Glicemia média estimada (Hemoglobina glicosilada)

Glicemia média estimada (Hemoglobina glicosilada)

Edição de agosto/2019 – p. 30

Glicemia média estimada (Hemoglobina glicosilada)

O que é glicemia média estimada (hemoglobina glicosilada)?

Além dos tradicionais exames da glicemia de jejum, glicemia pós-prandial e teste de tolerância à glicose para o controle de açúcar no sangue, pode-se ter dados sobre a glicemia média estimada nos últimos dois ou três meses, através da hemoglobina glicosilada (ou hemoglobina glicada ou, ainda, hemoglobina A1C, a principal fração de hemoglobina glicosilada).

O objetivo dessa medida é um melhor controle do diabetes, mantendo os níveis de glicose no sangue o mais próximo possível do normal. A glicemia média estimada é uma avaliação da média da glicemia nos últimos dois ou três meses e não corresponde a nenhuma dosagem isolada de glicose.

A hemoglobina glicosilada foi reconhecida como uma glicoproteína em 1968, mas o uso dela para monitorar o controle do metabolismo da glicose só foi proposto em 1976.

Qual é a fisiologia da hemoglobina glicosilada?

A função da hemoglobina é transportar oxigênio no sistema circulatório para os tecidos. Durante o período de vida da hemácia, a hemoglobina vai incorporando glicose, em função da concentração de açúcar livre no sangue. Dessa forma, o exame de hemoglobina glicosilada consegue mostrar uma média das concentrações de glicose em nosso sangue durante aproximadamente sessenta a noventa dias, diferentemente da glicemia de jejum, que mede as concentrações de glicose no sangue apenas no momento da coleta. A hemoglobina glicosilada é, então, um parâmetro a mais, além da glicemia de jejum e da curva glicêmica, que permite avaliar os níveis de glicose circulantes, com a vantagem de refletir a concentração média de glicose em um tempo mais prolongado.

Quem deve e quem não deve fazer o exame?

Pacientes com diagnóstico recente de diabetes devem fazer a medição da hemoglobina glicosilada para avaliar como estão seus níveis de glicemia. A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia recomenda que em pacientes diabéticos ou pré-diabéticos o teste seja feito pelo menos duas vezes por ano. O exame pode ser realizado diversas vezes até que o controle desejado seja atingido e mantido.

O exame é também usado para o diagnóstico de diabetes. Entretanto, não deve ser usado em gestantes ou em pessoas que tiveram sangramento intenso ou receberam transfusões de sangue há pouco tempo, pessoas com doença crônica renal ou hepática ou pessoas com doenças sanguíneas.

A hemoglobina glicosilada permite um melhor controle em longo prazo dos níveis de glicose no sangue e uma melhor prevenção de complicações cardiovasculares, nefropatia, neuropatia e retinopatia.

Como é feito o teste de hemoglobina glicosilada?

Não é necessário nenhum tipo de preparo para fazer o exame de hemoglobina glicosilada. A pessoa pode comer ou beber naturalmente. É colhida uma amostra de sangue, por meio de uma punção venosa, normalmente a mesma amostra que servirá para outros exames e que será analisada por meio de equipamentos automatizados. Se o exame for único, pode ser feito em uma gota de sangue obtida por uma lanceta de perfuração na polpa de um dedo. Não existem contraindicações para a realização do exame de hemoglobina glicosilada, podendo ser feito por qualquer pessoa. Normalmente o resultado já pode ser dado uma hora após a realização da coleta do sangue.

Como avaliar o resultado do teste?

Normalmente, o açúcar presente no sangue adere à hemoglobina em valores que variam paralelamente às taxas de glicemia. Quanto maior o tempo de hiperglicemia, mais a glicose se liga à hemoglobina e maior será a taxa de hemoglobina glicosilada. Essas taxas são expressas em percentagem e devem manter-se abaixo de 7% (idealmente, abaixo de 6%). Os resultados devem obedecer ao seguinte critério:

  1. não diabéticos: a hemoglobina glicosilada deve estar entre 4,0% e 6,0% e a glicose média estimada entre 68-126 mg/dL;
  2. pré-diabetes: a hemoglobina glicosilada está entre 5,7% – 6,4% e a glicose média estimada entre 117-126 mg/dL;
  3. diabetes: a hemoglobina glicosilada está acima de 6,5% e a glicose média estimada acima de 140 mg/dL.

Qual a importância do teste de hemoglobina glicosilada?

Uma vez que a glicose permanece ligada à hemoglobina por toda a vida da célula vermelha do sangue, normalmente entre 90 e 120 dias, o nível da hemoglobina glicosilada reflete o nível médio de glicose no sangue durante os últimos três meses. Enquanto os resultados da glicemia de jejum podem oscilar de um momento para outro, dependendo de fatores como a prática de atividade física ou o uso de medicações que o paciente esteja tomando, além do fato de que alguns indivíduos podem apresentar glicemia de jejum normal e ter picos hiperglicêmicos em outros instantes, o exame de hemoglobina glicosilada mostra a concentração média de glicose no sangue de uma pessoa durante um longo período.

Concluindo

O exame da hemoglobina glicosilada é usado para diagnosticar e monitorar o controle mais em longo prazo do diabetes mellitus tipo 1 e tipo 2. Ele também pode ser pedido como parte do checkup normal de uma consulta, porque o diabetes pode permanecer assintomático por muito tempo.

https://www.abc.med.br/p/diabetes

News.med.com