Tempos sombrios, risco iminente. Polícia vira agente do ICE na Flórida

Tempos sombrios, risco iminente. Polícia vira agente do ICE na Flórida

Edição de maio/2019 – p. 03

Tempos sombrios, risco iminente. Polícia vira agente do ICE na Flórida

Com aval do governador da Flórida, o republicano Ron DeSantis, policiais do estado vêm sendo treinados a exercerem poderes como agente de imigração, com atributos para interceptar situações que revertam em perdas e danos ao imigrante indocumentado. E tanto se falou em perseguições, intolerância e o engessamento do livre arbítrio, que voltamos ao ponto crucial. À estaca zero. A estagnação resgata o medo e fragiliza a autoconfiança daqueles que estão sobre constante vigilância nas ruas, locais públicos, rodovias ou mesmo no aconchego do lar. Não há como protegê-los da truculência da polícia quando interpelados por motivos supostamente justificáveis. Estão de olho, isso é fato!

E após parlamentares da Flórida aprovar lei para “banir cidades santuários” – Pinellas County Sheriff’s Office assinou um acordo de cooperação com o ICE – fomenta-se à caça as bruxas, e, diante de cenário sombrio, não há o que fazer. A segurança pública fica à mercê da polícia forçosamente incumbida de realizar prisões em locais inseguros, conduzindo o detido, por qualquer tipo de crime, ao agente de imigração. E todos nós sabemos – ou supomos – qual será o seu destino.

Fica evidente que o Projeto Lei da Florida House, que obriga polícia e investigadores a cooperarem com as autoridades federais de imigração, barrando as chamadas “cidades santuário” no estado, seja o indício de precaução absoluta. O ICE, inclusive, atesta que não há “cidades santuário” na Flórida, exceto nos estados da Califórnia, Massachusetts, New Jersey, Illinois, Colorado, New México, Oregon e Vermont.

Como pode perceber o nobre leitor, o furacão da intransigência – intimidação premeditada –, ameaça e provocará estragos por aqui. E tapar o sol com a peneira não é solução recomendável na altura dos acontecimentos. Resta, no entanto, evitar o elemento surpresa de alguma forma, respondendo com ações confiáveis na conduta do dia a dia, até mesmo no volante do seu carro. Viajar para outros estados é arriscado para quem esteja em situação irregular. A instituição que defende os direitos civis – American Civil Liberties Union (ACLU) –, alerta para o perigo iminente.

Dicas imprescindíveis

  • Dirigir com cautela, obedecendo às normas de trânsito dos EUA é a melhor pedida;
  • Respeite os limites de velocidade;
  • Respeite a sinalização;
  • Não pare em local proibido. Nem por “um minuto”;
  • Se beber não dirija. As leis aqui são severas com quem é pego dirigindo bêbado. O mesmo vale para drogas de qualquer tipo;
  • Não ande com os stickers de placa e de vistoria vencidos;
  • Nunca dirija um carro sem seguro;
  • Vistorie semanalmente as luzes externas do seu carro;
  • Se você não tem documentos, não coloque nada no seu carro que te possa identificar como um imigrante (adesivos e bandeiras);
  • Use o cinto de segurança. Não manuseie o seu telefone enquanto estiver parado no trânsito,
  • Memorize o nome e telefone de seu advogado.