O que as empresas de sucesso têm em comum?

O que as empresas de sucesso têm em comum?

Para muitos de nós, empreendedores, executivos e/ou que acompanham o mundo dos negócios, uma das principais perguntas feitas quando se está estudando um mercado ou oportunidade, é: O que as empresas que alcançam o sucesso têm em comum? Bom, para todos aqueles que buscam empreender e querem abrir a própria empresa, entender o que deu certo e o que deu errado em outros negócios ou mercados, podem ajudar a traçar estratégias assertivas que levam ao sucesso, bem como, ajudam a minimizar riscos e otimizar investimentos e resultados

Edição de agosto/2019 – p. 20

O que as empresas de sucesso têm em comum?

Tenho visto ao longo de quase 20 anos como empreendedor serial, mentor e investidor, muitos empresários e executivos reclamarem que seus negócios não deram certo, por conta da economia, concorrência, pessoas… ou seja, a culpa eram de “todos a sua volta”. A reclamação era agravada quando eles não conseguiam entender o porquê da situação (fracasso), e principalmente, porque não “foram para frente” e obtiveram sucesso, quando se comparavam a outros negócios, muitas vezes similares ao seu, mas que estavam “firmes e fortes” e mercado.

Sei bem que um negócio pode fechar por vários motivos, mas para todos estes que choram o fracasso fazendo comparações, eu costumo dizer, usando um bom e velho dito popular brasileiro: “Vocês só veem as pingas que eles tomam, mas não os tombos que eles levaram”. Olhando a história dos negócios ao longo do último século, se constata que as empresas de sucesso, não atingiram o sucesso por acaso, mas sim, pelo resultado de muito trabalho, estratégia, determinação, persistência, capacitação e por que não dizer, sorte também.

Muitos acham que o sucesso de uma empresa, está diretamente ligado a quantidade de dinheiro que ela investe no negócio. Dinheiro ajuda sim, e muito, mas dinheiro nem sempre é solução ou fator de sucesso, e muitas vezes pode se tornar um grande problema. Dinheiro sem competência para saber o que fazer com ele, não adianta de nada. A empresa investe onde não é prioritário, em supérfluos e em “achismos”, perdendo o cliente como foco, bem como, suas “dores”, necessidades e demandas.

A Apple, quase fechou as portas nos anos 80, por que se “perdeu”(entre outros motivos), no seu posicionamento de mercado como empresa inovadora e transformadora, e no “erro” de desenvolvimento de produtos que atenderiam o cliente, sendo que ainda o próprio cliente tentava entender a tecnologia e todo potencial de uso dos computadores. Outro caso clássico de falta de visão de mercado, foi quando a gigante do setor de entretenimento e locação de filmes, Blockbuster, “fechou as portas”, porque não entendeu as mudanças e necessidades do cliente, perdendo espaço para as empresas de TV a Cabo primeiro, e depois para a Netflix, Amazon Prime, entre outras, que ofereciam conteúdo “on demand”, onde e quando o cliente desejar a um preço competitivo.

Mas, quando olhamos empresas como Amazon, Apple, Uber, Lift, Netflix, Airbnb, Google, SpaceX, entre muitas outras (com tamanhos menores e não tão famosas), o que estas empresas de sucesso têm em comum?

Entre os vários fatores, podemos destacar 3 em especial:

1) PESSOAS: Como sempre gosto de dizer, pessoas são a chave do sucesso de qualquer negócio. Insisto neste ponto, pois ainda vejo muitos empreendedores/empresários relegarem seus empregados e colaboradores a um segundo plano, empregando qualquer pessoa como forma de explorar a mão de obra e baixar custos, pagando salários baixos, ou não investindo em capacitação e treinamento, tendo um time de profissionais que estão lá só para “cumprir horário”, e não para ser um diferencial e “fazer a coisa acontecer”.

Todo empresário que usa destas práticas, é incapaz de perceber que este funcionário (mal treinado e que ganha pouco ou é discriminado) custa muito dinheiro para uma empresa, seja por que o funcionário não é eficiente e eficaz, gastando mais tempo que o necessário e obrigando a empresa a contratar outro funcionário para suprir as deficiências e atrasos, seja pelo trabalho mal feito e retrabalho de ações e tarefas, causando desperdício de dinheiro e tempo. Agora, o mais importante de tudo quando não se investe em um time profissional e capacitado… ter as pessoas erradas fazendo o trabalho, causa a perda de credibilidade e de imagem do negócio, visto que a qualidade (produto ou serviço) fica comprometida, levando a perda do cliente, sem contar o quanto ele não vai falar mal da empresa.

Portanto, ter um time de pessoas qualificadas, treinadas, competentes e bem remuneradas, é fator primordial de sucesso em uma empresa.

2) PRODUTO: Segundo um artigo da revista – Harvard Business Review (by Clay Christensen), mais de 90% dos produtos não vão alcançar sucesso no mercado, sendo ainda, que 42% das empresas fecham as portas (fonte: CBInsights), porque vendem produtos ou serviços que ninguém quer comprar.

Este é um dos grandes desafios de uma empresa, criar produtos e serviços que o mercado quer e está disposto a pagar. Obviamente este não é um processo fácil e rápido, pois envolve assertividade, inovação e desenvolvimento eficiente, feito através de muita pesquisa e “conversa” com o cliente final e com o mercado.

Muitos acreditam que fator de sucesso de “qualquer coisa” é ter bom preço, sem se preocupar com o resto. Basta pegar um produto ou serviço e cobrar barato que vai ter sucesso. Se fosse verdade, todo comerciante ou prestador de serviços seria um “Jeff Bezos”(CEO Amazon) ou “Bill Gates”(Microsoft), pois bastava cobrar um valor bem em conta, para vender muito e fazer muito dinheiro com seus negócios.

Toda empresa de sucesso, sabe bem o que o mercado e o cliente quer, como quer, quando quer, e o que está disposto a pagar (e nem sempre ele está disposto a pagar barato… ele está disposto a pagar caro também) pelo produto ou serviço. Ser um facilitador e gerador de soluções de qualidade, efetivas e simples para as necessidades e demandas do cliente e do mercado, é também um fator importante das empresas de sucesso.

3) DETERMINAÇÃO/FOCO: Infelizmente, muitos empreendedores não tem “estômago” para o risco e para o “incerto”. Qualquer “sinal de fumaça” e dificuldade na empresa ou no mercado, preferem correr ou mudar de rumo, do que enfrentar o problema. É a famosa “lei do mais fácil”… só que muitas vezes o mais fácil, nem sempre é o mais correto.

Todo empresário sabe bem as muitas dificuldades para fazer um negócio dar certo: vendas, marketing, desenvolvimento de novos produtos, etc… Sabem também dos imensos desafios e dificuldades do mercado: concorrência, governo, acesso a capital, etc…

Mas para aqueles que estão determinados e tem foco (sem ficar perdendo tempo com achismos e divagações tentando reinventar a roda), não existe tempestade forte o suficiente “para afundar o barco”, mesmo que este “balance” muito.

Saber onde quer chegar (com estratégia e preparação), ter um propósito e empenhar todos os esforços para chegar lá, sem medo ou cedendo as tentações do menor esforço, completam no meu entender, os 3 fatores que as empresas de sucesso têm em comum.

Boa sorte e se precisarem de mais informações ou ajuda, contatem o Jornal Nossa Gente por telefone ou email, ou mandem um email para mim: livio@gotousa.pro, que ficarei feliz em ajudar. Até a próxima.