Obama rejeita rótulo de ‘deportador em chefe’

Obama rejeita rótulo de ‘deportador em chefe’

Barak Obama - Foto: EPA/MICHAEL REYNOLDS
Barack Obama – Foto: EPA/MICHAEL REYNOLDS

O presidente dos EUA, Barack Obama, rejeitou nesta quinta-feira o rótulo de “deportador em chefe”, usado por ativistas e políticos para criticá-lo pela inércia em levar adiante a prometida reforma da imigração e a crescente deportação de migrantes ilegais para seus países de origem. Ele disse que, pelo contrário, é o “defensor em chefe” de uma política migratória mais justa, mas se disse refém da atual legislação.

– Não posso ignorar essas leis, da mesma maneira que não posso ignorar nenhuma outra lei. Por isso é importante que o Congresso consiga aprovar uma ampla reforma imigratória este ano – afirmou.

A defesa veio em um encontro com eleitores latinos no qual Obama pretendia incentivar a inscrição da comunidade de origem hispânica em planos de saúde, na esteira de sua reforma do sistema de saúde americano. Um dos mediadores fez a pergunta sobre o rótulo repetido nos últimos dias pelo presidente do Conselho Nacional de La Raza, principal organização de defesa dos direitos dos imigrantes latinos nos EUA, e pelo deputado democrata Luis Gutierrez.

– Eu sou o defensor em chefe de uma ampla reforma migratória – disse Obama, salientando que seu governo tirou o foco de imigrantes trazidos para o país quando eram crianças (os chamados dreamers) e passou a priorizar a deportação daqueles envolvidos em atividades criminais em solo americano.

Obama também refutou os comentários de que esteja paralisado pela oposição do Partido Republicano – que tem a maioria na Câmara dos Representantes e uma minoria significativa no Senado – ao seu projeto de reforma imigratória, defendido desde a posse, no ano passado, como uma das prioridades de seu segundo mandato. Ele disse que conversou recentemente com o presidente da Câmara, John Boehner, sobre a possibilidade de reintroduzir o projeto na pauta ainda este ano.

– Acredito que ele (Boehner) é sincero quando diz que pretende fazê-lo – afirmou.

Desde 2009, quando Obama tomou posse para o primeiro mandato, os EUA já deportaram 1,9 milhão de pessoas – número recorde para qualquer presidente, inclusive os que completaram oito anos no cargo. SNo início do ano passado, ele apresentou uma proposta de reforma migratória que incluía um caminho para a legalização dos estimados 11 milhões de imigrantes irregulares atualmente no país, mas o projeto não avançou no Congresso.

Fonte: br.noticias.yahoo.com