na vida, tudo é uma questão de 50%. Se você tem um sonho, um desejo de realizar alguma coisa que você considere muito grande, muito especial, a possibilidade de dar certo ou de dar errado é 50% pra cada. O “não” a gente já tem. E se você não lutar pelo seu “sim”, ninguém vai lutar por você. Pesquise as instituições, converse com pessoas que tenham estudado nas escolas, seja aqui nos Estados Unidos ou em qualquer outro país, junte dinheiro e vá em frente.  O mais importante: acredite em você, dedique-se, e não desista. Se é seu sonho, não desista” – Geovany Dias.

May Martines durante apresentação
May Martines durante apresentação (Foto: Valencia College)

“Existe uma música chamada “Era uma vez” da Kell Smith que diz que devemos “Entender que a felicidade real mora no caminho e não no final”. Muitas vezes pensamos tantos nos planos finais que acabamos nos esquecendo do que nos faz bem. Essa felicidade traz consigo sacríficos de todos, não só dos alunos. Tomar a decisão de estudar nos Estados Unidos muitas vezes não é feita sozinha, é um investimento financeiro, emocional e físico. Não será fácil. As oportunidades também não simplesmente aparecerão, você deve criá-las. As barreiras e diferenças irão existir, então prepare-se. Eu tive inúmeros momentos que queria fazer as malas e voltar pra minha terra. Mas os sonhos são possíveis sim, então pesquise (muito!), se planeje, não desista e não tenha medo de pedir ajuda para mudar os planos. Agradeça sempre porque eu acredito que já ‘Deus’ certo”  – May Martines.