Sem fugir da raia

Sem fugir da raia

Aos 19 anos, o nadador Luiz Altamir é uma das jovens promessas brasileiras para as Olimpíadas do Rio de Janeiro

por Luiz Humberto Monteiro Pereira

jogoscariocas@gmail.com

Luiz Altamir - Fotos: Flavio Perez/OnboardsportsEm 2015, o presente de Natal de Luiz Altamir chegou antecipado, no dia 19 de dezembro. Foi durante a realização do Brasil Open, na cidade catarinense de Palhoça, quando completou os 400 metros nado livre em 3m50s32. Levou a medalha de ouro e ainda obteve o cobiçado índice olímpico para a prova. “Quando cheguei, tive receio de olhar para o placar, onde a gente vê o tempo. Aí eu vi a arquibancada toda gritando muito e pensei “Eu consegui! Eu consegui””, relembra o jovem nadador que nasceu em Roraima, cresceu e foi revelado para a natação no Ceará mas, desde os 15 anos, vive no Rio de Janeiro, onde é atleta do Flamengo. Agora, Luiz Altamir só não irá às Olimpíadas do Rio de Janeiro se seu tempo for superado por outros dois nadadores – e ele mesmo não conseguir baixá-lo. Além disso, no Troféu Maria Lenk, que será realizado em abril no Rio de Janeiro e definirá a equipe de natação brasileira para as Olimpíadas de 2016, ainda tentará atingir o índice olímpico também nos 200 metros livre e nos 200 metros borboleta. “Desde pequeno eu penso em representar o Brasil nas Olimpíadas. Ter conseguido esse índice foi fantástico. Agora, é continuar fazendo um bom trabalho”, acredita

Para chegar bem preparado aos Jogos Rio 2016, Luiz Altamir passou três semanas em fevereiro treinando em Flagstaff, aos pés do Pico Humphrey, montanha mais alta do Arizona, nos Estados Unidos. Ao lado de companheiros da seleção brasileira, sentiu os efeitos de um treinamento em altitude. “Treinar acima do nível do mar ajuda a potencializar o rendimento dos treinos, mas também é um verdadeiro teste de resistência”, explica. Atualmente Luiz Altamir se dedica integralmente à natação e é patrocinado pelos Correios. Além de fazer parte do Programa de Atletas de Alto Rendimento do Exército Brasileiro – onde é soldado –, o nadador ainda recebe a Bolsa Atleta, do Ministério dos Esportes.

Jogos Cariocas – Como se aproximou da natação? Quando percebeu que poderia ser uma atleta de excelência?

Luiz Altamir – Meus pais são nadadores. Me aproximei da natação a partir do momento que minha mãe me colocou na água, com apenas um mês de idade. Foi ela que me ensinou, agradeço a ela por isso. Percebi que queria mesmo ser um nadador profissional em 2011, quando fui campeão no Torneio Norte-Nordeste. A partir daí, eu sempre queria mais…

Jogos Cariocas – Quais são seus pontos fortes na natação? E o que precisa aprimorar até as Olimpíadas?

Luiz Altamir – Minha concentração, minha vontade de querer treinar e melhorar. Posso aperfeiçoar muitas coisas ainda, eu tento sempre evoluir mais.

Jogos Cariocas – Como a natação influiu na sua personalidade?

Luiz Altamir – A natação sempre me trouxe tranquilidade. Às vezes, quando eu estou um pouco mais cansado ou irritado, é só dar um mergulho e começar a nadar que tudo passa… Eu gosto de tudo que envolve a natação! Amo treinar, sentir a dor, ganhar e perder.  Procuro sempre dar o meu melhor, pois o seu maior adversário é você mesmo.

Jogos Cariocas – Como é a sua rotina de treinos?

Luiz Altamir – Atualmente treino na piscina do Parque Aquático Maria Lenk, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, até a piscina do Flamengo, que está em reforma, ficar pronta. Minha rotina consiste em acordar cedo, tomar café, treinar, sessão de massagem para recuperação, almoço, mais treino, jantar e cama.

Jogos Cariocas – Quais os seus títulos mais importantes?

Luiz Altamir – Em 2013, fui premiado no Troféu José Finkel como melhor atleta júnior da temporada. Em 2014, conquistei a medalha de prata no revezamento 4x100m livre misto nos Jogos Olímpicos da Juventude em Nanquim, na China. Em 2015, fui campeão com o revezamento 4x200m livre nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, quebrando o recorde da competição. No mesmo ano também levei um ouro e uma prata no Brasileiro Junior. E, em dezembro de 2015, no Brasil Open de Palhoça, alcancei o índice para disputar as Olimpíadas de 2016 nos 400 m livre.

Jogos Cariocas – O que espera encontrar nos Jogos Rio 2016?

Luiz Altamir – Eu sempre sonhei com esse momento de representar o Brasil nas Olimpíadas do Rio de Janeiro. Acredito que será repleto de coisas boas. Certamente será muito positivo competir em casa e com a torcida brasileira te apoiando. Para mim, não tem coisa melhor.

Curta a página de “Jogos Cariocas” no Facebook em www.facebook.com/jogoscariocas

jogos cariocas