Últimas tropas dos EUA deixam o Afeganistão, encerrando guerra de 20 anos  

As últimas tropas de soldados deixaram Cabul, encerrando uma guerra que durou 20 anos

 

Os últimos aviões decolaram do aeroporto de Cabul às 15h29, horário de Washington, ou um minuto antes da meia-noite em Cabul. As tropas americanas enfrentaram a difícil tarefa de colocar os últimos civis em aviões, monitorando ameaças do Estado Islâmico K 

 

Da Redação 

Os EUA concluíram sua retirada do Afeganistão, na noite de segunda-feira, encerrando a guerra mais longa da América e fechando um capítulo da história militar que deverá ser lembrado por fracassos colossais, promessas não cumpridas e uma saída final frenética que custou a vida de mais de 180 afegãos e 13 membros do serviço americano, alguns pouco mais velhos do que a guerra.

 

Retirada final dos afegãos – Horas antes do prazo final dado ao presidente Joe Biden para retirar civis do Afeganistão, os aviões da Força Aérea transportaram um contingente restante de tropas do aeroporto de Cabul. Milhares de soldados passaram duas semanas angustiantes protegendo uma ponte aérea arriscada de dezenas de milhares de afegãos, americanos e outros que buscam escapar de um país mais uma vez governado por militantes do Talibã.

O general Frank McKenzie, chefe do Comando Central dos EUA, disse que os últimos aviões decolaram do aeroporto de Cabul às 15h29, horário de Washington, ou um minuto antes da meia-noite em Cabul.

O aeroporto se tornou uma ilha controlada pelos EUA, a última resistência em uma guerra de 20 anos que custou mais de 2.400 vidas americanas. As tropas americanas, nos momentos finais da missão, enfrentaram a difícil tarefa de colocar os últimos civis em aviões e, ao mesmo tempo, retirar a si próprios e alguns de seus equipamentos, mesmo enquanto monitoravam ameaças repetidas, do grupo do Estado Islâmico K.

 

Momento decisivo de voltar para casa – A retirada final cumpriu a promessa de Biden de encerrar o que ele chamou de “guerra para sempre”, que começou em resposta aos ataques de 11 de setembro de 2001, que mataram quase 3.000 pessoas em Nova York, Washington e na zona rural da Pensilvânia.

Sua decisão, anunciada em abril, refletiu o cansaço nacional do conflito no Afeganistão. Agora ele enfrenta condenação em casa e no exterior, não tanto por encerrar a guerra, mas por lidar com uma evacuação final que se desenrolou no caos e levantou dúvidas sobre a credibilidade dos EUA.

Mais de 1.100 soldados de países da coalizão e mais de 100.000 forças e civis afegãos morreram, de acordo com o projeto “Costs of War da Brown University”.

Na opinião de Biden, a guerra poderia ter terminado há dez anos com a morte de Osama bin Laden pelos EUA, cuja rede extremista Al Qaeda planejou e executou a conspiração de 11 de setembro de um santuário no Afeganistão. A Al Qaeda foi amplamente diminuída, impedindo-a, até agora, de atacar novamente os EUA.

 

Plano inicial dos EUA

Último voo de Cabul – O plano inicial era extinguir a Al Qaeda de Bin Laden, que havia usado o Afeganistão como base para seu ataque no 11 de setembro. A ambição maior era lutar uma “Guerra Global contra o Terrorismo” com base na crença de que a força militar poderia de alguma forma derrotar o extremismo islâmico.

O Afeganistão foi apenas o primeiro turno dessa luta. O então presidente George W. Bush escolheu fazer do Iraque o próximo, invadindo em 2003 e ficando atolado em um conflito ainda mais mortal que fez do Afeganistão uma prioridade secundária até que Barack Obama assumiu a Casa Branca em 2009 e no final daquele ano decidiu escalar o Afeganistão.

Quando Donald Trump entrou na Casa Branca em 2017, ele queria se retirar do Afeganistão, mas foi persuadido não apenas a ficar, mas a adicionar vários milhares de soldados americanos e aumentar os ataques ao Talibã. Dois anos depois, seu governo procurava um acordo com o Talibã e, em fevereiro de 2020, os dois lados assinaram um acordo que exigia a retirada total dos EUA até maio de 2021.

Biden avaliou os conselhos de membros de sua equipe de segurança nacional, que defendiam a manutenção dos 2.500 soldados que estavam no Afeganistão quando ele assumiu o cargo, em janeiro. Mas, em meados de abril, ele anunciou sua decisão de se retirar totalmente e, inicialmente, definiu setembro como prazo para a saída.

Entre as promessas não cumpridas: uma parceria duradoura com um governo afegão amigo dos EUA que poderia garantir que o país não se tornasse novamente um terreno fértil para extremistas empenhados em atacar os EUA.