MMA pode causar mais danos ao cérebro do que boxe

MMA pode causar mais danos ao cérebro do que boxe

Foto: Bobby Green Esther Lin/Getty Images
Foto: Bobby Green Esther Lin/Getty Images

MMA pode ser mais perigoso do que o boxe profissional como causa de traumas cerebrais leves, concluiu um estudo da equipe de medicina esportiva da Universidade de Toronto, no Canadá. O artigo foi publicado na edição de março do American Journal of Sports Medicine.

A equipe de Universidade de Toronto revisou vídeos de 844 lutas do UFC, entre 2006 e 2012, e usou métodos estatísticos para analisar “os fatores de risco e características dos nocautes e nocautes técnicos por socos repetitivos no MMA profissional”. Depois de comparar esses números às concussões cerebrais relatadas nos dados médicos dos lutadores nocauteados, os pesquisadores chegaram a algumas conclusões e sugestões.

“A participação em MMA pode ser mais perigosa do que o boxe profissional, o futebol americano e o hóquei no gelo, sob a perspectiva dos traumas cerebrais leves”, concluiu a pesquisa. 31,9% das lutas analisadas terminaram com concussões cerebrais. Em todos esses casos, os nocautes foram resultado de impacto direto à cabeça, mais frequentemente, socos na região do queixo (53,9%).

O tempo entre o soco causador do nocaute e a interrupção da luta foi de 3,5 segundos em média, variando de zero até 20 segundos. Durante esse período, os lutadores derrotados receberam 2,6 socos adicionais, em média, chegando a até vinte golpes adicionais até a intervenção do árbitro.

Quanto aos nocautes técnicos – interrupção da luta para preservar um dos lutadores ou mesmo por desistência -, os pesquisadores verificaram que os perdedores receberam, em média, 18,5 socos durante os 30 segundos anteriores à paralisação dos combates. 92,3% deles, golpes na cabeça.

A equipe liderada pelo Dr. Michael G. Hutchison sugeriu mudanças nas regras do MMA atual, como a instituição da contagem de dez segundos após um knockdown, seguindo o modelo utilizado no boxe profissional. Para os pesquisadores, os árbitros de MMA precisam receber maior treinamento para identificação de sinais de concussão cerebral durante as lutas e intervenção apropriada. Além disso, segundo a equipe da Universidade de Toronto, o MMA juvenil deveria ser banido, para poupar os cérebros em desenvolvimento de traumas.

O Dr. Johnny Benjamin, cirurgião ortopedista e colunista da publicação americana MMAjunkie.com, discorda da pesquisa. A análise dos fatores de risco apresentada é “extremamente interessante”, segundo ele. Porém, a comparação com o boxe e outros esportes de contato é um debate “inútil”. Os pesquisadores “não consideram a importância do acúmulo dos danos ao longo do tempo”, ressaltou o Dr. Benjamin. O médico citou outras pesquisas, que sugerem que muito mais importantes do que os golpes que geram nocautes, seriam “ as centenas de milhares de golpes repetitivos na cabeça”, que seriam os reais causadores de danos cerebrais ao longo do tempo.

Fonte: marcosperes.blogosfera.uol.com.br (Blog do Marcos Peres no UOL)