Com proteção policial e atraso, EUA chegam sem alarde a hotel em SP

Com proteção policial e atraso, EUA chegam sem alarde a hotel em SP

Delegação americana está hospedada em região nobre da cidade e tem pouco tempo de descanso após chegada. Primeiro treino é na tarde desta segunda-feira

Cercados por seguranças, jogadores deixam ônibus dos EUA (Foto: Diego Ribeiro)
Cercados por seguranças, jogadores deixam ônibus dos EUA (Foto: Diego Ribeiro)

A seleção dos EUA teve proteção total na chegada ao hotel em que ficará hospedada durante a Copa do Mundo. Por volta das 12h desta segunda-feira, o ônibus com a delegação americana estacionou no saguão de entrada do Hotel Tivoli Mofarrej, na região dos Jardins, em São Paulo, e não teve qualquer assédio de torcedores. A chegada aconteceu com atraso, porque até a escolta teve dificuldade para vencer o trânsito de São Paulo, ainda mais lento que o usual devido a greve dos metroviários.

No lado de dentro do hotel, alguns jornalistas do país aguardavam a seleção. O esquema de segurança foi considerado equivalente ao da seleção brasileira, de acordo com o comando da PM. Oficiais do Exército caminharam pela movimentada Alameda Santos, a um quarteirão da Avenida Paulista, com armas em punho. Alguns pedestres se assustaram com a movimentação. Homens da Polícia Federal e agentes de inteligência do Consulado dos EUA em São Paulo completaram a proteção.

O esquema será o mesmo todos os dias. A PM e a Guarda Civil Metropolitana serão responsáveis pela segurança na região do hotel, 24 horas por dia. A partir de terça-feira, o desembarque dos jogadores deve ser realizado por um portão lateral, que causa menos impacto no trânsito dos arredores.

O desembarque foi rápido e durou menos de dez minutos. Do outro lado da rua, alguns curiosos tentavam observar a chegada dos americanos, mas sem festa ou qualquer tipo de manifestação. Um americano solitário com cachecol da seleção estava no meio dessa turma, mas não conseguiu contato com seus ídolos.

Entre os principais destaques, estão o goleiro Tim Howard, o meia Michael Bradley e o meia-atacante Clint Dempsey. O volante reserva Kyle Beckerman se destacou pelo cabelo e por carregar uma guitarra nas costas – ele trouxe o instrumento para divertir o grupo em momentos de folga.

A ausência foi o técnico Jurgen Klinsmann, que ficou nos Estados Unidos para acompanhar o amistoso desta segunda-feira entre Gana e Coreia do Sul, em Miami. A seleção africana será a primeira adversária dos americanos, dia 16, em Natal.

O elenco americano saiu de Miami na noite de domingo e passou a madrugada no voo. Os comandados de Jurgen Klinsmann terão pouco tempo para descansar. O primeiro treino está marcado para a tarde desta segunda, no CT do São Paulo, na Barra Funda. Apenas os primeiros 15 minutos de atividade serão abertos para a imprensa.

Os EUA estreiam na Copa dia 16, contra Gana, na Arena das Dunas, em Natal.

Fonte: g1.globo.com