OMS lança o World Cancer Report 2014: a batalha contra o câncer não será vencida apenas com o tratamento

OMS lança o World Cancer Report 2014: a batalha contra o câncer não será vencida apenas com o tratamento

voltar

FEV/14 – pág. 62 e 64

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

A Agência Internacional para Pesquisa sobre o Câncer (International Agency for Research on Cancer), a agência especializada da OMS para estudos sobre o câncer, lançou o “World Cancer Report 2014”. Este relatório revela como o câncer está crescendo a um ritmo alarmante e enfatiza a necessidade de implementação urgente de estratégias de prevenção eficazes para conter a doença. Em 2012, os novos casos de câncer por ano eram cerca de 14 milhões, um número que deve subir para 22 milhões por ano nas próximas duas décadas.

Os principais fatos relatados pelo World Cancer Report 2014 são:

  • O câncer está entre as principais causas de morte no mundo, sendo responsável por 8,2 milhões de mortes em 2012.
  • Os tumores de pulmão, fígado, estômago, colorretal, mama e câncer de esôfago são os tipos que causam mais mortes por câncer a cada
  • Os tipos mais frequentes de câncer diferem entre homens e mulheres.
  • Cerca de 30% das mortes por câncer são decorrentes de cinco principais riscos comportamentais e dietéticos: índice de massa corporal elevado, baixa ingestão de frutas e legumes, falta de atividade física, tabagismo e uso de álcool.
  • O cigarro é o fator de risco mais importante para o câncer, causando mais de 20% das mortes globais porcâncer e cerca de 70% das mortes globais por câncer de pulmão.
  • Os cânceres causados por infecções virais, como HBV (vírus da hepatite B), HCV (vírus da hepatite C) e HPV (papilomavírus humano) são responsáveis por até 20% das mortes por câncer em países de rendas baixa e média.
  • Mais de 60% do total de casos novos anuais do mundo ocorrem na África, Ásia e América Central e do Sul. Estas regiões são responsáveis por 70% das mortes por câncer no mundo.
  • Espera-se que os casos anuais de câncer aumentarão de 14 milhões em 2012 para 22 milhões nas próximas duas decadas.
  • Câncer é um termo genérico para um grande grupo de doenças que podem afetar qualquer parte do corpo. Outros termos utilizados são tumores malignos e neoplasias. Uma característica marcante do câncer é a criação rápida decélulas anormais que crescem além de seus limites habituais, e que podem, em seguida, invadir partes adjacentes do corpo e se espalhar para outros órgãos. Este processo é conhecido como metástase. As metástases são a principal causa de morte por câncer.

O que causa o câncer?

O câncer surge de uma única célula. A transformação de uma célula normal numa célula tumoral é um processo que engloba várias etapas, geralmente começando pela progressão de uma lesão pré-cancerosa. Essas mudanças são o resultado da interação entre fatores genéticos individuais e três categorias de agentes externos, incluindo:

  • Carcinógenos físicos, tais como a radiação ultravioleta e ionizante.
  • Produtos químicos cancerígenos, como amianto, componentes da fumaça do tabaco, a aflatoxina (um contaminante de alimentos) e arsênico (um contaminante de água potável).
  • Carcinógenos biológicos, tais como infecções por certos vírus, bactérias ou parasitas.
  • O envelhecimento é outro fator fundamental para o desenvolvimento de câncer. A incidência de câncer aumenta drasticamente com a idade, provavelmente devido a uma acumulação de riscos específicos para o câncer. Esta acumulação do risco está combinada à uma tendência de diminuição da eficácia de mecanismos de reparação celular que ocorre com o envelhecimento.

São fatores de risco para câncer: cigarro, consumo de álcool, alimentação inadequada e sedentarismo são os principais fatores de risco para o câncer em todo o mundo. Infecções crônicas de hepatite B (HBV), o vírus dahepatite C (HCV) e alguns tipos de vírus do papiloma humano (HPV) estão entre os fatores de risco para o câncerem países de rendas baixa e média. O câncer do colo do útero, que é causado pelo HPV, é uma das principais causas de morte por câncer entre as mulheres nos países de baixa renda.

Como a incidência do câncer pode ser reduzida?

O conhecimento sobre as causas do câncer e sobre as intervenções para prevenção e controle da doença é extenso. O câncer pode ser reduzido e controlado através da implementação de estratégias baseadas em evidências para a prevenção, detecção precoce do câncer e tratamento de pacientes com a doença. Muitos tipos de câncer têm uma alta chance de cura se detectados precocemente e tratados adequadamente.

Como modificar e evitar fatores de risco que podem levar ao câncer?

Mais de 30% das mortes por câncer poderiam ser evitadas modificando ou evitando fatores de risco importantes, incluindo:

  • Uso do tabaco.
  • Excesso de peso ou obesidade.
  • Dieta pouco saudável, com baixa ingestão de frutas e vegetais.
  • Sedentarismo.
  • Uso de álcool
  • Infecção por HPV, uma infecção sexualmente transmissível.
  • Poluição do ar urbano.
  • Uso de combustíveis sólidos domésticos, como por exemplo a combustão de lenha ou carvão.

Quais são as estratégias de prevenção?

  • Evitar os fatores de risco listados acima.
  • Vacinar contra o vírus do papiloma humano (HPV) e vírus da hepatite B (VHB).
  • Controlar os riscos ocupacionais.
  • Reduzir a exposição à luz solar.

Como fazer a detecção precoce dos tumores?

Fonte: Thinkstock
Fonte: Thinkstock

A mortalidade por câncer pode ser reduzida se os casos forem detectados e tratados precocemente. Existem dois componentes importantes para a detecção precoce:

Diagnóstico precoce
O conhecimento dos sinais e sintomas iniciais (para tipos de câncer, como os de colo do útero, mama, boca e tumores colorretais) a fim de diagnosticá-los e tratá-los precocemente, antes que a doença se torne avançada. Programas de diagnóstico precoce são particularmente relevantes em ambientes de baixa renda, no quais a maioria dos pacientes é diagnosticada em estágios tardios e onde não há triagem (screening).

Screening ou rastreio
Rastreio é definido como a aplicação sistemática de um exame numa população assintomática. Destina-se a identificar os indivíduos com alterações sugestivas de um câncer específico ou de lesões pré-cancerosas e encaminhá-los imediatamente para diagnóstico e tratamento.
Exemplos de métodos de rastreio são:

  • Inspeção visual do colo do útero com ácido acético para o rastreio do câncer do colo do útero em locais com poucos recursos.
  • Papanicolau para o câncer do colo do útero em ambientes de média e alta rendas.
  • Mamografia para câncer de mama em ambientes de alta renda.

E sobre o tratamento do câncer?

O tratamento do câncer requer uma cuidadosa seleção de uma ou mais intervenções, tais como cirurgia,radioterapia, quimioterapia e hormonioterapia. O objetivo é curar a doença ou prolongar consideravelmente a vida do paciente, melhorando a sua qualidade de vida. O diagnóstico e o tratamento do câncer devem ser complementados pelo apoio psicológico ao paciente e a seus familiares.
Os cuidados paliativos são tratamentos para aliviar, ao invés de curar, os sintomas causados pelo câncer. Os cuidados paliativos podem ajudar as pessoas a viver mais confortavelmente. É uma necessidade humanitária urgente para as pessoas com câncer e outras doenças crônicas fatais em todo o mundo. É particularmente necessário em lugares com uma alta proporção de pacientes em estágios avançados, quando há pouca chance de cura.

Alívio de problemas físicos, psicossociais e espirituais pode ser alcançado em mais de 90% dos pacientes com câncer avançado através de cuidados paliativos.

Estratégias de saúde pública eficazes, compreensão da comunidade e os cuidados domiciliários são essenciais para proporcionar alívio da dor e cuidados paliativos para pacientes e suas famílias em ambientes de baixa renda.

A melhoria do acesso à morfina oral é fundamental para o tratamento da dor de intensidade moderada a grave causada pelo câncer e sofrida por mais de 80% dos pacientes com câncer em fase terminal.

Fonte: World Health Organization (WHO)

Elaine Peleje Vac
elaine@nossagente.net
(Médica no Brasil)
Não tome nenhum medicamento sem prescrição médica.
Consulte sempre o seu médico.