Um ano depois: novas fotos surpreendentes de índios isolados são lançadas

Um ano depois: novas fotos surpreendentes de índios isolados são lançadas

Survival International publicou fotos em close-up de índios isolados, exatamente um ano após as fotos aéreas tiradas no Brasil terem surpreendido o mundo.

‘As imagens lançadas hoje são do avistamento mais detalhado de índios isolados já registrado em fotos © D. Cortijo/uncontactedtribes.org

Os Mashco-Piro são conhecidos por habitarem o Parque Nacional de Manú, porém, avistá-los nos últimos meses tem sido cada vez mais recorrente.As novas fotografias tiradas no sudeste do território peruano mostram uma família de índios isolados da tribo Mascho-Piro.

Muitos culpam a extração ilegal de madeira dentro e no entorno do parque, e os helicópteros de voos baixos dos projetos de extração de gás e petróleo, por deslocarem os indígenas de suas florestas.

Os Mashco-Piro são uma das cerca de 100 tribos isoladas ao redor do mundo.

Há exatamente um ano, a publicação de fotos de uma comunidade de indígenas isolados em bom estado de saúde no Brasil foi altamente promovida na mídia.

Nicolas ‘Shaco’ Flores foi assassinado por uma
tribo de índios isolados no Perú, após diversas
tentativas de contatá-los.
© D. Cortijo/uncontactedtribes.org

Porém, o perigo de contatar tribos que optaram por se manter isoladas foi reafirmado pela recente morte de um indígena Matsigenka.

Nicolás ‘Shaco’ Flores foi morto por uma flecha de índios isolados próximo ao Parque Nacional de Manú no Perú. Ele vinha deixando comida e presentes para um pequeno grupo de índios Mashco-Piro nos últimos 20 anos.

Glenn Shepard, antropólogo e amigo de Flores, escreveu em seu blog e no websiteAnthropology News, ‘A morte de Shaco é uma tragédia: ele era um homem simpático, corajoso e experiente. Ele acreditava estar ajudando os Mashco-Piro, contudo, com essa tragédia, os mesmos demonstraram a sua vontade de serem deixados em paz’.

Beatriz Huertas, especialista peruana em tribos isoladas, disse à Survival que o caso era ‘incomum, complexo e extremamente delicado’.

‘O contato pode acontecer a qualquer momento’, afirma Huertas, ‘nós temos que implementar medidas preventivas e planos de contingência com as autoridades locais o mais breve o possível para garantir que isso não aconteça mais uma vez.’

No ano passado, a Survival escreveu ao SERNANP, o ministério peruano para áreas protegidas, expressando a sua preocupação em relação a um vídeo mostrando turistas deixando roupas para os índios nas margens dos rios.

A área foi posteriormente fechada para turistas e um aviso de emergência foi enviado aos moradores locais.

O Departamento de Assuntos Indígenas do Perú, INDEPA, planeja criar um posto de guarda para a proteção de tanto os residentes da região quanto os índios isolados.

O diretor da Survival, Stephen Corry, disse hoje: ‘Um ano depois, essas fotos fornecem provas ainda mais esmagadoras sobre a existência de tribos isoladas. Não é mais aceitável por governos, empresas ou antropólogos em negá-la. O primeiro contato é sempre perigoso e frequentemente fatal – tanto para a tribo quanto para aqueles que tentam o contato. A vontade dos indígenas de se manterem não contatados deve ser respeitada. ’

Leia sobre esta historia na página da Survival na internet (em inglês):
http://www.uncontactedtribes.org/news/8055