Ser honesto é sexy

Ser honesto é sexy

Edição de junho/2019 – p. 32

Ser honesto é sexy

Com a autorização da minha cliente, conto esta história que me emocionou. Preocupada, ela veio me dizer que descobriu que o marido tinha encomendado duas minissaias e um vibrador na Amazon e ela não sabia o que fazer: confrontá-lo, como fazer isso e quando. Ela resolveu esperar algumas semanas para saber se o presente era para ela (mas nada). Quando verificou a conta dele na Amazon, não encontrou essa compras, mas sim algumas meias sexys e calcinhas (ele apagou os outros artigos e esqueceu-se dos últimos). Neste momento, ela resolveu conversar com o marido. A princípio, ele negou; mas, depois, confessou que tinha um fetiche por roupas íntimas de mulher.

Embora surpresa, ela não ficou chocada, porém muito chateada por ter descoberto esse segredo depois de algumas mentiras. Ambos acabaram por admitir, mais tarde, que a vida íntima deles melhorou muito e que se sentem mais unidos e abertos na comunicação deles. Engraçado como, na maioria dos casos que testemunho, a honestidade total é sexy!

A propósito, sabem a origem da palavra fetiche? “A palavra inglesa fetish vem do português ‘feitiço’. Os antigos viajantes portugueses, quando chegaram à costa da África e a Guiné, descobriram que os nativos usavam amuletos que eles acreditavam ter poderes mágicos e que eram objetos de devoção. A palavra, em inglês, virou fetish. Depois voltou para a língua portuguesa como ‘fetiche’, quando a psicologia moderna a adotou para denominar um interesse sexual por objetos específicos ou partes do corpo, sem ser os órgãos sexuais, que dão gratificação sexual – por exemplo, o pé ou roupas ou um produto de beleza feminino, como batom ou pintar a cara”. https://www.teclasap.com.br/fetish/

Neste pequeno artigo, a minha intenção é promover a importância da honestidade, a comunicação sensível e aberta entre todos, especialmente com aqueles que amamos mais. Não esconda nunca quem você é. Se você não é aceito como é, o problema não é seu, mas sim de quem é limitado e julga. Fale e partilhe sua verdade com pessoas abertas e que possam ajudá-lo. Nunca desista de expressar seu íntimo e desejos. Lembre-se de que nosso cérebro está sempre em transformação mesmo quando já somos adultos. Assim, todos podem crescer e melhorar, especialmente nas relações mais difíceis e fechadas.

Segundo a autora Anais Nin, “Chegou um dia em que era mais difícil ficar um botão fechado que correr o risco de abri-lo e florir”. Já meu querido professor Albert Pesso ensinou-me que a vida é um processo de transformação.

Para qualquer pergunta ou comentário, contate-me: http://www.ortigao.com