Governo Biden anuncia mudanças no regulamento de visto para cônjuges de imigrantes

Governo Biden anuncia mudanças nos procedimentos de visto para cônjuges e filhos de imigrantes

 

A medida é um passo importante para cônjuges de imigrantes, que vinham perdendo seus empregos, com longos atrasos nas autorizações de trabalho, o que vinha gerando preocupação entre os solicitantes. O anúncio foi feito pelo “American Immigration Lawyers Association”

 

Da Redação

Foi anunciado nesta quarta pelo “American Immigration Lawyers Association (AILA)”, as mudanças que o governo de Joe Biden fará nos procedimentos de visto para cônjuges e filhos de imigrantes. Um passo importante, acabando de vez com os longos atrasos nas autorizações de trabalho, o que vinha gerando desemprego e preocupação entre os solicitantes. A organização iniciou uma ação coletiva em setembro contra os “Serviços de Cidadania e Imigração (USCIS)” em nome de cônjuges de imigrantes que solicitaram autorizações de trabalho sob os chamados vistos H-4 e L-2.

Os demandantes alegaram que os regulamentos do USCIS e os atrasos no processamento de aplicativos forçaram dezenas de milhares de imigrantes legais e seus cônjuges a perderem seus empregos devido a interrupções em suas autorizações de trabalho.

“O processo conseguiu a anulação da política do USCIS que proibia os cônjuges de se beneficiarem da extensão automática de suas autorizações de trabalho enquanto aguardavam o processamento para a retomada da autorização de trabalho”, disse a AILA em um comunicado.

Consulados e embaixadas dos EUA darão prioridade à emissão de vistos americanos nesta ordem. E como resultado de um acordo negociado do processo, o “Departamento de Segurança Interna (DHS)” aceitou um acordo que a AILA descreveu como “uma conquista gigantesca que trará uma mudança massiva na posição do USCIS”.

“Houve pessoas que sofreram”, disse Jon Wasden, um dos advogados que abriu o processo. “Eles perderam seus empregos com altos salários sem motivo legítimo, causando danos a si próprios e às empresas americanas que os empregavam.”