Reunião virtual entre Biden e Xi Jinping discute acordos entre os países

Reunião virtual entre os presidentes Joe Biden e Xi Jinping abre discussões relevantes

 

O encontro virtual entre os presidentes Joe Biden e Xi Jinping nesta segunda-feira é esperado com grande expectativa. Espera-se que seja a reunião a mais extensa dos líderes onde se discutam maneiras de evitar conflitos entre os países. Um propósito administrado entre Washington e Pequim pelo equilíbrio entre as duas maiores economias do mundo

 

Da Redação

Acontece nesta segunda-feira – 15 –, o encontro virtual entre o presidente Joe Biden com o presidente chinês Xi Jinping, segundo confirmou a Casa Branca, quando serão discutidos, entre outros assuntos, maneiras de evitar conflitos entre os países – as duas maiores economias do mundo. Acredita-se que será uma reunião mais extensa, incluindo a origem da pandemia, a expansão do arsenal nuclear chinês, portanto, os líderes discutirão maneiras de administrar a competição com responsabilidade, bem como maneiras de trabalhar juntos onde os interesses se alinham.

Um propósito que Washington e Pequim têm discutido, segundo a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, em um comunicado à imprensa. “O presidente Biden deixará claras as intenções e prioridades dos EUA e será claro e franco sobre nossas preocupações.”

Pequim também quer evitar confrontos, já que Xi enfrenta um ano crucial com a realização dos “Jogos Olímpicos de Inverno” pela China e um importante Congresso do Partido Comunista. O Ministério das Relações Exteriores da China disse no sábado que os líderes trocariam opiniões sobre as relações bilaterais e questões de interesses comuns na cúpula, que acontecerá na manhã desta terça-feira na Ásia.

Joe Biden deixaria claro que aprecia a competição acirrada com a China, mas não quer conflito, e minimizou a probabilidade de uma longa lista de resultados muitas vezes vinculados a reuniões de alto escalão.

A reunião acontecerá depois que Biden assinar um acordo bipartidário de infraestrutura de US$ 1 trilhão em uma grande cerimônia nesta segunda-feira para celebrar os planos de renovação doméstica que ele acredita que posicionarão os EUA para superar a China.

As autoridades americanas minimizaram a possibilidade de progresso no comércio, onde a China está atrasada em um compromisso de comprar US $ 200 bilhões a mais em bens e serviços dos EUA.

A China, no entanto, continuou a pressionar por alívio de centenas de bilhões de dólares em tarifas impostas pelo ex-presidente Donald Trump, argumentando que isso poderia ajudar ambos os lados ao aliviar a inflação e aumentar o emprego.