Volta da vilã Adriana Esteves na novela “O Segundo Sol”

Volta da vilã Adriana Esteves na novela “O Segundo Sol”

A trama se passa na Bahia e traz Adriana Esteves, a Carminha de “Avenida Brasil”, no papel da maquiavélica Laureta. Prepare-se para algo mais devastador, avisa o autor João Emanuel Carneiro

Edição de junho/2018 – pág. 47

Volta da vilã Adriana Esteves na novela “O Segundo Sol”

Se você, leitor do Nossa Gente, acha que já viu todas as maldades das vilãs de telenovelas, incluindo nesse patamar de perversidade a maquiavélica Carminha de “Avenida Brasil” (se lembra dela?), prepare-se para algo mais devastador. A trama assinada por João Emanuel Carneiro, “O Segundo Sol” – o mesmo autor de Avenida Brasil – traz a notável Adriana Esteves em majestosa atuação, na pele da maquiavélica Laureta, que promete emplacar.

“O Segundo Sol”, que substitui “O Outro Lado do Paraíso”, na Globo, se passa na Bahia e antes mesmo de ter ido ao ar, gerou polêmica. O motivo? Os baianos reclamaram da falta de atores negros no elenco, e não pouparam críticas à novela. Alegam ser um cast “muito branco”, que não representa os baianos, em sua maioria composto de negro e mulato.

Quanto a Adriana Esteves, ela retorna às novelas na pele da icônica Laureta, “professora” da outra vilã, e o público vai amar e odiá-la mais uma vez, garante a atriz. “Carminha aprendeu tudo na vida dela com Laureta”, diz Adriana. “Ela é libertária, é original. Uma figura que afronta e gosta disso”, explica. “A Laureta não deve satisfação a ninguém. Uma mulher com um passado misterioso, que se emociona e tem suas dores”.

Falando com certa prudência, evitando revelar as trapaças de sua personagem na trama, Adriana deixa evidente que as cenas prometem impressionar, mediante ao jogo de interesse que não irá poupar quem quer que seja. Ela também comemora o fato de atuar ao lado de Deborah Secco, por quem tem grande admiração. “Vou trabalhar com uma atriz por quem sinto muito carinho, a Deborah Secco. E a trama se passa na Bahia, minha segunda casa. Fiz muitos amigos lá por causa de Vlad (Vladimir Brichta)” – marido de Adriana.

Cinco anos depois do sucesso como vilã de “Avenida Brasil”, em 2012, Adriana Esteves ainda mexe com a emoção de seus admiradores, em virtude da enigmática Carminha. Escalada para “Segundo Sol”, a atriz lembra que a megera Laureta não será tão distante de seu antigo papel. “Nos braços do João (João Emanuel Carneiro), estou voltando para casa. É a Carminha de volta, mas com outro nome, na pele de outra mulher. Foi uma potência tão grande, que não consegui criar distanciamento dela. Ainda ouço na rua: ‘Oi! É a Carminha?’. Respondo: ‘Sou eu, sim. É preciso ter humor na vida”, disse.

Outro fator importante na novela “O Segundo Sol”, fala Adriana, é a possibilidade de voltar a trabalhar com o marido da vida real, o ator Vladimir Brichta. “Trabalhar com Vladimir é o auge do prazer e em todos os sentidos. Levamos trabalho para casa sim. Conversamos sobre a novela e palpitamos na interpretação do outro”, revela.

Os dois se conheceram trabalhando juntos na novela “Coração de Estudante”, em 2002, e voltaram a atuar na mesma produção em “Justiça”, em 2015, e, explica a atriz: “Há dois anos, a gente fez a série ‘Justiça’ e por causa dos núcleos diferentes, a gente não contracenava”.

Ela relata que, assim como Carminha, a personagem Laureta ganhará um parceiro ao longo da novela, mas ressalta: “Não vou poder entregar quem é o ‘santo’. Vocês vão ter que ver na novela”.

Críticas de “Renascer” causaram depressão

Adriana lembra o início da carreira e das inúmeras dificuldades enfrentadas, em especial às críticas negativas sobre sua atuação em “Renascer”, novela de Benedito Ruy Barbosa, exibida em 1993, que lhe gerou depressão. “Foram os anos mais difíceis da minha vida”, desabafa.

“Eu era muito nova e fazia uma protagonista muito grande e complexa em ‘Renascer’, a novela do Benedito (Ruy Barbosa). Claro que eu não tinha muita maturidade para lidar com o sucesso tão grande de uma protagonista de novela das oito. É o que tudo que isso requer, além do fôlego de trabalho”, disse Adriana.

“Se a gente tivesse só que desempenhar o nosso papel, cumprir a nossa função de ator, se for só isso, é mais fácil. Mas a gente é obrigada a lidar com tanta exposição, porque acaba fazendo parte do nosso trabalho. E temos que nos preparar muito, pessoalmente, para poder estar envolvido com tudo isso. Com o que estão falando de você, com o que não estão, e tudo mais. Você quase tem que passar todo dia por um vestibular: gostaram? Não gostaram?”, declarou a atriz. “Sempre fico com medo quando chega um convite. Mas aí me cerco de conhecimento: vou estudar, ler, pesquisar. Aos poucos, ganho coragem e me jogo de vez”, declara.

Adriana Esteves é quem comanda a família da vida real. Mãe de Vicente e de Felipe, do casamento com o ator Marco Rica, e de Agnes, filha de Vladimir Brichta, de uma relação anterior, a atriz se orgulha de poder administrar a casa. “Tenho paixão por assumir o papel de matriarca, tomar conta do que me compete. Sinto-me responsável”, explica satisfeita.

Para Vladimir Brichta, Adriana é sem dúvida uma grande companheira. “O que me encanta em Adriana, entre outras coisas, é a forma como ela conduz tudo a seu redor. É pelo afeto que ela se relaciona, trabalha, educa, namora, cobra”, elogia o ator.