Reabertura de escolas em Orlando mobiliza opinião de autoridades de ensino, pais e professores

Maria Daher, coordenadora Pedagógica, fala de opções de segurança na volta às aulas

 

Com a decisão do governador da Flórida, Ron DeSantis, de reabrir as escolas em agosto, pais e professores discutem a medida em meio ao aumento de casos de Covid-19. A coordenadora Pedagógica da escola “Southwest  Middle School”, em Orlando, Maria Emília Daher, aponta tópicos importantes e fala do board meeting com o plano final

 

Da Redação

A coordenadora Pedagógica da escola “Southwest  Middle School”, em Orlando , responsável pelos alunos que têm inglês como segundo idioma,  Maria Emília Daher, explica a ordem executiva divulgada pelo “Departamento de Educação da Flórida”, nesta ultima terça-feira – 7 de junho–, determinando que todas as escolas – públicas e privadas – reabram em agosto. Ela salienta a importância das agências locais (condados) analisarem os riscos e determinarem a formato educacional adequado para o retorno (presencial, virtual, híbrido). O aumento de casos de Covid-19 nos últimos dias, na Flórida, deixa a população em alerta. Professores e pais de alunos mostram-se apreensivos em relação ao retorno das aulas em agosto.

A opção do retorno escolar, no formato presencial, poderá colocar em risco a segurança das crianças e profissionais das escolas. A “Southwest Middle School” tem aproximadamente 1.400 alunos, entre 11 e 13 anos de idade, e educadores com idades entre 25 e 60 anos. “É importante analisar as diferentes opções de como retornar as aulas. Que é exatamente o que nosso condado, ‘Orange County’, está fazendo neste momento. No geral, toda a população da Flórida está preocupada com o aumento de casos da doença nos últimos dias. E, com certeza a opção do formato presencial gera maior apreensão. Pois será um desafio com o nosso número de alunos e faixa etária manter a distância social, depois de um longo período da quarentena quando os estudantes estão ansiosos para reverem os amigos. Sabemos que quando tivermos uma vacina eficaz ficaremos mais tranquilos, portanto, é  importante que se analise com cuidado essa questão e se mantenha informado sobre a decisão e orientação do condado”, alerta Maria Daher.

“Agora, a ordem executiva de que as escolas voltem à ativa em agosto é uma medida necessária para a continuidade do desenvolvimento acadêmico (social e emocional) de nossos estudantes. Cabe ao condado analisar toda a situação e construir um plano de ação seguro para o retorno as aulas. A preocupação existe, é real, e o condado esta trabalhando com toda seriedade para apresentar seu modelo de retorno as aulas”.

Segundo a educadora, terça-feira aconteceu o board meeting – uma reunião com autoridades de ensino de Orange County –, onde as autoridades analisaram os riscos e cuidados na volta às aulas. “Nesta reunião, o público pôde assistir, mas não opinou. As pessoas puderam comparecer, mas apenas para assistir”, reforça.

Nessa reunião, adianta Maria Daher, “foram avaliadas e discutidas a  coletânea de informações que o condado reuniu – apresentação sobre os casos de Covid-19 nas últimas semanas feita pelo Departamento de saúde do condado; os  resultados das pesquisas feitas com pais e professores, e-mails enviados pelos professores para citar algumas delas. Na próxima terça-feira – dia 14 de julho –, Orange County vai apresentar seu modelo de retorno às aulas. Como as aulas voltam, e quais as condições para esse retorno. Vamos então ficar sabendo os detalhes da volta às aulas, no dia quatorze, quando será apresentado o plano final”, complementa.

Indagada sobre a posição de pais de alunos sobre o retorno às aulas em meio a um cenário de preocupação com o coronavírus, a educadora disse que foi feita uma pesquisa anteriormente. “Todos os pais tiveram  a oportunidade de expressar sua opinião através de pesquisa com perguntas sobre a volta às aulas ou enviando emails . A pesquisa foi feita entre pais de alunos e professore para que se tenha um consenso determinante, o que pensam e quais os critérios de segurança necessários nas escolas quando as crianças voltarem às salas de aulas”.

Na opinião da coordenadora Pedagógica, quando consultada, “as aulas devem voltar com segurança para os alunos e professores, oferecendo alternativas eficazes no controle do distanciamento social, averiguando os procedimentos de segurança durante o período de aulas. Lidamos com muitas crianças, que passam o dia na escola – das 9h30 às 16h –, e é essencial que tenhamos todo aparato de segurança. Existem outras correntes de opiniões sobre o tema volta às aulas e torço para que o ‘OCPS’ e o ‘board’  consigam agregar em suas avaliações elementos que oferecam   um plano eficiente e seguro para todos.

O comissário de educação da Flórida, Richard Corcoran, emitiu uma ordem de emergência na segunda-feira, exigindo que todas as escolas reabram no outono e definindo os requisitos que os distritos devem atender para oferecer qualquer tipo de instrução remota não tradicional, além da opção presencial.