Surto de gafanhotos avança em 15 Estados com devastação de lavouras nos EUA

Surto de gafanhotos já afeta cerca de 15 Estados, levando prejuízo aos agricultores

 

Entre os Estados mais afetados estão Montana, Wyoming e Oregon, onde o departamento estadual de Agricultura vem recebendo relatos de grandes populações de gafanhotos em diversas áreas

 

Da Redação

Será o excesso de calor? O que intriga as autoridades é o surto de gafanhotos que já afeta pelo menos 15 Estados americanos, e vem provocando devastação em lavouras e pastagens, competindo por comida com o gado e deixando um rastro de milhões de dólares em prejuízos. Segundo o “Serviço de Inspeção Sanitária Animal e Vegetal (APHIS)”, esses insetos são nativos da região e sua população costuma ser controlada. Entretanto, cientistas alegam que houve uma explosão neste ano, agravada pela seca e ondas de calor históricas.

O “APHIS” – agência ligada ao Departamento de Agricultura dos EUA responsável pelo controle de doenças e pragas, já tratou mais de 325 mil hectares com inseticidas, em uma campanha de supressão da população de gafanhotos e dos chamados grilos Mórmons (Anabrus simplex), que também são comuns na região e vêm causando danos semelhantes neste ano.

Informa o diretor de política nacional da “APHIS”, Bill Wesela, esse tratamento vai proteger mais de 650 mil hectares, mas ainda há várias outras ações programadas em diversos Estados, à medida que mais agricultores e pecuaristas pedem ajuda à agência para controlar o problema.

Wesela lembra que a última grande campanha de supressão de gafanhotos na região foi em 2010, quando o surto de gafanhotos foi a maior dos últimos 35 anos. Na época, mais de 400 mil hectares foram tratados, o suficiente para proteger 800 mil hectares. A total magnitude do problema neste ano só ficará clara dentro de alguns meses.

Bill Wesela ressalta que ainda é cedo para estimar os custos totais da campanha e os prejuízos provocados pelo problema neste ano. Mas os danos já são visíveis, especialmente em pastagens e lavouras irrigadas.

No caso da pecuária, Bill disse que a redução do volume de pastagem para alimentar o gado obriga os produtores a gastar na compra de alimentação suplementar ou até mesmo vender seus rebanhos a preços reduzidos.

Os insetos também podem devastar plantações de alfafa, milho, trigo e cevada e reduzir o habitat e as fontes de alimentação para os animais selvagens da região. Além disso, provocam danos à fruticultura e à apicultura.

“Gafanhotos e grilos Mórmons são componentes naturais do ecossistema (nesta região dos EUA), mas quando suas populações atingem níveis de surto eles causam graves perdas econômicas aos recursos agrícolas, particularmente em condições (climáticas) quentes e secas”, observa Wesela.

Entre os Estados mais afetados estão Montana, Wyoming e Oregon, onde o departamento estadual de Agricultura vem recebendo relatos de grandes populações de gafanhotos em diversas áreas.

“Precisamos estar preparados para a possibilidade de que todos os anos tenhamos uma situação semelhante, com populações (de gafanhotos) maiores, por causa das mudanças climáticas e da seca associada (a essas mudanças) nesses Estados”, afirma Wesela.