Polêmicas da 23ª rodada: Arnaldo tira dúvidas sobre pênalti e impedimentos

Polêmicas da 23ª rodada: Arnaldo tira dúvidas sobre pênalti e impedimentos

Comentarista de arbitragem analisa lances de quatro partidas do Brasileirão

BEM,AMIGOS61A 23ª rodada do Campeonato Brasileiro, realizada no último fim de semana, foi repleta de polêmicas. Um prato cheio para Arnaldo Cezar Coelho. Em companhia do narrador e apresentador Luiz Roberto, o comentarista de arbitragem analisou impedimentos, pênaltis e gols duvidosos durante o programa “Bem, Amigos” desta segunda-feira, do canal PFC Internacional. Confira os lances polêmicos:

 

Botafogo 1 x 2 Bahia – Gol em posição irregular

O duelo no Maracanã estava empatado até os 40 minutos do segundo tempo. Wallyson cobrou falta. Obina, de cabeça, não desperdiçou a oportunidade para dar a vitória ao Bahia no Maracanã. No entanto, o jogador do Tricolor estava em posição irregular. Para Arnaldo, o árbitro Leandro Vuaden errou ao prestar atenção à cobrança em vez de olhar para os jogadores que estavam impedidos.

– O árbitro tem obrigação de corrigir o erro do bandeira. Ele tem a palavra final, tem de prestar atenção em quem está em impedimento e usar a visão periférica para a cobrança. Ele não fez isso, não corrigiu o erro do bandeira e deu o gol do Obina. Ele é do quadro da Fifa – disse o comentarista.

 

Vitória 0 x 0 Grêmio – Gol mal anulado

Aos 36 minutos do primeiro tempo, Kleber entrou em condição legal pela direita e cruzou para Alex Telles fazer o gol para o Grêmio contra o Vitória. No entanto, o auxiliar marcou impedimento e o árbitro Sandro Meira Ricci anulou a jogada. Para Arnaldo, o erro do bandeirinha foi grave.

– Foi absurda essa anulação, e a culpa não é do árbitro, é do bandeirinha neste caso. O árbitro está prestando atenção em uma disputa polêmica. O bandeirinha tinha a linha da área para ajudar. Ele demora e dá o impedimento atrasado, que não existia. Não tenho dúvidas de que o gol foi legal. É falta de atenção – disse o comentarista.

 

Corinthians 0 x 0 Cruzeiro – Pênalti de Gil em Borges?

O atacante Borges, do Cruzeiro, saiu de campo e recebeu um pisão do zagueiro Gil bem próximo à linha de fundo, na grande área do Corinthians. A Raposa pediu pênalti, mas o árbitro Felipe Gomes da Silva mandou o jogo seguir e sequer deu falta. Arnaldo Cezar Coelho concordou que não houve penalidade, mas reprovou a atitude do juiz em não anotar falta e dar bola ao chão.

– A bola está em jogo. Se o Borges for atingido fora de campo, apesar de o Gil estar dentro, o árbitro paralisa e dá bola ao chão. Não é pênalti. Se estiver em cima da linha é pênalti. Para mim, o árbitro ficou na dúvida e se omitiu – disse o comentarista de arbitragem.

– Absolvo o árbitro pelo ângulo dele. Não tinha como ver. Ele poderia ter feito duas coisas, menos seguir o jogo: ou ele dá pênalti ou bola ao chão. Ele errou porque viu a agressão – disse o comentarista Wagner Vilaron.

 

Náutico 0 x 0 Flamengo – Bola cruzou a linha?

O goleiro Gideão, do Náutico, teve muito trabalho para conter as ofensivas do Flamengo. Em duas ocasiões, teve de tirar a bola no limite da linha. Apesar de alguns jogadores rubro-negros pedirem o gol, Arnaldo Cezar Coelho demonstrou que a bola não passou inteiramente da linha. Por isso, o árbitro Wilson Luiz Seneme acertou ao não anotar os tentos.

– O Gideão gosta de complicar. Ele defende e vai para dentro do gol, é para complicar o vigia (risos). As duas bolas não entraram, porque tem de ultrapassar totalmente a linha, a regra é clara.