Home office, ginástica e 32 dias de reclusão, diz Luciano Nasso.

Prof. Luciano Nasso mantém atividades em quarentena

Orlando – FL

Há 32 dias sem sair de casa, em Windermere – Orlando –, o professor e escritor Luciano Nasso cumpre à regra a quarentena ao lado da esposa, dos filhos e netos. Todo procedimento é realizado com os devidos cuidados, orientados pela Organização Mundial da Saúde (OMS). “Quando precisamos buscar alimentos no supermercado ou outros procedimentos essenciais, nomeamos um dos filhos para cumprir a tarefa”, informa Nasso.

Professor da Florida Christian University, em Orlando – Programação de Linguística e Comunicação –, explica Luciano que no momento as aulas na universidade estão suspensas, mas ele continua trabalhando em seu home office, atendendo aos pacientes via Skype.

Livro científico – Nasso é autor do livro científico, “A Glândula Pineal e a Mudança de comportamento em 28 Dias”, pela Editora VLM Press – em português, inglês e espanhol –, que aborda a eficiência da glândula pineal, que, quando reprogramada no cérebro, “melhora o desempenho de nossas atividades, eliminando o cansaço e a insônia, controlando o ciclo menstrual feminino,”, enfatiza.

Relata Luciano Nasso que em seu confinamento, aproveita para fazer exercícios físicos, mantendo a boa forma. “Aproveito o tempo disponível para exercitar o corpo. Faço ginástica e tem sido muito bom porque me sinto saudável, é uma forma de compensar os dias em casa, Exercitar o corpo faz muito bem à saúde”, recomenda.

Natural da cidade de São Paulo, Luciano Nasso disse que tem se ocupado com seus trabalhos, diariamente, com horas ininterruptas. “São compromissos diários, e isso preenche as minhas horas em quarentena”, finaliza.

Toque de recolher – O professor fala do toque de recolher em Orlando, a partir das 22 horas, quando fica proibido circular pela cidade. “As pessoas estão obedecendo ao isolamento social, ficando em casa conforme recomendam as autoridades de saúde. Cada um de nós deve fazer a sua parte, diante da gravidade do coronavírus. É para o bem de todos!”, alerta.