Os cuidados necessários diante da intolerância

Os cuidados necessários diante da intolerância

As operações de busca aos imigrantes indocumentados, com ordem de deportação, se intensificaram e pessoas estão sendo vítimas da truculência de oficiais de imigração. Portanto, evitar situações de risco nesse momento é fundamental

imigracao2As autoridades migratórias americanas apertam o cerco e a ordem é checar o histórico de indocumentados no país, com o objetivo de cumprir pedidos pendentes de deportação. É a chamada caça às bruxas, pois o país quer acelerar esse processo e não tem medido esforços para que se cumpram as determinações da lei. Fala-se inclusive que 2016 será um ano conturbado para os imigrantes ilegais, pois até o final do mandado do Presidente Barak Obama, que expira em 31 de dezembro desse ano, muita gente será deportada – pessoas na lista de investigação -, levando pânico à comunidade. As operações têm ocorrido e pessoas estão sendo vítimas da truculência de oficiais de imigração. Portanto, deve-se evitar situações que possam colocar em risco a conduta do imigrante no país, abrindo precedentes para ser a próxima vítima. E contar com a sorte nesse momento, de, por exemplo, dirigir com carteira adulterada ou mesmo sem a drive license, é um risco iminente. Todo cuidado é pouco, pois não de seve facilitar diante do perigo. A boa conduta é sempre um caminho seguro. Agir com honestidade, sem se envolver em confusões, é um passo acertado, portanto, ter cautela é imprescindível. Os cuidados são necessários diante da intolerância.

Vale lembrar o episódio que chocou logo nos primeiros dias de 2016, quando 121 adultos e crianças considerados imigrantes ilegais para serem deportados, durante a primeira de uma série de operações, ficaram detidos por ordem do secretário de Segurança Interna Jeh Johnson. A situação se complicou e os detidos – de um grupo que inclui famílias inteiras – “foram transferidos a albergues temporários do Serviço de Imigração e Alfândega, para receberem documentos de viagem e, posteriormente, serem colocados em voos de retorno a seus países de origem”, chegou afirmar Johnson em uma nota oficial.

Essas pessoas estão “em processo de repatriação”, acrescentou o alto funcionário.

As operações da imigração americana durante o final de semana se concentraram nos estados de Geórgia, Texas e no norte da Califórnia, e “continuarão sendo realizadas na medida em que se considere apropriado”.

Essas operações já eram esperadas desde o Natal, com o objetivo de expulsar do país imigrantes, em sua maioria centro-americanos, que ingressaram nos Estados Unidos depois de maio passado e cujas solicitações de residência já tinham sido negadas por tribunais de imigração locais. E adiantou Johnson, estas ações “não devem ser uma surpresa para ninguém”.

Desde o último verão boreal (junho a setembro), “estamos transladando e repatriando imigrantes da América Central em um ritmo mais acelerado, com uma média de 14 voos semanais”, informou Jeh Johnson. O Departamento de Segurança Interna (DHS, em inglês) havia se limitado a informar que a normativa adotada pelo presidente Barack Obama em novembro de 2014 estabeleceu como prioridade a deportação de pessoas que já tenham recebido uma ordem judicial de expulsão. No verão de 2013, os Estados Unidos viveram uma súbita onda migratória, com a chegada de milhares de crianças desacompanhadas dos adultos, principalmente da América Central, que fugiam da pobreza e da violência.

A crise chocou o país e obrigou o decreto de medidas de emergência ante um iminente desastre humanitário. O governo concentrou no DHS todas as tarefas de redesenhar sua segurança fronteiriça, fazendo baixar os números da onda migratória.

Em novembro de 2014, Obama havia anunciado um conjunto de decretos relacionados a medidas mais favoráveis para os imigrantes cujos filhos já tivessem uma situação regularizada, mas reforçou a política de deportação dos recém-chegados e daqueles com antecedentes criminais.

Dez situações que devem ser evitadas e se flagrados correm riscos de detenção e deportação:

  1. Evitar dirigir sem carteira de habilitação;
  2. Beber e dirigir sob influência de álcool;
  3. Não ser usuário ou portador de qualquer tipo de droga;
  4. Falsificar qualquer tipo de documento;
  5. Se envolver em brigas que resultem em ocorrência policial;
  6. Roubar, furtar ou passar cheques sem fundos com valor superior a U$ 500 dólares é crime passível de cadeia imediata, pagamento de fiança, multa e possível deportação;
  7. Prostituição;
  8. Brigas em bares, jogos de futebol e outras atividades em parques da cidade policiados pelo departamento do xerife;
  9. Se envolver em bagunça e distúrbios em vias públicas, festas e shows;
  10. Casos de violência doméstica, muito comum entre brasileiros, as chamadas brigas entre marido e mulher e casais de namorados.