Obama anuncia na próxima terça plano climático para os EUA

Obama anuncia na próxima terça plano climático para os EUA

Vídeo publicado na página da Casa Branca indica que Obama vai apresentar plano sobre mudança climática para os EUA nesta semana (Foto: Reprodução/TheWhiteHouse.gov)
Vídeo publicado na página da Casa Branca indica que Obama vai apresentar plano sobre mudança climática para os EUA nesta semana (Foto: Reprodução/TheWhiteHouse.gov)

Vídeo divulgado no site da Casa Branca divulga pronunciamento.
Projeto deve englobar corte de emissões de gases de efeito estufa.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou neste sábado (22) que na próxima terça-feira (25) vai apresentar em um discurso que será feito em Washington um plano de ação contra a mudança climática, retomando o tema que foi abandonado em seu primeiro mandato.

“Nesta terça-feira, apresentarei minha visão sobre o caminho que, penso, deveremos tomar: um plano nacional para a reduzir a contaminação por carbono, preparar nosso país para os impactos da mudança climática e lançar uma iniciativa mundial para combatê-la”, explicou o presidente em um vídeo publicado no site da Casa Branca.

“Necessitamos desenvolver novos combustíveis e agricultores para o cultivo. Necessitamos engenheiros para criar novas fontes de energia e empresas para fabricá-las e vendê-las”, disse Obama em seu pronunciamento.

Em 2009, pouco depois de sua eleição, o Congresso bloqueou um ambicioso projeto de lei sobre energia e clima que visava reduzir substancialmente os níveis de CO2 lançados na atmosfera pelos Estados Unidos, segundo maior emissor de gases de efeito estufa do planeta, atrás apenas da China.

Relatório feito por cientistas e empresários
A agência de notícias Reuters publicou reportagem nesta semana onde aponta que pistas das medidas climáticas dos EUA poderiam ser encontradas em um relatório entregue ao presidente em março e que foi elaborado por uma equipe de cientistas e líderes empresariais.

O documento definiu um conjunto de medidas que seriam assumidas por diferentes agências do governo, incluindo mais investimentos em pesquisas e no desenvolvimento de tecnologias voltadas à captura de carbono da atmosfera.

O grupo teria recomendado o abandono do uso do carvão e a regulação das usinas, a liberação de incentivos para a produção de energia limpa, além de reconhecer que a produção de gás de xisto deve desempenhar um papel importante na redução das emissões de carbono no curto e médio prazo.

Pede também a criação de regulamentações para diminuir a perda de metano e garantir a segurança da água. As sugestões incluem ainda o desenvolvimento de planos para reformular a infraestrutura dos EUA, tornando os sistemas de transporte, energia e água mais resistentes a condições meteorológicas extremas, além de criar uma comissão central para supervisionar os esforços nacionais de preparação.

Promessa
Nesta semana, Obama prometeu que os Estados Unidos se empenharão mais na luta contra a mudança climática durante um discurso feito no Portal de Brandenburgo, em Berlim, na Alemanha. “Sabemos que devemos fazer mais e faremos mais”, declarou Obama em seu discurso em pleno centro da capital alemã. “Nossa geração deve avançar em um pacto mundial para lutar contra a mudança climática antes que seja tarde demais”, acrescentou.

“Com uma classe média mundial que consome cada dia mais energia, isso tem de ser, de agora em diante, mais um esforço de todas as nações e não de apenas algumas delas”, declarou. “Porque a triste alternativa afeta todas as nações: tempestades mais severas, mais fome e inundações, mais ondas de refugiados, litorais que desaparecem, oceanos que aumentam em volume”, acrescentou.

Avanço histórico
Os Estados Unidos têm histórico de embate com outros países quando se trata de políticas climáticas. Exemplo é a não participação do Protocolo de Kyoto, único instrumento legal em vigor que tem o intuito de frear a elevação da temperatura global.

Criado em 1997, ele obriga nações desenvolvidas a reduzir suas emissões em 5,2%, entre 2008 e 2012, em relação aos níveis de 1990. O tratado não compreende os Estados Unidos, um dos principais poluidores, e não obriga a ações imediatas de países em desenvolvimento, como China, Índia e Brasil

No entanto, os EUA concordaram em assumir responsabilidades para reduzir suas emissões no novo plano global que está em discussão e que deve ser lançado em 2015. Porém, a nova regra, que valerá para todos os países, deve entrar em vigência apenas em 2020.

O prazo é criticado por ambientalistas e cientistas, pois consideram que deve ocorrer uma redução nas emissões de gases-estufa a partir de agora e de forma urgente para reduzir os impactos da mudança climática no mundo.

Fonte: g1.globo.com