Primeiro caso da variante Ômicron é confirmado nos EUA, diz CDC

Caso foi confirmado na Califórnia, segundo CDC, de um homem que esteve na África do Sul

O “Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC)” divulgou o primeiro caso de Covid-19 ligado à variante Ômicron nos EUA – homem que chegou da África do Sul e está em isolamento na Califórnia. A mutação do vírus, identificado na África, já está em pelo menos 29 países, inclusive no Brasil

Da Redação

Para alerta das autoridades de saúde, nesta quarta-feira foi registrado o primeiro caso de Covid-19 ligado à variante Ômicron nos EUA, divulgou o “Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC)”, o que deixa o país em estado de atenção. A mutação do vírus, identificado na África do Sul, já está em pelo menos 29 países, inclusive no Brasil – um casal de missionários de São Paulo que reside na África, foi diagnosticado com a nova variante.

O primeiro paciente detectado com a nova variante está na Califórnia, é um homem que retornou ao país no dia 22 de novembro, após permanecer na África do Sul. Segundo o CDC, ele está em isolamento. 

Em entrevista coletiva, Anthony Fauci, conselheiro da força-tarefa da Casa Branca no combate ao coronavírus, disse que o primeiro infectado recebeu duas doses da vacina e apresenta sintomas leves.

Nenhuma das atuais vacinas contra a Covid-19 evita 100% a infecção e a transmissão. No entanto, as chances de o vacinado se infectar e transmitir são menores – e de desenvolver uma doença grave são menores ainda.

A variante Ômicron – também chamada B.1.1529 – foi reportada à Organização Mundial da Saúde (OMS) em 24 de novembro de 2021 pela África do Sul. E de acordo com OMS, a variante apresenta um “grande número de mutações”, algumas preocupantes.

Na Holanda, autoridades sanitárias disseram que a variante já estava presente na Europa uma semana antes do que se acreditava, em 9 de novembro. O primeiro caso até então havia sido identificado em 26 de novembro, na Bélgica. 

Segundo funcionário da OMS, as informações preliminares sugerem que os casos da variante estão ligados a sintomas leves da Covid-19. A declaração foi feita em entrevista à agência Reuters, de forma não oficial, e ele não foi identificado.

O relato deste funcionário acompanha a informação dada, durante o fim de semana, pela médica sul-africana Angelique Coetzee, que fez o primeiro alerta sobre a variante. Ela disse que notou um aumento de pessoas jovens e saudáveis com sinais de fadiga em seu consultório.

Casal no Brasil

Um casal de São Paulo que testou positivo para a variante Ômicron, foi vacinado contra a Covid-19. Eles, que residem na África do Sul e estavam visitando a família em São Paulo, receberam, ainda na África do Sul a vacina de dose única da Janssen. Ambos estão em isolamento em casa.

As informações foram confirmadas pelo secretário de saúde da capital paulista Edson Aparecido, e reiteradas pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de São Paulo.