O dia a dia no trabalho de brasileiro na Flórida

O dia a dia no trabalho de brasileiro na Flórida

Jedaías Norberto trabalha com aparelhos de ar condicionado e tem bom relacionamento com a Comunidade. Os desafios da profissão e um alerta que poderá evitar danos à saúde de famílias em Orlando

Jedaias01

Ele é especialista em consertos de ar condicionado na Flórida. Prestativo e atento atende às solicitações em vários pontos, principalmente em Orlando, mantendo um bom relacionamento profissional com a Comunidade brasileira. Jedaías Norberto reside há 27 anos na Flórida e se identifica como um “paulista abaianado”, pois nasceu na cidade de Rio Claro – interior de São Paulo -, tendo sido criado em Vitória da Conquista, na Bahia. “Com quatorze anos fui para Salvador, onde, posteriormente, me casei e depois vim morar na Flórida. Passei dois anos em Fort Lauderdale, e, depois que aprendi o inglês vim morar em Orlando”, lembra Norberto. “A minha prática na realidade é em eletrônica e quando vim para os Estados Unidos sabia que poderia ser contratado em qualquer parte do mundo. Abri a minha empresa de assistência a computadores e fui chamado para consertar os equipamentos da Disney, depois a Sony requisitou os meus serviços para consertar aparelhos de televisão e câmeras fotográficas. Entretanto, quando começaram a chegar da China os aparelhos de tevê LCD, o preço dos televisores caiu muito e, com isso, precisei mudar de área, então passei a trabalhar com aparelhos de ar condicionado”, enfatiza.

Mas o grande problema da Flórida, alerta Jedaías, é a umidade que tem danificado os aparelhos de ar condicionado. “A umidade normal na Flórida é de oitenta e sete por cento e, quando abrimos a janela, por exemplo,à umidade que entra no ambiente se aloja no aparelho de ar condicionado, criando o mofo. Esse mofo deteriora o aparelho e contamina o ambiente, principalmente o ambiente doméstico. O ar condicionado foi desenhado para tirar a umidade e não simplesmente descer a temperatura. E o que ocasiona um problema muito grande, quando no uso um de equipamento superdimensionado, é alguém com aparelho de três toneladas utilizar cinco toneladas. É a pior coisa que a pessoa pode fazer porque a temperatura vai cair muito rápida e não terá tempo de tirar a umidade da casa. O sujeito terá um ambiente frio e úmido, e ele vai se sentir miserável nessa casa”, avisa. “A umidade ideal de uma casa é em torno de cinquenta e cinco por cento”.

Atuando na Central Flórida, Jedaías Norberto atende a área de Poinciana, até Sanford, passando por Clermont e Orlando. Casado com a enfermeira, Maria Helena Norberto, tem três filhas – Amelina, Talita e Pamela. “A Amelina é a mais velha, Talita e Pamela estudam Odontologia no Arizona, vamos ter duas dentistas na família”, fala com orgulho. Quanto à saudade do Brasil, e como lidar com a distância, disse Norberto que “tenho ido poucas vezes ao Brasil. Estive no Brasil no ano de dois mil e doze, quando visitei a minha tia Alvinéia, que sempre cuidou de mim. São viagens rápidas, mas prazerosas, pois o contato com os familiares é muito importante”, relata.

Para finalizar a entrevista, Norberto foi enfático quanto ao atendimento e o respeito ao cliente, em todas as áreas de atuação. “Vai aqui uma sugestão aos profissionais que atuam na Flórida para que perguntem a si mesmos se estão fazendo o melhor para os seus respectivos clientes. Questiono isso porque um bom serviço sempre irá atrair novos clientes e, sem dúvida, serão requisitados para futuros trabalhos. A qualidade e a fidelidade naquilo que se propõe a fazer, abrem portas para futuras e importantes oportunidades de trabalho”, complementa.