Pé na Cova

Pé na Cova

Ruço (Miguel Falabella) e Darlene (Marília Pêra) - Foto: Globo/ Estevam Avellar
Ruço (Miguel Falabella) e Darlene (Marília Pêra) – Foto: Globo/ Estevam Avellar

Não há dor nem problema no mundo que não possa ser amenizado com uma boa dose de humor e imaginação.  Em sua quarta temporada, ‘Pé na Cova’ traz as  transformações e situações ainda mais inusitadas da turma mais cativante e excêntrica que o bairro do Irajá produziu.  O seriado de Miguel Falabella com direção-geral de Cininha de Paula, traz à tela não só o universo idílico e lírico do subúrbio carioca, palco de esquisitices e diversidade, mas também da tolerância de quem não leva tão à sério a vida (e a morte!). “De forma fantasiosa e poética, ‘Pé na Cova’ é a comédia da tolerância. Mostra que, no fundo, ninguém gosta de ter preconceitos”, afirma Miguel Falabella.

Após Clécio (Magno Bandarz) e Abigail (Lorena Comparato) falirem a funerária Santa Abigail, Ruço (Miguel Falabella), com pena do casal, resolve abrigar a ex-mulher e o “ex-filho” trambiqueiro em casa. Só que a boa ação não agrada a família, que acredita estar dormindo com o inimigo.

Alessanderson (Daniel Torres), filho mais novo de Ruço e Darlene (Marília Pêra), então deputado, continua com ambições a um bom cargo político e decide se casar com Luiziane (Laura Keller) para ganhar a confiança do eleitorado. Mesmo promovendo uma grande festa, com direito a muitas fotos e até mesmo uma lua de mel forjada, a tentativa de formar uma família modelo pode ser mais difícil do que ele imagina.

A globalização chegou com tudo no Irajá. A concorrência da F.U.I (Funerária Unidos do Irajá) passa a ser internacional e quase desleal. Um grupo de chineses aproveita o embargo na justiça para o funcionamento da Santa Abigail e promove uma invasão ao Irajá. Como uma estratégia de guerrilha, eles se apropriam da loja e abrem uma pastelaria/ funerária no bairro, caindo nas graças da vizinhança.

Desesperado, o patriarca da família Pereira tem a brilhante ideia de driblar a concorrência com a criação de enterros customizados. “O sucesso da série vem de uma realidade brasileira. Ele fala dessa luta que o brasileiro tem por um pequeno espaço, qualquer que seja ele. De fazer o seu trabalho honesto, de ganhar dinheiro”, reforça a diretora geral Cininha.

Ruço precisa mesmo ganhar dinheiro. Afinal, Odete Roitman (Luma Costa) se aposenta da profissão de stripper para se dedicar aos filhos, Sermancino (Gabriel Lima) e Heleninha, e ao marido Tamanco (Mart’nália). Odete se cansa da exibição na internet e, para o seu lugar, a loira convoca Abigail (Lorena Comparato), que surpreende no pole dance e faz crescer os lucros do site “odeteroitman.com”.

As confusões não param por aí, e a clínica do Dr. Zóltan (Diogo Vilela) ganha ainda mais protagonismo na série. Agora, além das transformações estéticas, Zóltan, quena verdade não é médico e sim veterinário, realiza mudanças estruturais e psicológicas em seus pacientes.  Através das suas teorias genéticas, ele acha que pode acabar com os problemas de qualquer um.

‘Pé na Cova’ é escrito por Miguel Falabella, tem direção geral de Cininha de Paula e direção de Cris D’Amato e Hsu Chien.

Figurino e Caracterização

Na quarta temporada de ‘Pé na Cova’, as mudanças comportamentais dos personagens serviram como elemento-base para as equipes de caracterização e figurino, mas sem deixar de lado a simplicidade e a alegria do subúrbio, presentes desde o início do seriado. Para marcar a transição de Odete Roitman (Luma Costa), de stripper para empresária da internet, a figurinista Sonia Soares apostou no uso de novas peças para a personagem. “Ela fica mais séria, as saias alongam e ela passa a se cobrir um pouco mais. Mas tivemos o cuidado de manter a sensualidade da Odete, que é um traço forte da personalidade dela. Por isso, apesar dos terninhos e dos vestidos mais compridos, ela continua usando roupas justas”, explica. “Os tons das peças continuam escuros, com o cinza, o marinho, o preto, o vinho e o off white que ela sempre usou”, completa ainda a figurinista. Já na maquiagem, as cores variaram. “Odete troca o visual carregado, com batons e sombras berrantes, por tons mais elegantes”, conta o caracterizador Luiz Ferreira.

Fazendo o caminho inverso, a personagem Abigail (Lorena Comparato) precisou de uma mudança no guarda-roupa para ocupar o lugar de Odete Roitman no pole dance. A maquiagem da nova stripper do Irajá passou a ser mais pesada, colorida e exuberante, assim como os seus cabelos, que ganharam comprimento. O figurino também precisou se renovar. “A Abigail segue o estilo anterior da Odete, mas tentamos manter uma distância. Ela abandona os shorts e passa a usar mais lingerie, mas copia a nova chefe como alguém com menos condição financeira”, explica Sonia.

Apesar de jamais abandonar as camisetas, shorts e chinelos, Ruço (Miguel Falabella) também aparece de forma diferente logo no primeiro episódio do seriado. Para o casamento do filho, Alessanderson (Daniel Torres), o líder da família Pereira tira o terno do armário e mostra uma versão mais elegante do personagem. “O Ruço tem esse único terno no guarda-roupa e vai ao casamento assim. Além disso, ele tem algumas camisas de manga curta, que usa com a calça do terno quando precisa estar mais arrumado. É interessante vê-lo de outra forma”, comenta a figurinista. A festa também revela versões ainda mais engraçadas da turma do Irajá. Se no dia a dia, Luz Divina (Eliana Rocha) já aparece com um visual excêntrico e engraçado, no evento isso se potencializa. Com uma maquiagem bem colorida, a personagem também capricha no look, com rendas, plumas e cor exuberante.

Outra novidade da temporada fica por conta dos chineses, que “invadem” o bairro. Para compor o look do grupo, a equipe de figurino partiu de uma pesquisa detalhada. “Fomos buscar o que a máfia chinesa usa. A partir disso, montamos os figurinos de todos de maneira semelhante: ternos escuros, camisas claras, gravata escuras e os óculos escuros, que eles também usam às vezes”, finaliza Sonia.

Cenografia e produção de arte

As principais novidades ficam por conta dos eventos que movimentam a trama, como o grande casamento de Alessanderson (Daniel Torres) e Luiziane (Laura Keller), no primeiro episódio. As equipes de cenografia e produção de arte trabalharam em conjunto para criar uma festa crível e visual. “Montamos um casamento bacana, com arranjos de flores, velas, vidros, bolo, bem-casados, docinhos, enfim, tudo que um bom casamento exige. Gravamos as cenas em estúdio e tivemos o cuidado de fazer tudo muito real. As louças usadas, por exemplo, foram verdadeiras”, explica a produtora de arte Marcia Rossi.

A antiga funerária de Abigail (Lorena Comparato) e Clécio (Magno Bandarz) também vira uma curiosidade à parte durante o seriado. “Nesta temporada, com a Santa Abigail falida, uma família de chineses se apropria do espaço e coloca uma funerária e uma pastelaria chinesa sob o mesmo teto. O cenário final é engraçadíssimo”, conta o cenógrafo Keller Veiga.

Na casa de Ruço, no antigo quarto de Odete Roitman (Luma Costa), agora ocupado por Abigail (Lorena Comparato) e Clécio (Magno Bandarz), as mudanças foram mais pontuais. “Eles continuam usando o quarto quase do mesmo jeito. As alterações foram pequenas, como retirar as perucas de Odete do local, porque a Abigail não usa”, diz Marcia. Já em momento posterior, quando eles se mudam com o pequeno Neymã para a casa de Juscelino (Alexandre Zachia), a transformação na cenografia fica mais evidente. Isso porque, além do quarto que ganham para a família, onde colocam um berço para a criança, Abigail conquista um cômodo exclusivo para se exibir na internet. “Não colocamos no espaço tantos adereços e fantasias como a Odete tinha na época de stripper. Brincamos mais com os panos e tecidos translúcidos para contrapor com as luzes. Para compor ainda mais, apostamos em uma cama redonda, no meio do quarto, o pole dance e uma televisão grande na parede, por onde é projetada a imagem dela para a web durante o exercício”, completa a produtora de arte.