Menino de 7 anos salva pai e irmã em Jacksonville, após nadar contra a correnteza

Rio St. Johns onde ocorreu o acidente envolvendo garoto de sete anos, seu pai e a irmã menor

 

Menino de sete anos, em Jacksonville, nada por uma hora para resgatar seu pai e sua irmã, de quatro anos, da correnteza do no rio St. Johns, na Flórida. Foi um ato heroico, após momentos de incerteza e desespero

 

Da Redação

Um menino de apenas sete anos está sendo reverenciado pelos moradores da Flórida – ao tomarem de sua façanha. Ele ajudou a salvar seu pai e a irmã de quatro anos, nadando até a costa e pedindo ajuda depois de serem pegos por uma forte corrente durante um passeio de barco, no fim de semana, no rio St. Johns, na Flórida.

Sem dúvida um ato heroico do menino, que superou todos os inconvenientes para salvar as pessoas que ama, e nada o impediu de lutar pela vida de ambos, e conseguiu.

O pai, Steven Poust, disse à emissora de televisão “Jax4” que ancorou seu barco no rio enquanto pescava e seus filhos brincavam – o fato ocorreu na sexta-feira.

Chase Poust contou que a correnteza era muito forte para sua irmã, Abigail, se segurar no barco, quando ela caiu na água. A garota estava usando um colete salva-vidas. “Senti muito medo”, disse Chase à equipe de tevê.

Desesperado, o pai do garoto pulou na água para socorrer a filha de quatro anos, que se debatia contra a correnteza. Chase então pulou na água e começou a nadar em direção à costa.

“Eu disse aos meus filhos que os amava porque não tinha certeza do que iria acontecer”, disse o pai emocionado na entrevista. “Eu tentei ficar com os dois. Eu me cansei. Ela se afastou de mim.”

Chase continuou nadando, flutuando de costas para não se cansar. “A corrente estava indo na direção oposta à do barco e da costa, então era muito difícil nadar assim”, disse Chase.

O menino demorou cerca de uma hora para chegar a terra. Ele correu para a casa mais próxima em busca de ajuda.

Tripulações do Departamento de Bombeiros e Resgate de Jacksonville, do Gabinete do Xerife de Jacksonville e da Comissão de Conservação de Peixes e Vida Selvagem da Flórida encontraram o pai e a filha a cerca de 1,6 km de seu barco.

“Gritei por ajuda e acenei com os braços e com certeza alguém nos ouviu”, disse Poust.

De acordo com Eric Prosswimmer, do Corpo de Bombeiros de Jacksonville, nem o filho de sete anos, nem o pai foram obrigados a usar colete salva-vidas. A lei se aplica a crianças de até seis anos para embarcações com menos de 26 pés de comprimento.