Jornalista dos EUA é diagnosticado com ebola na Libéria

Jornalista dos EUA é diagnosticado com ebola na Libéria

O resto da equipe da NBC na Libéria voltará em um voo charter privado

O americano Ashoka Mukpo, de 33 anos, foi infectado com ebola na Libéria (Foto: Reprodução/Twitter/Ashoka Mukpo)
O americano Ashoka Mukpo, de 33 anos, foi infectado com ebola na Libéria (Foto: Reprodução/Twitter/Ashoka Mukpo)

Um jornalista americano que trabalhava para a rede de TV NBC News na Libéria foi diagnosticado com ebola. Este é o quinto caso confirmado de cidadãos americanos com o vírus desde março, quando teve início o surto.

A presidente da NBC News, Deborah Turness, informou que o câmera será levado de volta para os Estados Unidos e encaminhado “para tratamento em um centro médico que está equipado para lidar com pacientes de ebola”.

O resto da equipe da NBC na Libéria voltará em um voo charter privado. Todos serão colocados em quarentena por 21 dias.

O jornalista, de 33 anos, havia sido contratado para servir como um segundo cinegrafista da editora da NBC, que está na capital da Libéria cobrindo o surto de ebola.

Após o cinegrafista descobrir que estava com febre, ele procurou orientação médica e foi levado para um centro de tratamento da ONG Médicos sem Fronteiras. O resultado positivo para ebola foi divulgado em 12 horas.

Primeiro caso de ebola nos EUA
O primeiro caso de ebola foi diagnosticado nos EUA nesta semana, informou o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês). Autoridades de saúde federais confirmaram que um paciente tratado em um hospital em Dallas foi testado positivamente com ebola.

O paciente é um homem infectado na Libéria que viajou para o Texas, onde foi hospitalizado com sintomas confirmados de serem causados pelo vírus fatal. O Hospital Presbiteriano de Saúde de Texas informou que recebeu um paciente não identificado que está sendo mantido isolado.

Fonte: correio24horas.com.br