Relato dos EUA sobre guerra química na Síria não convence, diz Rússia

Relato dos EUA sobre guerra química na Síria não convence, diz Rússia

siria_topicoArmas químicas mataram ao menos 100 rebeldes sírios, diz Casa Branca.
Para Moscou, aumentar ajuda aos rebeldes complica esforços de paz.

As acusações dos Estados Unidos sobre o uso de armas químicas por parte do regime do contestado presidente Bashar al-Assad na Síria não são convincentes, declarou nesta sexta-feira (14)  o assessor diplomático do Kremlin, Yuri Ushakov.

“Diremos claramente: o que os americanos apresentaram não nos parece convincente”, disse, acrescentando que a decisão americana de aumentar a ajuda aos rebeldes complicará os esforços de paz.

Ushakov acrescentou que Moscou “ainda não” considera o envio de sistemas antiaéreos avançados com mísseis S-300 a Assad em resposta.

Uma autoridade dos EUA disse na quinta-feira que o presidente Barack Obama havia autorizado o envio de armas dos EUA a rebeldes sírios pela primeira vez, após a Casa Branca afirmar que tinha provas do uso pelo governo sírio de armas químicas contra as forças de oposição, provocando entre 100 e 150 mortes.

Autoridades norte-americanas informaram a Rússia sobre as informações que tinham, disse Ushakov em uma entrevista antes da viagem de Putin à Irlanda do Norte para a cúpula do G8. “Mas eu vou dizer francamente que o que foi apresentado a nós pelos norte-americanos não parece convincente.”

“Seria difícil até mesmo chamar de fatos”, disse Ushakov, falando em entrevista antes da cúpula em que Putin se reunirá com Obama e outros líderes ocidentais.

“Se os americanos… levarem adiante mais ajuda em larga escala aos rebeldes e à oposição, não vão facilitar a organização da conferência internacional”, disse ele.

Mas ele disse que a Rússia não está “competindo” com os Estados Unidos sobre a Síria. Perguntado se Moscou enviaria a Assad os sistemas de mísseis S-300 que Israel e o Ocidente pediram que não fossem entregues, ele disse: “Nós não estamos falando sobre isso ainda.”

A Rússia e os Estados Unidos estão tentando reunir o governo e os rebeldes da Síria para negociações, mas não conseguiram um compromisso de ambos os lados para participar.

Fonte: g1.globo.com (Da AFP)

Foto: Divulgação