Shutdown, as consequências do impasse para os EUA

Shutdown, as consequências do impasse para os EUA

Edição de janeiro/2019 – p. 03

Shutdown, as consequências do impasse para os EUA

O impasse entre o presidente Donald Trump e o Congresso americano provocou a paralisação parcial dos EUA – o “shutdown” –, afetando 800 mil trabalhadores federais, sem salários, refletindo nos serviços de Segurança Nacional, Justiça e Transporte. As atividades fiscais e contábeis também foram atingidas. E na queda de braço, o pivô é a não liberação de US$ 5,7 bilhões para construção do muro na fronteira com o México, colocando a população no olho do furacão.

O cenário inábil traz impacto em setores da Economia, mas democratas – e parte dos republicanos – fazem a linha dura no Congresso por discordarem do muro, considerado um projeto caro, ineficaz e que não resolve problemas de fundo da imigração. Trump, por sua vez, cruza os braços e exige imediatismo na liberação da verba, caso contrário, ameaça buscar recursos em outros setores do governo federal.

O presidente fala em manter a paralisação durante “meses ou anos” se a sua proposta de construção do muro não avançar, e continua insistindo que é essencial para a segurança dos EUA, para proteger o país dos terroristas e criminosos.

Cerca de 75% dos departamentos federais têm orçamentos aprovados por vários meses e não serão afetados. Entretanto, alguns setores importantes sofrerão os efeitos do fechamento, incluindo os de Segurança Nacional, Justiça, Comércio, Transporte, Habitação, Tesouraria, e até mesmo o do Interior, que administra os parques nacionais, muito visitados durante o período de comemorações, como no caso do Grand Canyon.

E quem “paga o pato?” Quanto mais tempo durar o “shutdown”, evidente que maiores serão os danos colaterais para a economia americana. Até o presente momento – no encerramento desta edição – a paralisação já custou bilhões aos EUA, mediante cenário de incerteza. Além disso, há empresas que desenvolvem negócios com os departamentos e agências do governo americano, que não estão sendo pagas.

Os imigrantes já sentem os efeitos da estagnação americana, com a paralisação nas cortes imigratórias e no IRS. O “apagão” traz consequências drásticas, portanto, é preciso estar atento, e que vença o bom senso em meio à “guerra” política sem precedentes!