Brasileiro em abrigo na Ucrânia relata violência da guerra, exclusivo ao ‘Nossa Gente’

O mineiro Jammes Nova estava em um abrigo em Lviv, na Ucrânia, quando falou com o “Nossa Gente”

Em entrevista exclusiva ao “Nossa Gente”, o brasileiro Jammes Nova, natural de Frutal (MG), relata momentos sombrios da guerra na Ucrânia. Em um abrigo na cidade de Lviv ele desabafa: “É horrível ver soldados russos atirando contra pessoas inocentes… É algo assustador”

Walther Alvarenga

Já era noite em Lviv, a oeste da Ucrânia – quase dez horas do horário local –, quando o brasileiro Jammes Nova pôde falar com o “Jornal Nossa Gente.” Ele estava em um abrigo na cidade, junto com outros ucranianos. Ao fundo ouviam-se vozes de crianças agitadas, que se misturavam à fala de adultos, denotando um clima de intranquilidade. James tinha poucos minutos para falar, e avisou que não poderia ficar ao telefone celular, pois o momento era de apreensão.

______continua após a publicidade_______

seguro

Lviv está perto da fronteira com a Polônia e tem cerca de 800 mil habitantes – evidente que esta estatistas foi antes da guerra, pois muitas famílias deixaram a cidade.

Jammes Nova, natural de Frutal (MG), tem 38 anos, é empresário e músico – toca piano e guitarra, além de ser produtor de eventos na Ucrânia. É filho de Vera Carvalho e Valter Ferreira de Castro. Assim como os ucranianos mais destemidos, o brasileiro resolveu ficar no país e enfrentar as atrocidades da guerra. Disse que os bombardeios, sirenes e a truculências dos soldados russos não conseguiram a apagar a beleza de Lviv, que sobrevive ao caos.

Como está sendo para você conviver com a guerra? Pergunto a Jammes e ele não hesita na resposta: “É tudo muito difícil, e não entendi ainda o porquê estou aqui, nesse país, em plena guerra, onde civis são mortos de forma tão covarde. Deus tem um propósito na minha vida.”

“É horrível você ver soldados russos atirando contra pessoas inocentes, que não são responsáveis pela guerra. E quando a sirene toca, é algo assustador, o perigo está tão próximo de você”, fica em silêncio por alguns segundos.

Indago se no abrigo tem alimento, e se as pessoas a sua volta estão bem protegidas. “Hoje (quarta-feira) as coisas estão um pouco mais tranquilas, mas estamos em meio a uma guerra e tudo pode acontecer. Aqui, no abrigo temos Internet e alimentos também. Mas não sei por quanto tempo”, fala com preocupação.

Pergunto a Jammes o porquê de permanecer na Ucrânia, se ele tem chances de ir para a fronteira com a Polônia e fugir da guerra. “Tenho um carinho especial pelos ucranianos, vou ficar e ajuda-los. Estou no país desde maio de 2021, e foi aqui que me encontrei. Eu já morei no Japão, no Reino Unido, e tantos outros países, mas a Ucrânia está no meu coração”, relata.

“O yin e o yang tem uma forma especial de olhar para as situações. E segundo a filosofia chinesa você não escolhe, é você quem é escolhido. E tenho certeza de que a Ucrânia me escolheu para estar aqui nesse momento tão difícil.”

Qual a ajuda você pode dar aos ucranianos? Questiono Jammes e ele conta que tem confortado pessoas no abrigo quando entram em desespero. Também está ajudando um rapaz negro, imigrante, que está sem o seu passaporte e não pode se locomover no país.

“O passaporte desse imigrante está com a imigração da Ucrânia. Pouco antes da guerra, ele tinha dado entrado na documentação para se legalizar no país. Deixou o seu passaporte na imigração”, diz.

“Aqui, no Leste Europeu, não é comum pessoas de pele negra. Há um preconceito muito grande contra negros por aqui, e no caso desse imigrante, que tenta reaver seu passaporte, as coisas ficaram bem difíceis. Estou dando uma força para que ele consiga pegar o passaporte para sair do país”, informa.

Aviso para desligar celular

Subitamente, Jammes para de falar ao telefone. Alguém o alerta de alguma forma e ele diz que está em uma entrevista. Ele conversa com a pessoa que o abordou e depois retorna. Diz que recebeu aviso de um dos responsáveis pelo abrigo para desligar o celular. Tem apenas alguns minutinhos antes de  finalizar a ligação.

Conta Jammes que a sua empresa de importação e exportação de milho e trigo se tornou rentável. Começou no Reino Unido e depois se locomoveu para Ucrânia, em Lviv onde ele se estabeleceu deste de maio de 2021. Os negócios iam bem – ele também trabalha no mercado de criptomoedas. No setor do entretenimento, é produtor musical, além de ser músico e cantor.

“A guerra é um divisor que deixa as pessoas vulneráveis, destrói sonhos e causa tantas mortes. O exército russo não respeita mais o alvo, atirando bombas contra escolas com crianças e hospitais. É algo repugnante.”

“Nós precisamos de água, de alimentos e de roupas porque as condições aqui são críticas. O povo ucraniano é guerreiro, mas há limite para a resistência. Pelas crianças, pelos idosos e pelas famílias ucranianas eu peço socorro ao mundo. Precisamos de ajuda!”, fala com a voz embargada.

Peço ao Jammes que deixe uma mensagem antes de desligar o celular. “A minha mensagem é para que Vladimir Putin pare essa guerra! Um líder que desestabiliza a paz no mundo e representa uma ameaça para todos nós. Ele é cruel, ele mata inocentes e quer dominar a Ucrânia. Alguém precisa para-lo, imediatamente!”



____________________publicidade___________________

seguro

anuncie