Trump coloca nova barreira para imigrante de baixa de renda

Trump coloca nova barreira para imigrante de baixa de renda

Edição de agosto/2019 – p. 03

Trump coloca nova barreira para imigrante de baixa de renda

Entra em vigor a partir de 15 de outubro deste ano nova medida do presidente Donald Trump – “Public Charge” (ônus público) –, restringindo direitos a imigrantes em processo de legalização – comprometendo até mesmo documentados –, que tenha potencial de vir a depender do Governo Americano, principalmente na questão de moradia e saúde. E se a América é terra de oportunidades, a regra é clara, evidenciado que o país descarta famílias na extrema pobreza, sem metas de prosperidade ou perspectivas. O residente deve “colher frutos”, do próprio esforço.

O governo Trump coloca nova barreira no caminho dos imigrantes de baixa renda na esperança de garantir alternativa eficiente para os EUA. O que Trump quer, aparentemente, é descartar quem lesa o país, aquele que não contribui, e, evidente, o indivíduo que estiver na linha de risco terá a sua permanência comprometida. E se tornar um encargo público “pode ter negada a admissão para os EUA ou status de residente permanente legal”, argumentam autoridades de Imigração.

Ninguém quer – ou irá – arcar com o improdutivo. Que o cidadão ou família avaliem bem suas condições – o que vem sendo feito para alavancar a mola motriz que deslancha o país? Agentes de Imigração serão incisivos no cumprimento da lei e não há como burlar o que já está estabelecido. Mas o que será considerado?

Segundo artigo do advogado de Imigração, Walter G. Santos, “adotará o critério da totalidade das circunstâncias considerando a idade, saúde, status familiar, ativos, recursos, status financeiro, nível educacional e habilidades. Por certo, o intuito é provar que o imigrante não precisará receber benefícios financeiros do Governo”.

O diretor interino da Cidadania e Imigração dos EUA, Ken Cuccinelli, anunciou a divulgação da nova regra, que visa ampliar a definição de quem dependa da assistência governamental. Sob a nova definição, o uso esperado dos benefícios do governo, incluindo habitação, Medicaid e o Programa de Assistência Nutricional Suplementar (SNAP), poderia servir como uma greve contra os imigrantes que esperam obter cartões verdes ou vistos temporários para permanecer no país.

É preciso se precaver dos novos encargos estabelecidos pela Casa Branca, que, segundo Democratas, ataca as comunidades latinas e os imigrantes de baixa renda, prejudicando milhares de famílias híbridas, que estejam indocumentados e tem um filho nascido aqui. Outro argumento usado pelos democratas são os bilhões de dólares que os indocumentados pagam anualmente em taxas, principalmente através do seguro social, dinheiro que ajuda a pagar a aposentadoria dos americanos hoje e no futuro. A nova regra está a um passo de entrar em execução, novamente colocando na guilhotina o pescoço do cidadão de baixa renda.