Narcotraficante procurado pelos EUA é preso no México

Narcotraficante procurado pelos EUA é preso no México

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

MÉXICO, 10 fevereiro 2014 (AFP) – Tirso Martínez Sánchez, suposto narcotraficante mexicano que trabalhava para organizações criminosas, e por quem os Estados Unidos ofereciam uma recompensa de 5 milhões de dólares, foi capturado este domingo no México, informou a Comissão Nacional de Segurança.

Em uma operação realizada no estado mexicano de Guanajuato (centro), “conseguiu-se prender o suposto criminoso, considerado responsável pela introdução de 76 toneladas de cocaína nos Estados Unidos entre 2000 e 2003”, informa um comunicado da Comissão.

O Departamento de Estado americano publicou em seu portal que Martínez – contra quem pesa desde 2007 uma ordem de prisão no México com fins de extradição – recebia cocaína diretamente da Colômbia para introduzi-la nos Estados Unidos a partir do México, pelos estados fronteiriços do Texas e da Califórnia.

A organização de Martínez opera uma rede de empresas de fachada para a compra de “bens legítimos, que são armazenados e transportados com as drogas”, assinala o Departamento de Estado, que oferecia uma recompensa de 5 milhões de dólares por informações que levassem à captura do suposto narcotraficante.

Segundo autoridades mexicanas, Martínez tinha uma suposta ligação com chefes do cartel de Juárez e dos Beltrán Leyva, ambos mexicanos; com os chefes colombianos Juan Carlos Ramírez Abadía e Diego León Montoya Sánchez, do cartel do Norte del Valle; e com Víctor e Miguel Mejía Múnera.

Pela fronteira entre Estados Unidos e México, de mais de 3 mil quilômetros, traficam-se drogas, armas e pessoas, apesar da forte operação de segurança implementada por ambos os governos.

O México enfrenta uma onda de violência, gerada por disputas entre os cartéis envolvendo as rotas do narcotráfico, e pelas operações federais que os combatem. Desde 2006, foram registradas mais de 77 mil mortes ligadas ao crime organizado, segundo cifras oficiais.

Fonte: dm.com.br (AFP)